quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Diabolik Lovers Lost Eden - Dark 9 - Rota Kino





-Mansão Sakamaki.-

Kou: Ei, vamos lá! Não é hora de dormir! Acorde, Shuu ~!

Shuu: Haa ... tão chato. Ah, é você de novo. O que você quer desta vez?

Subaru: ... É o de sempre - quem vai se tornar Adam. Não dissemos que não importava?

image

Ruki: Sim, mas eu queria tentar debater novamente. Certamente ele tem uma razão para dar seu poder para Ayato.

Kou: Então, se alguém de fora vem e tenta se tornar Adam, algo ruim pode acontecer, certo?

Reiji: ... eu vejo. Então, em conclusão, você está dizendo que seria melhor salvar os dois antes que seja tarde demais?

Ruki: Sim, exatamente.

Kou: Como Reiji-kun, você é sempre tão rápido! De qualquer forma, nós investigamos um pouco mais desde então, parece que Ayato-kun e M-Neko-chan provavelmente estão sendo mantidos em uma mansão, de propriedade de alguém chamado Kino.

Shuu: Kino ...? Então ele é o tipo de boato ...

Ruki: Sim, o cara que está dizendo ser seu irmão.

Laito: Hmm, Kino-kun ... Nesse caso, devemos salvá-los rapidamente. De acordo com o que você disse antes, esse grupo de resistência é chamado de "Raven" e parece que todos, exceto Kino, não são vampiros, são ghouls.

Subaru: Ha, então vai ser fácil. Vamos limpar tudo esta noite.

Ruki: Bem ... isso pode não acontecer como esperamos.

Reiji: ... ... O que há de errado?

Ruki: ... Não, não é nada. Vamos


Lugar - Manção de Kino.-

Laito: É essa?

Kou: O parente disse sim, mas ...

Shuu: ... ... é um pouco quieto, não é?

Laito: Eles provavelmente estão dormindo? Então vamos nos apressar e vamos fazer isso.


* Entram na sala de estar. *

image

Kanato: Não há ... ninguém aqui.

Subaru: Oi, Kou, você definitivamente checou tudo corretamente, não foi?

Kou: Eh ~? Você está me culpando? Você é tão ruim Subaru-kun!

Ruki: Shh! Silêncio Eu acabei de ouvir- gh!

Kou: ... ...! Ruki-kun!

Ruki: ...! Como eu pensava, era uma armadilha!

???: Levou tempo, vampiros! Agora eles vão enfrentar o nosso ressentimento!

??? (2): Haverá paz verdadeira no mundo quando os exterminarmos ...!

Shuu: ... Estes são caçadores de vampiros ... ...!

Laito: caçadores de vampiros! Por que eles estariam aqui ...!

Shuu: Pense nisso mais tarde! Lá vem eles!

* Tiroteio, mudança de cena *

image

Kanato: Por que isso acabou assim?

Kou: Ruki-kun, você está bem ... ...? Vamos juntos… !

Ruki: Ah, estou bem. Não se preocupe ... ... ghh.

Reiji: De qualquer forma, se ficarmos aqui a qualquer momento, será perigoso. Vamos

Subaru: Vampiros trabalhando com a igreja ...? Realmente ... que tipo de pessoa é Kino?


Monólogo

Pouco antes de sair da mansão, houve um tempo em que falei com Ayato-kun.
Ele disse que deveríamos fingir segui-lo por um tempo. Eu concordei
Kino-kun colocou algemas nas mãos de Ayato-kun. Estas eram algemas especiais que poderiam restringir os poderes de Ayato-kun.
Não é que estamos seguindo exatamente o conselho de Yuri-san, mas estaríamos terrivelmente atormentados se não nos rebelássemos nem um pouco, então o seguimos.
Eu tentei perguntar a Kino-kun para onde estávamos indo, mas, como ele pensava, ele apenas sorria misteriosamente e não dizia.
Não é a minha primeira vez indo para o Makai, mas com a paisagem ao meu redor parece que estávamos indo para um lugar que eu nunca estive antes.
O tempo passa devagar aqui. Nós poderíamos ter viajado durante
dias, mas perdi a referência.
Então, um dia, Kino-kun disse alguma coisa.

image

Yui: Hã? O que foi isso… …

Kino: ... eu disse, é um Rotigenbelk (/ Rotigenberuku /). Você queria saber, certo? Esse é o lugar para onde estamos indo. É um lugar isolado neste maldito Makai.

Ayato: ... ...

Yui: ... ...? (Um momento atrás o rosto de Ayato-kun mudou de cor...)


Seleção:

  "Pergunte ao Kino-kun" (M. Selection)

 "Pergunte a Ayato-kun." (Selecção S.)


Yui: (Estou curiosa, mas Kino-kun me proibiu de falar com Ayato-kun ...)

Kino: ... Hm? O que está acontecendo? Você está interessada em Rotigenbelk?

Yui: ... sim.

Kino: Bem, isso é algo que você saberá quando estivermos lá. Fufu ...

Yui: (Agora estou mais curiosa ...!)

Yuri: Kino. Quando deixarmos esta floresta, haverá um caminho passando pela montanha bem em frente. Nós vamos descansar lá por um tempo.

Kino: Tudo bem. Então, o de sempre...?

Yui: ...


Monólogo

Desde que saímos nessa viagem, Kino-kun tinha me algemado toda vez que dormíamos.
Claro que eu estava relutante, mas continuou acontecendo e acontecendo, e finalmente consegui dormir um pouco.

Kino: Bem, boa noite.

Yui: ... ... boa noite.

Ayato: ... ...

Yuri: ...

Yui: (Mesmo quando Kino-kun está dormindo, Yuri-san ainda está aqui assistindo e ficando de guarda ... Eu definitivamente não posso falar com Ayato-kun assim.)

Yui : ... ...

Yui : (De alguma forma, estou exausta, eu deveria dormir um pouco também ...)

* Kino geme enquanto dorme. *

Kino: ... ... ... Aahh.

Yui: (... Agora, o que foi isso ...?)

Kino: Ha ... ... ... gh. pare ... porque ...

Yui: Kino-kun ...?

Kino: N-Não ... eu fui ... escolhido! ... você está errado ... não!

Yui: (... o que!?) Kino-kun! O que esta…

Yuri: Por favor, deixe isso.

Yui: ... Yuri-san ...? Mas Kino-kun

Yuri: Está tudo bem, então se acalme.

Yui: ...

Yuri: Por favor, não se preocupe e descanse. É só um pouquinho até acabar ...

Yui: eu entendo. Boa noite…

Kino: ... Haa ... nn ...

Yui: (... Vai ficar tudo bem ... parece sofrer ... Mas a reação da Yuri-san foi como se ele já estivesse acostumado com isso ... eu me pergunto o que é ...)

Monólogo

Tentei não reproduzir isso em minha mente e forcei meus olhos a se fecharem.
Kino-kun continuou resmungando inconsistências e negando alguma coisa. Eu me pergunto o que isso significa.
Adormeci novamente, enquanto me perdi em pensamentos sobre o que poderia ser.

Opções corretas → "negando", "dormindo".

Fim do Dark 09 ~
Leia Mais ►

sábado, 24 de novembro de 2018

Masamune Date - Capítulo 7



 Ao final desse capítulo você encontra a tradução das partes de 1 a 5 narradas pelo ponto de vista dele. ✩ 




❖ Parte 1 


Depois do Masamune e os outros terem passado pela floresta norte e saído de Azuchi—

Hideyoshi e Mitsuhide foram até o Nobunaga se despedirem antes de partir.

Hideyoshi: “Meu lorde, Masamune e Ieyasu saíram cedo essa manhã.”

Mitsuhide: “Nós estaremos embarcando logo para subjugar Kennyo e suas forças.”

Nobunaga: “Eu tenho grandes expectativas em vocês.”

Nobunaga estava olhando para uma carta. Ele a colocou em cima de sua mesa depois de terminá-la.

Nobunaga: “Aquela bola de fogo nunca para de me surpreender.”

Mitsuhide: “Bola de fogo, meu lorde? Que carta é essa?”

Nobunaga: “Uma mensagem da MC, dizendo que ela foi com o Masamune.”

Hideyoshi: “O QUE?!”

Mitsuhide: “Que divertido.”

Hideyoshi: “Não, não é! Isso é sério!”

Mitsuhide apenas sorriu secamente. Hideyoshi parecia preocupado saindo em direção ao terraço.

Nobunaga: “Ela achou que era melhor ir do que pedir minha permissão. Eu acredito que ela está apaixonada pelo Masamune.”

Hideyoshi: “Lorde Nobunaga, devo trazê-la de volta?”

Nobunaga: “Não. Vai ser muito mais interessante ver o que ela fará depois.”

Hideyoshi: “Mas ela não tem treinamento. Não tem experiência. Nós não podemos mandá-la para batalha desse jeito.”

Nobunaga: “Hideyoshi, eu quase acho que você tem sentimentos por ela.”

Hideyoshi: “Eu só estou preocupado, meu lorde.”

Nobunaga: “Deixa a MC fazer o que ela quiser.”

Nobunaga: “E Masamune também. Eu nunca vi ele demonstrar tanto apego em uma mulher.”

Nobunaga: “Que rara e interessante nossa bola de fogo se tornou.”

........................

Nós cavalgamos metade do dia. Pra lá de Azuchi, o caminho era em sua maioria planícies intocadas.

(Foco. A batalha pode começar a qualquer momento.)

Eu tenho dito isso a mim mesma toda hora. Minutos, na verdade.

(Bem, primeiro nós precisamos parar, montar acampamento, achar o inimigo. Ou será um ataque surpresa? Não, nós estamos nos escondendo deles, então--)

Masamune: “Alguém é feita de coragem.”

MC: “Quem é feito de coragem?! Onde eles estão?!”

Eu quase pulei pra fora do cavalo em surpresa.

Masamune: “Não morra de pânico antes mesmo de o inimigo mostrar sua face, moça.”

MC: “Masamune, não mencione a palavra que começa com ‘m’!”

Vassalo: “...Nós vamos ter a chance de enfrentar a elite do Takeda: os Akazonae.”

Vassalo 2: “Essa vai ser uma batalha dos infernos. Eu sei que estou animado!”

Os homens ao nosso redor estavam positivamente entusiasmados sobre a possibilidade de batalha.

(Eu entendo ficar animada sobre um oponente difícil nos esportes ou nos jogos, mas quando diz que o oponente está tentando te matar?)

Novamente, parecia que eu era a mulher estranha fora desse mar de entusiasmo.

Ieyasu: “Você está assustada, não está?”

*Cap. 7 – parte (1/10) completa*




❖ Parte 2 


Ieyasu: “Você está assustada, não está?”

Ieyasu estava cavalgando ao lado do Masamune e eu.

MC: “Não. Um pouco? Mas eu vou ficar bem.”

MC: “Eu só não entendo de onde vem toda essa animação.”

Masamune: “Esses caras são todos uns idiotas amantes-de-batalhas.”

Masamune: “Quanto mais desesperada a situação em que eles estão, mais eles se sentem vivos.”

Ieyasu: “Eles estão sendo liderados pelo maior idiota amante-de-batalha de todos.”

Masamune: “O que foi isso, Ieyasu?”

MC: “Masamune, eu tenho que concordar com ele.”

Masamune: “Você também moça? Eu não posso deixar isso passar. Vem aqui!”

Masamune começou a afagar minha cabeça com seu nariz e queixo até eu rebater ele.

MC: “Para, para! Você não é um idiota! Eu retiro o que eu disse!”

A brincadeira dele aliviou o meu estresse.

(É impossível ficar tensa com o Masamune.)

De fato, eu estava sorrindo quando voltei a olhar pra frente, tendo o campo de lindas flores selvagens ao nosso redor.

Além do oceano de coloridas florescências, eu avistei várias fileiras de casas.

MC: “Parece que tem um vilarejo à frente.”

Masamune: “Nós vamos um pouco mais a frente que isso, paramos, montamos acampamento e descansamos a noite.”

Masamune: “Não é tão longe, pessoal!”

Vassalos: “Está bem!”

Um coral alto de respostas se seguiu.

Yojiro: “Lorde Masamune, princesa MC.”

Yojiro andou com seu cavalo até nosso lado.

Um sorriso puxava o canto da sua boca.

Masamune: “O que foi?”

Yojiro: “Eu explorei mais a frente, e aquele vilarejo na verdade estará realizando um festival essa noite.”

Yojiro: “Eu sei que você gosta de festivais, Lorde Masamune, então eu pensei que você gostaria de saber.”

Masamune: “Isso não é incrível?”

(Eu me pergunto quão diferente são os festivais no passado? Eu gostaria de ver um.)

(Não que nós teremos qualquer tempo pra parar e checar esse.)

Masamune: “Vamos parar e dar uma olhada. Vai ser uma boa forma de relaxar antes da batalha.”

MC: “Nós realmente vamos?”

Eu não pude deixar de me sentir um pouco animada sobre isso.

MC: “E o acampamento?”

Masamune: “Nós vamos continuar andando de qualquer forma. E o trabalho vai mais rápido uma vez que todos tenham se divertido um pouco.”

Masamune: “Vamos apressar o passo, pessoal! Temos que chegar antes do pôr do sol! Nosso destino é aquele festival!”

Aplausos e gritos vieram de trás de nós.

(É assim que o Masamune sempre sai para as batalhas?)

(Talvez eu consiga entender porque todos são tão animados agora.)

Minha animação era compartilhada por todos os homens ao nosso redor.

(Parece mais que nós estamos indo em uma viagem do que indo para uma batalha.)

(Masamune sempre faz isso. Ele encontra a diversão na vida e então compartilha isso.)

Eu percebi mais uma vez o quanto eu acho o Masamune precioso.

(Se tornou mais do que só amor. Ele tem um lugar muito especial no meu coração.)

(Eu me pergunto como ele me vê?)

(Nós passamos mais tempo juntos, mas eu não tenho certeza se ele me vê diferente de quando nos conhecemos.)

(Nós estivemos em encontros, mas não estamos namorando. Masamune nem mesmo entende o total significado dessa palavra.)

(Qual o próximo passo depois do ‘interessada em dormir com você’ no período Sengoku?)

*Cap. 7 – parte (2/10) completa*




❖ Parte 3 


(Nós passamos mais tempo juntos, mas eu não tenho certeza se ele me vê diferente de quando nos conhecemos.)

(Qual o próximo passo depois do ‘interessada em dormir com você’ no período Sengoku?)

<Lembrança>

MC: “Olha Masamune. Não é legal fazer algo desse tipo a não ser que a gente goste um do outro primeiro.”

Masamune: “Então qual é o problema?

Masamune: “Eu gosto de você.”

<Fim da Lembrança>

(Mas aquilo foi logo depois que nos encontramos. Quais são seus sentimentos por mim agora?)

Masamune: “Ieyasu, estamos mudando acampamento. Essa noite vamos nos estabelecer logo na saída daquele vilarejo.”

Ieyasu: “Ta bom. Não que você me ouviria, mesmo que eu te tivesse alguma reclamação.”

Masamune: “Obrigado por ser legal e compreensível.”

Ieyasu: “Vamos só convidar o Kenshin para o festival também, enquanto estamos nele.”

(NT: Acho uma ótima idéia...huahua 😀)

Ieyasu suspirou. Masamune riu, nem um pouco preocupado.

Inclinando minha cabeça pra olhar o Masamune, eu observei a expectativa florescer em seu rosto.

(Esse será nosso segundo encontro. Eu espero que seja bom.)

........................

O sol tinha acabado de começar a se pôr quando nós chegamos na vila. As medalhas de ouro criavam um lindo arranjo com as lanternas vermelhas.

MC: “Esse vilarejo é tão pequeno, mas eles realmente estão fazendo de tudo por esse festival!”

Masamune: “Eles devem atrair gente dos vilarejos vizinhos também.”

Os vendedores ao ar livre haviam criado sua própria pequena cidade de pequenas lojas e barracas.

Masamune e eu andamos juntos por entre eles.

Meu olhos foram pegos pelas mercadorias que um vendedor em particular tinha exposto.

(Eu não esperava achar isso aqui!)

MC: “Esses são fogos de artifício, não são?”

Vendedor: “Bons olhos, senhorita! Eles são raros, então nem todo mundo reconhece eles!”

Vendedor: “Para esse, você acende o final e ele provoca todo tipo de lindas faíscas que vai aparecendo.”

(Eu estava certa! Esses são fogos estrelinhas! Eles são provavelmente a origem dos fogos estrelinhas que eu conheço no meu tempo.)

O vendedor me ofereceu um para olhar. O brilhante papel torcido estava fortemente amarrado como uma varinha.

Masamune: “Isso são fogos de artifício? Eles aparecem pequenos.”

Masamune se inclinou para olhar o que estava na minha mão.

MC: “No meu tempo, nós os chamamos de estrelinha.”

MC: “Eles são uma parte importante do verão. Quando crianças, nós brincávamos de todo tipo de jogos com eles.”

Masamune: “Jogos, huh? Parece divertido.”

Masamune pegou aquele que eu estava segurando, seu olhar cheio daquela familiar alegria.

Masamune: “Você acha que pode me ensinar esse jogo que você costumava brincar?”

MC: “Está bem. Mas eu posso ver o olhar em seu rosto. Não é tão grande coisa como você está imaginando.”

Masamune: “Não precisa ser. Eu ainda estou interessado.”

Masamune: “O que é a vida se você não experimentar coisas novas?”

MC: “Não muito divertida, isso com certeza.”

O sorriso divertido do Masamune fez meu coração saltar.

(Quando ele sorri desse jeito, eu acho que aceitaria qualquer coisa.)

Só de ter ele lançado em minha direção me deixava um pouco tonta.

Nós compramos um punhado de fogos de artifício do homem e os levamos para o rio.

Um por um, nós os acendemos e observávamos enquanto eles eclodiam em flores feitas de luz e fogo.

MC: “Eles são tão mágicos quanto me lembro. Eu amo esses.”

Aquele som de estalado familiar trouxe de volta algumas das minhas memórias favoritas da infância.

Masamune: “Então, como é esse jogo?”

MC: “Bem, como eu disse, é simples, quem—“

Eu estava pra dizer a ele que quem tiver sua estrelinha apagada primeiro perdia, mas a do Masamune apagou bem na hora. 
       
A minha continuou a queimar por poucos segundos a mais antes de apagar também.

MC: “Quem tiver sua estrelinha apagada primeiro perde. É um jogo de sorte.”

MC: “Então, como pode ver, eu acabei de ganhar.”

(É engraçado derrotar o Masamune em alguma coisa. Eu meio que sinto que estou me gabando.)

Eu dei uma confiante risada de vitória, o tipo que imaginei que Masamune daria.

Masamune: “Essa é uma boa aparência em você.”

MC: “A risada arrogante?”

Masamune: “A confiança. Você parece Shogetsu, o que ele faz quando pega um rato.”

MC: “Legal. Você está me comparando com seu animal de estimação de novo.”

Eu balancei a cabeça, só pra sentir Masamune colocar sua mão quente nela.

Masamune: “Não fique emburrada. Eu estou gostando do seu sorriso fofo.”

*Cap. 7 – parte (3/10) completa*




❖ Parte 4 


Masamune: “Não fique emburrada. Eu estou gostando do seu sorriso fofo.”

MC: “Eu não estou emburrada. Eu só não quero ser seu animal de estimação fora de casa.”

Masamune sorriu suavemente, seu olho me observando carinhosamente.

Pelo menos ele adicionou que gosta do meu sorriso.

(E eu sei que ele não quer dizer nada me comparando com o Shogetsu.)

(Se fosse assim tão fácil dizer a diferença entre quando ele está flertando e quando ele está sério.)

Masamune: “Essas estrelinhas são lindas, mas não duram muito.”

MC: “É. Elas acabam antes que você perceba.”

Masamune: “Então vamos acender mais algumas novamente.”

Masamune acendeu outro par de estrelinhas e deu uma delas pra mim.

(Isso é muito divertido. Eu não acredito que nós estamos fazendo isso na véspera da guerra.)

(Mas eu não vou pensar nisso agora. Eu só quero aproveitar esse tempo juntos.)

Masamune e eu nos sentamos à beira do rio na dança brilhante das estrelinhas. Era um momento cheio de mágica.

MC: “Você disse que esses parecem pequenos para fogos de artifício. Então vocês devem ter maiores, certo? Do tipo que você pode lançar para o céu?”

Masamune: “Sim, nós temos. Eu tenho um fabricante de fogos de artifício em Aoba, meu castelo em Oshu, na verdade.”

MC: “Talvez algum dia você possa me levar lá? Eu adoraria ver grandes fogos de artifício novamente.”

Masamune: “Algum dia é bem indefinido.”

Masamune ficou pensativo. Eu me pergunto se abusei da minha sorte perguntando isso.

Masamune: “Eu não gosto de fazer promessas que não tenho certeza se poderei cumprir.”

Masamune: “Mas por você, eu vou. Eu prometo que vou te mostrá-los, algum dia.”

(...Eu acho que sempre vale a pena perguntar!)

Eu levantei minha estrelinha para o alto, como se fosse uma estrela que tivesse acabado de conceder meu pedido. Masamune ergueu a dele também.

As cinzas caíram da minha estrelinha e o fogo apagou momentos antes do dele.

Masamune: “Eu ganhei dessa vez.”

Masamune sorriu pra mim no brilho das lanternas do festival que estavam próximas.

Curiosamente o suficiente, as luzes avermelhadas me fizeram perceber que havia algo diferente no sorriso que ele acabava de me dar.

Havia um pouco de vermelhidão em suas bochechas. Havia sumido agora, mas—

(Eu não estou vendo coisa demais, certo?)

Masamune me olhava agora, não divertidamente, mas de uma maneira amorosa.

O que eu via em seu olhar intenso e quieto sorriso me fez pensar que nosso segundo encontro estava indo melhor do que sonhei.

Masamune: “Agora para meu prêmio.”

Masamune se levantou e deu uns passos se afastando, com suas costas voltadas para as lâmpadas. Ele se virou pra mim.

Masamune: “O perdedor tem que fazer o que o vencedor pedir.”

MC: “Oh você não acabou de--?!”


Opções:

1- “Isso não é uma regra!” (escolhida)
2- “Eu não pedi por nada!”
3- “Qualquer coisa?”


MC: “Não existe regra desse tipo!”

Masamune: “Eu inventei, agora mesmo.”

Masamune: “Ok, você está pronta? Eu vou te dizer, um passo de cada vez.”

Masamune ficou do outro lado das pedras lisas do rio. Seus braços abertos, convidativos.

Masamune: “Levanta.”

MC: “Levantando. O que vem depois?”

Masamune: “Dê três, não, quatro passos pra frente. Vem.”

O grosso mas agradável som da sua voz era um encantamento como o som de uma flauta.

Não havia dúvida, nem hesitação ali. Ele sabia que eu iria, e eu fui, um passo de cada vez.

(Ele não pode nem saber o quanto eu gosto dele.)

(É injusto que ele possa fazer isso tão facilmente.)

Masamune: “Um último passo. Boa gatinha.”

(Não me chame de gatinha agora. Eu acho que meu coração pode tremer em pedaços!)

Eu cruzei a última pedra que nos separava.

Assim que eu fiz isso, Masamune me pegou em seus braços.

MC: “Era isso que você queria pedir?”

Masamune: “Isso é só porque eu queria te abraçar. Eu tenho mais uma coisa pra você fazer.”

Os lábios do Masamune estavam encostados na minha orelha, e era como se as próprias palavras me acariciassem quando ele falava.

(Estar em seus braços é outro tipo de mágica.)

(Eu quero que esse feitiço dure pra sempre.)

Seus braços se apertaram ao meu redor e o amor inundava dentro de mim.

Masamune: “Agora levanta a cabeça.”

MC: “Pra você, sim.”

Eu olhei pra cima e encontrei o olho do Masamune.

Masamune: “E fique na ponta dos pés.”

MC: “Haha. Ok. Estou confiando em você. Não tenho certeza do por que.”

Masamune: “Oh, eu acho que você sabe.”

(Se isso está indo onde eu espero que esteja, eu vou ficar feliz.)

Masamune colocou as mãos no meu rosto. Eu me aproximei daquele único, selvagem, cativante olho.

Masamune: “Eu quero que você me beije.”

*Cap. 7 – parte (4/10) completa*



❖ Parte 5 


Masamune: “Eu quero que você me beije.”

As palavras derreteram dentro do meu coração. Eu mesma não queria nada mais do que isso.

Ele deslizou mais pra baixo seus braços que estavam ao meu redor quando eu me aproximei e o beijei.

Nos beijamos uma segunda vez, e então uma terceira. A cada beijo eu fazia uma pergunta, e a cada beijo eu recebia uma resposta.

(Esses são os tipos de beijos que você sempre compartilha com as pessoas, Masamune?)

(Ou esse beijo é especial? É só pra mim?)

Cada vez eu aguentava mais tempo. Eu não queria que parasse. Eu queria esse homem incrivelmente lindo e apaixonante todo pra mim.

Só pra ver que expressão ele tinha no rosto, só pra ouvir suas palavras, e por nenhuma outra razão eu finalmente o larguei.

Masamune: “Você sabe o que está parecendo agora?”

MC: “Se você disser que eu pareço o Shogetsu de novo, eu vou te bater.”

Masamune esfregou a ponta do polegar pelo meu queixo, e eu senti faíscas como estrelinhas estalando dentro de mim.

Masamune: “Está parecendo que você não quer parar.”

MC: “Bom palpite.”

Masamune: “Então estou certo?”

MC: “Você sabe a resposta.”

(Você está mais do que certo.)

Dessa vez, Masamune me beijou.

Seus lábios, ainda quentes, eram uma carícia de seda.

Nos aproximamos mais, aprofundando o beijo, nossas mãos se movendo um sobre o outro.

Eu sentia o calor do seu corpo sobre meu kimono, cheirava seu odor natural que faria qualquer perfume chorar de inveja.

(Eu não preciso de você pra dizer que me ama.)

(Eu não sei se nós somos algo especial na sua mente, e está tudo bem.)

(Seus beijos me dão o que eu quero e o que eu preciso.)

Masamune quebrou o beijo gentilmente. Eu vi um familiar sorriso estilo-tigre em seus lábios.

Masamune: “Bem, que tal isso? Você parece muito beijada.”

MC: “O que isso significa?”

Masamune: “Seus lábios estão inchados, seus olhos estão tão escuros quanto a noite, e suas bochechas estão da cor das peônias.”

MC: “É um festival! Como todas as pessoas sabem, venta muito perto do rio!”

Eu dei a ele um sorriso tímido e arrumei meus cabelos com uma mão.

(Você me beijou até tirar o fôlego algumas vezes agora.)

(E o que tem de errado em parecer muito beijada, de qualquer forma?)

MC: “Você pareceria selvagemente beijado também, exceto que você sempre parece selvagem! Então, justo é justo. Você me deve essa.”

Depois de uma pausa curiosa, Masamune caiu na risada.

Masamune: “Haha! Você é realmente fofa, gatinha.”

MC: “Para de rir!”

Masamune: “Desculpa. Me desculpa. De verdade! Não me arranha!”

Masamune: “Você parece mesmo adorável.”

MC: “Oh, agora eu pareço adorável? Eu pensei que você tivesse tentando dizer que eu estava uma bagunça!”

Masamune: “Se você está preocupada, então eu prometo não te beijar de novo.”

MC: “Espera! Que? Não!”

(Você não me beija dessa forma e então--!)

Eu parei, percebendo que eu fui enganada mais uma vez.

Masamune estava rindo de novo.

Masamune: “...Brincadeira.”


❖ Na próxima parte: O pensamento do Masamune arriscando sua vida me deixou em conflito sobre minha própria decisão.
Nossos diferentes pontos de vista foram colocados em grande contraste na noite anterior a batalha.
Masamune cutucou meu queixo. “Guarde essas preocupações para o futuro. Eu tenho uns bons 500 anos sobre você afinal de contas.”
E então, Kennyo pôs em prática seu esquema de vingança—

*Cap. 7 – parte (5/10) completa*




❖ Parte 6 


Masamune: “Foi uma brincadeira. Dessa vez eu prometo nunca parar de te beijar.”

MC: “Masamune!”

Eu ri e bati nesse terrível, lindo tigre no ombro. Ele me deu um beijo rápido nos lábios.

Então ele olhou pra mim, olho azul radiante, tapa-olho aparecendo através da sua franja, e um grande sorriso no seu rosto.

Masamune: “Você tem que parar de ser tão fácil de provocar.”

MC: “Você que deve parar de me provocar!”

(Eu não acredito que caio nessa brincadeira boba toda vez.)

Eu deitei minha cabeça no peito dele, sentindo levantar e abaixar através das camadas suaves de algodão.

MC: “Eu sei que você gosta de me provocar, mas isso tem hora e lugar.”

Se desculpando, talvez, Masamune colocou seus braços ao meu redor de volta.

MC: “Assim é melhor.”

Ele estava sorrindo, e eu não podia negar que ele devia ainda estar curtindo sua brincadeira.

Masamune: “Eu sei. É porque você faz eu me sentir diferente. E às vezes isso me faz—“

(Faz você o que? Agir como um estudante colegial com um crush?)

Mas ele parecia inesperadamente sério. Eu olhei pra ele.

Masamune: “Eu nunca parei e desejei que um momento durasse pra sempre até agora, com você.”

Masamune: “Bem assim, eu sinto como se eu pudesse te observar pra sempre.”

Masamune: “Eu não costumo me sentir desse jeito. É mais fácil simplesmente rir e agir como se não fosse nada.”

(Ele quer que esse momento dure também?)

Levou um tempo pra minha mente registrar o que ele estava dizendo.

(Masamune deve ter deixado centenas de pessoas sem fôlego. Mas ele acabou de admitir--?)

Masamune: “De qualquer forma, nós devemos voltar.”

Nos separamos mais uma vez. Ele estendeu a mão pra mim e eu a peguei, andando no mesmo ritmo ao lado dele.

(Eu estava satisfeita com o aqui e agora. Com não ser “especial” para o Masamune.)

Eu apertei sua mão gentilmente enquanto nós andávamos e ele apertou de volta, um acordo silencioso.

(Ele me prometeu “algum dia”. Ele desejou “pra sempre”. Essas não são os tipos de palavras que Masamune simplesmente joga por aí.)

(Eu acho que nosso segundo encontro realmente se tornou bem melhor do que eu esperava.)

Lado a lado nós deixamos a quieta margem do rio e voltamos para o barulho e as luzes do festival.

Eu me pergunto se esse vilarejo ainda existe por aí no meu tempo. Se eles ainda realizam esse festival, séculos depois.

Parece improvável, mas com o Masamune, 500 anos não é uma distância insuperável como uma vez pensei que fosse.

.....................

No fim das contas, um acampamento militar não tinha nada da diversão de um acampamento verdadeiro. Mas eu me acostumei rápido.

Dentro de um punhado de dias, nós chegamos à vista das fortificações inimigas.

(Então é isso.)

Uma fortaleza de madeira montada apressadamente nos saudava do outro lado das vastas planícies.

Dessa distância, os soldados pareciam formigas se movendo por toda parte.

Nosso campo de batalha estava a vista. Eu não podia mais mentir pra mim mesma: eu estava prestes a ir pra guerra.

(Nós vamos atacar aquela fortaleza. Nosso lado contra o deles. Lutando. Matando.)

Masamune: “Nós finalmente estamos aqui.”

Parado ao meu lado, Masamune olhava para nosso inimigo com tensa excitação.

Sua coragem e confiança inspiravam seus homens, fluindo ao longo de toda a tropa.

Masamune: “Primeiro, eu quero que os batedores façam o reconhecimento do terreno e uma contagem precisa da tropa deles. Rápido.”

Masamune: “Todos os outros, comecem a montar acampamento. Façam com que os cavalos estejam descansados e alimentados. Vejam se nossas armas estão limpas e prontas.”

Soldados: “Sim, lorde!”

Todos se separaram em grupos para completarem suas tarefas.

Masamune: “Você tem seu rifle, certo? Eu o percebi na sua bagagem.”

MC: “Sim.”

Masamune: “Bom. Você vai precisar dele pra se proteger.”

*Cap. 7 – parte (6/10) completa*




❖ Parte 7 


Masamune: “Bom. Você vai precisar dele pra se proteger.”

Eu mudei de lugar minha bagagem, com a ponta do rifle aparecendo.

Não era leve, mas apesar do peso eu me sentia de alguma forma confortável em tê-lo.

(Eu não quero usar ele. Não em outra pessoa.)

(Mas nós estamos a beira da batalha. É hora de superar isso.)

Eu soprei suavemente, olhando para a fortaleza do inimigo.

Masamune: “Você sabe como usá-lo, certo?”

MC: “Sim. Eu terminei minhas lições.”

(Eu prometi fazer o que eu pudesse para ser útil ao Masamune.)

(Mas atirar em alguém é realmente uma coisa que vai ser útil pra ele?)

Ieyasu estava parado ao lado de nós dois. Eu o peguei olhando pra mim de novo.

(Não adianta perguntar o que vai ou não ajudar. É tempo de fazer ou morrer. Matar, ou ser morta.)

Eu fingi não notar o aviso silencioso no olhar do Ieyasu.

...................

Naquela tarde—

(Masamune e seus vassalos estão isolados naquela barraca desde que nós nos estabelecemos. Tenho certeza que tem muito pra se discutir.)

Eu entrei lá pra levar comida, checar eles, e nesse intervalo, eu ajudei onde podia no acampamento.

Soldado 1: “Princesa, talvez você devesse descansar?”

Soldado 2: “Você tem trabalhado o dia todo. Você vai precisar de descanso pra batalha de amanhã.”

MC: “Eu estou bem. O trabalho me ajuda a relaxar, na verdade.”

Soldado 1: “Você me lembra um pouco a minha filha! Ela nunca senta enquanto ainda há uma maneira de ajudar na casa.”

Yojiro: “Minha irmã mais velha é do mesmo jeito. Ter a princesa MC ao redor faz eu me sentir um pouco como se estivesse de volta em casa.”

MC: “A propósito, quer alguma ajuda com isso, Yojiro?”

Yojiro: “Obrigado, mas deixa que eu cuido das louças. Minha irmã puxaria minha orelha se soubesse que eu estou deixando uma garota fazer todas as tarefas.”

MC: “Bem, não podemos deixar isso acontecer. Elas são todas suas.”

(Yojiro e os outros todos têm uma família esperando por eles em casa. Esperando como eu estaria se eu não tivesse vindo junto.)

(Eu acho que precisa ter tanto a coragem pra mandar a pessoa que é importante pra você para a batalha quanto ir para a batalha propriamente dita.)

A conversa feliz deles sobre o lar pesava em mim.

MC: “Eles devem sentir falta da família.”

Ieyasu: “É pra se exibir. Nenhum deles é mais adaptado para a paz.”

MC: “Você não acha que isso é meio cruel?”

Ieyasu, vestido em sua armadura, estava sentado na sombra de uma árvore próxima.

MC: “Eu pensei que você preferia ignorar as pessoas, de qualquer forma.”

Ieyasu: “Eu tentei.”

Ele suspirou e se voltou para o livro em suas mãos.

Ieyasu: “É impossível não ouvir dessa distância.”

(De todas as pessoas que eu encontrei em Azuchi, Ieyasu é o único que nunca se abriu pra mim.)

(Eu me pergunto se é possível atravessar essa concha dele?)

MC: “Você realmente gosta de livros, não é? Eu sempre estou vendo você lendo.”

MC: “Eu pensei que fosse desconfortável se sentar e ler com a armadura, mas eu acho que isso não incomoda um lorde guerreiro como você!”

Ieyasu: “Se está tentando dizer que eu pareço estranho, então eu não sou mais estranho que você.”

(Isso se voltou contra mim completamente.)

MC: “Bem, nós finalmente temos alguma coisa em comum então.”

Ieyasu olhou pra mim.

Ieyasu: “Você nunca viu uma guerra antes.”

Ieyasu: “Posso dizer, porque você está sorrindo.”

MC: “Eu não sou a única sorrindo.”

Eu acenei na direção dos soldados sorridentes atrás de nós. Ieyasu se virou.

Ieyasu: “Você não devia ter vindo junto.”

*Cap. 7 – (7/10) completo*




❖ Parte 8 


Ieyasu: “Você não devia ter vindo junto.”

MC: “Um pouco tarde pra isso, você não acha?”

A voz do Ieyasu era quieta.

Ieyasu: “Aqueles caras não estão sorrindo por dentro. Você também não será capaz disso, depois de amanhã.”

MC: “Talvez sim. Eu tenho considerado essa possibilidade o dia todo.”

MC: “Mas se eu tivesse esperado no castelo de Azuchi, eu não estaria sorrindo agora também.”

(Eu estaria bem mais preocupada do que agora. Eu não saberia onde Masamune estaria. Se ele estaria lutando. Se ele estaria vivo.)

(Agora, eu tenho essas pequenas garantias, mesmo que eu não possa influenciar diretamente o que vai acontecer com o Masamune amanhã.)

Ieyasu: “Isso vai ser pior.”

Ieyasu: “Esperando em Azuchi, você encontraria algo pra sorrir algum dia.”

Ieyasu: “Se você tiver que matar alguém, você nunca conseguirá sorrir da mesma forma novamente.”

(...Eu estava errada em pensar que ele era só mal humorado.)

MC: “Você está preocupado comigo, não está?”

Ieyasu: “Que? Não. Absolutamente não, idiota.”

Ieyasu bufou em desgosto e se virou.

(Ok, ele está mal humorado, mas ele ainda se importa. Ele sempre esteve ali pra conversar comigo sobre o Masamune.)

(Ele só tem problema em ser honesto com seus sentimentos. Eu posso entender.)

Ele sabia que eu estava preocupada dessa vez também, e ele estava agindo preocupado comigo.

MC: “Eu agradeço sua preocupação.”

Ieyasu: “Tanto faz.”

Ieyasu: “Você é simplesmente a pessoa mais atrapalhada que já ficou viciada no Masamune. Eu só estou cuidando de você.”

(NT: PQP gente! Q vontade de abraçar ele!! Aaaahhh.)

Masamune: “Você esqueceu de se incluir nessa declaração, Ieyasu?”

MC: “Que--!”

Um braço quente se envolveu ao redor dos meus ombros. Eu me virei surpresa.

Masamune havia envolvido Ieyasu no abraço também. Ele sorriu para nós dois.

Masamune: “Então, você finalmente percebeu como ficar amiga do Ieyasu, MC?”


Opções:

1- “Só agora.” (escolhida)
2- “Nós somos amigos?”
3- “Nós só estávamos conversando.”


MC: “Demorou até agora. Acaba que ele diz o oposto do que ele quer dizer.”

Ieyasu: “...Nós não somos amigos.”

Masamune: “Aí está. Vocês estão se entendendo perfeitamente!”

Com um olhar de desgosto, Ieyasu tirou fora o braço do Masamune.

Masamune: “Deixando isso de lado, sobre a batalha de amanhã.”

Masamune: “Os comandantes inimigos são Yukimura Sanada e Kenshin Uesugi.”

Masamune: “Significa que nossos espiões acertaram na mosca.”

(Eu encontrei Yukimura uma vez antes. Eu sei que ele é forte. Quanto ao Kenshin--)

Ieyasu: “Fiquei sabendo pelos meus homens também.”

Ieyasu: “Kenshin deixou aproximadamente metade de suas tropas no castelo Kasugayama, significa que ele trouxe a mesma quantia de homens que nós temos.”

Ieyasu: “Eles não estão prontos para atacar Azuchi ainda, mas eles têm as armas e provisões para isso.”

Masamune: “Você está assustado?”

Ieyasu: “Por favor me diga que você está brincando.”

Ieyasu: “Nossas forças podem estar empatadas agora, mas eles podem receber reforços do Takeda.”

Ieyasu: “Se Hideyoshi e Mitsuhide chegarem a tempo, nós ainda teremos um número superior.”

Ieyasu disse suas próximas palavras com completa compostura.

Ieyasu: “Nós vamos absolutamente resistir até Hideyoshi e Mitsuhide subjugar Kennyo.”

Masamune: “Ieyasu, nós podemos fazer melhor do que só resistir!”

Masamune: “Eu acho que nós devemos mirar em esmagar a fortaleza do inimigo e pegar a cabeça do comandante.”

Masamune: “Considere com quem nós estamos lutando! Vamos mirar alto, e fazer isso ser divertido.”

*Cap. 7 – parte (8/10) completa*




❖ Parte 9 


Masamune: “Eu acho que nós devemos mirar em esmagar a fortaleza do inimigo e pegar a cabeça do comandante.”

Masamune: “Considere com quem nós estamos lutando! Vamos mirar alto, e fazer isso ser divertido.”

(Masamune não está só preparado pra batalha--)

(Ele está ansioso pelos feitos de glória! Ele tem mais espírito que um homem comum.)

Masamune estava sedento para se testar. Eu decidi tomar um drinque refrescante desse poço infinito de confiança.

(Nós podemos fazer isso. E eu posso fazer isso.)

(Eu sei pelo que Masamune luta. Eu sei o seu passado e seu desejo por paz.)

Ieyasu: “Nós não partiremos até amanhã de manhã. Você não pode guardar um pouco dessa energia até lá?”

Ieyasu: “Eu vou descansar. Boa noite.”

Ieyasu foi pra sua própria barraca.

MC: “Ele usa essa atitude corrosiva pra tentar afastar as pessoas, mas ele na verdade é bem atencioso.”

Masamune: “Agora você está se tornando uma especialista em Ieyasu!”

MC: “Eu só descobri como ler através do filtro dele. Sabe, Masamune, ele me alertou sobre o quanto você é perigoso.”

Masamune: “Bem, ele não está errado sobre isso. Eu sou bem selvagem.”

Masamune colocou uma mão por trás da minha cabeça, fechando meus lábios entre seus dentes com um rápido e afiado beijo.

Eu puxei ele de volta para um último toque daqueles lábios tentadores antes que acabasse.

MC: “Você é.”

Masamune: “Você nunca sabe quando eu irei atacar.”

MC: “Eu pensei ter dito pra você que consentimento era importante no beijo.”

Masamune: “Você estava tão fofa que eu devo ter esquecido.”

MC: “Masamune—“

Masamune acariciou meu ombro carinhosamente. Eu não estava realmente brava sobre o beijo.

Masamune: “Eu quero que você fique no acampamento base com as tropas de assistência amanhã.”

MC: “Você vai lutar na linha de frente, não vai?”

Masamune: “Sim. Parte do serviço de um comandante é demonstrar sua bravura aos seus homens para manter a moral.”

Masamune: “E Kenshin pode estar por aí. Eu não posso enviar minhas tropas para enfrentá-lo sozinhos.”

Masamune não estava só destemido e animado ele estava demonstrando a determinação de um verdadeiro comandante para liderar.

(E isso é tão estranho.)

(Se Masamune for morrer amanhã, tenho certeza que ele não terá arrependimentos.)

(Ele viveu sua vida livremente em preparação pra isso.)

(Eu? Eu me arrependeria de perdê-lo. Mesmo assim, quando eu vejo quão corajosamente ele age, eu quase me sinto egoísta por pensar isso!)

Masamune: “Por que a cara feia, moça?”

MC: “Preocupações de pessoa futura. Eu não acho que elas fariam muito sentido pra você.”

Masamune: “Tudo bem—“

(Não importa o quão próximos ficamos, haverá algumas coisas que nunca compartilharemos.)

Masamune cutucou meu queixo com um dedo brincalhão.

Masamune: “Mas guarde essas preocupações para o futuro, pessoa futura. Eu tenho uns bons 500 anos sobre você afinal de contas.”

.........................

Em outro lugar, Hideyoshi e Mitsuhide haviam conseguido derrotar o exército de Kennyo com uma força esmagadora.

Mitsuhide parou ao lado de Hideyoshi para observar enquanto o restante dos subordinados do Kennyo fugia.

Mitsuhide: “Bem lamentável. Mas era isso que eu esperava de um grupo tão variado.”

Hideyoshi: “Kennyo, você é o último! Essa luta acabou!”

Kennyo: “Isso é o que você pensa!”

O rosto de Kennyo se contorceu em desgosto enquanto ele se levantava encarando seus dois inimigos.

Os restantes de seus guardas, ainda vivos, se jogaram entre ele e Hideyoshi e Mitsuhide.

Discípulo: “Abade, não podemos reagrupar nesse estado. Você deve fugir!”

Kennyo: “Meus irmãos—“

*Cap. 7 – parte (9/10) completa*




❖ Parte 10 


Vários dos soldados de Kennyo agiram para protegê-lo do Hideyoshi e do Mitsuhide.

Mitsuhide: “Mesmo um ex abade ainda impõe alguma lealdade entre seus servos, eu vejo.”

Kennyo: “Eles nunca foram meus servos. Eles são meus irmãos que odeiam aquele demônio desprezível, Nobunaga, como eu odeio.”

Kennyo: “Uma pena que minha localização foi descoberta e eu me deparei com tamanha força.”

Kennyo: “Só um pouco mais e as forças Uesugi-Takeda estariam prontas pra atacar.”

O sorriso contorcido do Kennyo não era um de derrota.

Kennyo: “Mas vocês dois são tolos se pensam que me pararam. Esse é só um dos meus planos.”

Kennyo: “Eu antecipei que vocês dividiriam suas forças em duas por medo de um ataque convergente.”

Kennyo: “Meus irmãos já providenciaram um presente para os aliados do demônio, que estão envolvidos na batalha com o Kenshin.”

Kennyo: “Vai enfraquecer suas forças e deixar Nobunaga indefeso.”

Hideyoshi: “Que?!”

Discípulo: “Abade, você não deve ficar por mais tempo! Nós vamos atrasá-los. Escape e procure proteção.”

Discípulo 2: “Enquanto você estiver vivo, nós saberemos que um dia a vingança será nossa.”

Kennyo: “...Eu juro que vocês serão vingados.”

Kennyo: “Esperem por mim no inferno. Eu chegarei logo, com a cabeça do Nobunaga como um presente.”

Hideyoshi: “Volta aqui!”

Mitsuhide atirou, mas um dos discípulos do Kennyo o interceptou em seu lugar.

O último dos guardas correu até os dois.

Contidos pelos agressores desesperados, Mitsuhide e Hideyoshi puderam somente observar arrependidos enquanto Kennyo escapava.

Hideyoshi: “Mitsuhide, estou preocupado com esse ‘presente’.”

Mitsuhide: “Como eu estou. Nós precisamos ir até Masamune e os outros rápido.”

......................

???: “Alguém venha rápido!”

(O que é isso?!)

Eu acordei com o som de vozes desesperadas.

MC: “Qual é a emergência? É um ataque?”

Com um sentimento ruim, eu corri pra fora da minha barraca.

MC: “O que tem de errado com todo mundo?!”

O acampamento era uma horrível sinfonia de gritos e gemidos de dor.

Yojiro: “P-princesa—“

MC: “Yojiro!”

Eu vi Yojiro cambalear pra fora de sua barraca. Eu corri até ele, pegando-o em meus braços enquanto ele caía.

MC: “Yojiro, o que aconteceu?!”

Yojiro: “Veneno....na água—“

(Veneno?!)

Masamune: “Estão todos bem?!”

❖ No próximo capítulo: Masamune me disse pra fugir. “Eu sei o quanto eu vou me arrepender se eu fugir pra salvar minha própria vida.”
Mas eu fui testada quando o inimigo atacou!
(Estou com medo de morrer. Mas tenho mais medo do que eu irei me tornar se eu matar--)
“MC!!” Eu ouvi a voz do Masamune quando a arma disparou—

**Fim do Capítulo 7**


● Capítulo 7 (partes 1 a 5)- Pelo ponto de vista dele ●

(ATENÇÃO: Você só consegue ler o ponto de vista dele no jogo se estiver fazendo a rota do Masamune pela segunda vez e escolhido a opção de ler a rota pelo ponto de vista dele (conforme a figura abaixo).
(Isso só é possível nas partes de 1 a 5, a partir da parte 6, a história volta a ser narrada pela MC.)





❖ Parte 1 


Depois do Masamune e os outros terem passado pela floresta norte e saído de Azuchi—

Hideyoshi e Mitsuhide foram até o Nobunaga se despedirem antes de partir.

Hideyoshi: “Meu lorde, Masamune e Ieyasu saíram cedo essa manhã.”

Mitsuhide: “Nós estaremos embarcando logo para subjugar Kennyo e suas forças.”

Nobunaga: “Eu tenho grandes expectativas em vocês.”

Nobunaga estava olhando para uma carta. Ele a colocou em cima de sua mesa depois de terminá-la.

Nobunaga: “Aquela bola de fogo nunca para de me surpreender.”

Mitsuhide: “Bola de fogo, meu lorde? Que carta é essa?”

Nobunaga: “Uma mensagem da MC, dizendo que ela foi com o Masamune.”

Hideyoshi: “O QUE?!”

Mitsuhide: “Que divertido.”

Hideyoshi: “Não, não é! Isso é sério!”

Mitsuhide apenas sorriu secamente. Hideyoshi parecia preocupado saindo em direção ao terraço.

Nobunaga: “Ela achou que era melhor ir do que pedir minha permissão. Eu acredito que ela está apaixonada pelo Masamune.”

Hideyoshi: “Lorde Nobunaga, devo trazê-la de volta?”

Nobunaga: “Não. Vai ser muito mais interessante ver o que ela fará depois.”

Hideyoshi: “Mas ela não tem treinamento. Não tem experiência. Nós não podemos mandá-la para batalha desse jeito.”

Nobunaga: “Hideyoshi, eu quase acho que você tem sentimentos por ela.”

Hideyoshi: “Eu só estou preocupado, meu lorde.”

Nobunaga: “Deixa a MC fazer o que ela quiser.”

Nobunaga: “E Masamune também. Eu nunca vi ele demonstrar tanto apego em uma mulher.”

Nobunaga: “Que rara e interessante nossa bola de fogo se tornou.”

........................

Nós estamos andando na garupa do cavalo há metade do dia—

(Ela está nervosa.)

Eu podia ver a MC segurar a tensão em seus ombros enquanto nós cavalgávamos.

<Lembrança>

Masamune: “E você está pronta pra matar?”

MC: “Eu não sei.”

Masamune: “Você não sabe?”

MC: “Mas eu estou pronta pra te ajudar no campo de batalha. É por isso que eu estou aqui.”

<Fim da lembrança>

(Eu admiro sua coragem por ter vindo junto comigo.)

(Mas se ela não se soltar, ela vai se cansar e isso vai matá-la.)

Masamune: “Alguém é feita de coragem.”

MC: “Quem é feito de coragem?! Onde eles estão?!”

MC quase pulou do cavalo.

Masamune: “Não morra de pânico antes mesmo de o inimigo mostrar sua face, moça.”

MC: “Masamune, não mencione a palavra que começa com ‘m’!”

(Você é engraçada como sempre, mas vai ficar muito pior do que a conversa, moça. Vai ser a realidade, logo.)

Vassalo: “...Nós vamos ter a chance de enfrentar a elite do Takeda: os Akazonae.”

Vassalo 2: “Essa vai ser uma batalha dos infernos. Eu sei que estou animado!”

Os homens estavam conversando ao nosso redor. MC ouvia, pensativa.

Gradualmente, sua mudança de humor se tornou aparente em seu lindo rosto.

Ieyasu: “Você está assustada, não está?”

*Cap. 7 – parte (1/10) completa*




❖ Parte 2 ❖ 


Ieyasu: “Você está assustada, não está?”

Ieyasu andou até o lado da MC, sua pergunta era direcionada pra MC.

MC: “Não. Um pouco? Mas eu vou ficar bem.”

MC: “Eu só não entendo de onde vem toda essa animação.”

Masamune: “Esses caras são todos uns idiotas amantes-de-batalhas.”

Masamune: “Quanto mais desesperada a situação em que eles estão, mais eles se sentem vivos.”

Ieyasu: “Eles estão sendo liderados pelo maior idiota amante-de-batalha de todos.”

Masamune: “O que foi isso, Ieyasu?”

MC: “Masamune, eu tenho que concordar com ele.”

Masamune: “Você também moça? Eu não posso deixar isso passar. Vem aqui!”

MC: “Para, para! Você não é um idiota! Eu retiro o que eu disse!”

Eu acariciei seu cabelo suave, vendo ela me bater como um gato até ela desistir com um sorriso exausto.

(Um pouco de exercício ajuda a quebrar a tensão. Ela já está começando a parecer melhor.)

MC: “Parece que tem um vilarejo à frente.”

Os olhos da MC estavam mais claros e ela estava olhando pra frente agora. Eu segui o seu olhar, avistando o vilarejo também.

Masamune: “Nós vamos um pouco mais a frente que isso, paramos, montamos acampamento e descansamos a noite.”

Masamune: “Não é tão longe, pessoal!”

Vassalos: “Está bem!”

Yojiro: “Lorde Masamune, princesa MC.”

Yojiro, um dos meus melhores batedores, veio até nossa direção.

Masamune: “O que foi?”

Yojiro: “Eu explorei mais a frente, e aquele vilarejo na verdade estará realizando um festival essa noite.”

Yojiro: “Eu sei que você gosta de festivais, Lorde Masamune, então eu pensei que você gostaria de saber.”

Masamune: “Isso não é incrível?”

(Yojiro me conhece bem. Um festival é muito tentador.)

(E esse sorriso no rosto dele significa que ele sabe que o restante dos homens também quer ir.)

Eu olhei atrás de mim, vendo uma multidão de rostos esperançosos.

(Um festival pode ser exatamente o que eu precisava para ajudar a MC a se sentir melhor também.)

Masamune: “Vamos parar e dar uma olhada. Vai ser uma boa forma de relaxar antes da batalha.”

MC: “Nós realmente vamos?”

MC: “E o acampamento?”

Masamune: “Nós vamos continuar andando de qualquer forma. E o trabalho vai mais rápido uma vez que todos tenham se divertido um pouco.”

Masamune: “Vamos apressar o passo, pessoal! Temos que chegar antes do pôr do sol! Nosso destino é aquele festival!”

Aplausos e gritos vieram de trás de nós.

Eu dei uma olhada rápida pra trás antes de olhar para a MC novamente.

Ela estava olhando para os homens. Um sorriso apareceu em seus doces lábios.

(Desse sorriso eu me lembro. Aquele que eu gosto de ver.)

Masamune: “Ieyasu, estamos mudando acampamento. Essa noite vamos nos estabelecer logo na saída daquele vilarejo.”

Ieyasu: “Ta bom. Não que você me ouviria, mesmo que eu te tivesse alguma reclamação.”

Masamune: “Obrigado por ser legal e compreensível.”

Ieyasu: “Vamos só convidar o Kenshin para o festival também, enquanto estamos nele.”

*Cap. 7 – parte (2/10) completa*




❖ Parte 3 


Nós chegamos ao vilarejo ao por do sol. O céu se estendia alaranjado até o topo das montanhas.

MC: “Esse vilarejo é tão pequeno, mas eles realmente estão fazendo de tudo por esse festival!”

Masamune: “Eles devem atrair gente dos vilarejos vizinhos também.”

A pequena vila parecia o dobro do seu tamanho com todos os vendedores e bancas.

Eu dispensei os homens e caminhei pelo festival com a MC.

(Essa vai ser uma boa pausa.)

Eu olhei ao redor para os homens se divertindo, avistando grupos deles aqui e ali.

(Tanto pra eles quanto pra MC.)

MC parou em frente a um vendedor em particular. Seus olhos brilhavam de uma forma que eu não via há dias.

MC: “Esses são fogos de artifício, não são?”

Vendedor: “Bons olhos, senhorita! Eles são raros, então nem todo mundo reconhece eles!”

Vendedor: “Para esse, você acende o final e ele provoca todo tipo de lindas faíscas que vai aparecendo.”

O vendedor ofereceu um para a MC. A pequena e colorida vareta lembrava uma vareta de incenso mais do que os fogos de artifício que eu conhecia.

Masamune: “Isso são fogos de artifício? Eles aparecem pequenos.”

MC: “No meu tempo, nós os chamamos de estrelinha.”

(Estrelinhas? Huh. Deve ser algo que se tornou popular no futuro.)

MC: “Eles são uma parte importante do verão. Quando crianças, nós brincávamos de todo tipo de jogos com eles.

(Se eles usam pólvora, eu duvido que vá ser alguma coisa tipo um jogo de adivinhar qual é o incenso. Mesmo assim, me deixou curioso.)

Masamune: “Jogos, huh? Parece divertido.”

Eu peguei a “estrelinha” da MC e a examinei.

Masamune: “Você acha que pode me ensinar esse jogo que você costumava brincar?”

MC: “Está bem. Mas eu posso ver o olhar em seu rosto. Não é tão grande coisa como você está imaginando.”

Masamune: “Não precisa ser. Eu ainda estou interessado.”

Masamune: “O que é a vida se você não experimentar coisas novas?”

MC: “Não muito divertida, isso com certeza.”

Eu sorri pra ela e ela riu baixinho, feliz por encontrar um ponto em comum comigo.

(Ela é realmente fofa.)

Eu sempre pensei isso, mas minha percepção sobre ela começou a mudar. Ou talvez seja alguma coisa dentro de mim.

(E eu acho que ela está apaixonada por mim.)

Não era ego que me fazia pensar isso. Eu vi o amor entre as pessoas, mesmo que eu nunca permitisse me aprofundar.

(Eu não esperava que ela na verdade fosse tão longe como me seguir até a batalha.)

(Por mais que eu queira dizer não a ela, isso honestamente me deixou feliz.)

Eu comprei os fogos de artifício e nós dois andamos até a beira do rio para acendê-los.

Eles brilharam imediatamente, estalando com som e luz, e cheiro de pinho, não pólvora.

MC: “Eles são tão mágicos quanto me lembro. Eu amo esses.”

Eles eram lindos, mas meu olho estava atraído pela MC. Ela olhava pra eles com um sorriso tão despreocupado.

Era isso que eu esperava acontecer trazendo ela aqui. Eu me voltei para os fogos de artifício.

(Eu vejo porque eles são chamados de estrelinhas. Agora, o que era aquele jogo que ela estava me contando?)

Masamune: “Então, como é esse jogo?”

MC: “Bem, como eu disse, é simples, quem—“

MC parou no meio da frase. Minha estrelinha tinha apagado, com um único pequeno brilho como lembrança.

Depois de um segundo, a dela também apagou.

MC: “Quem tiver sua estrelinha apagada primeiro perde. É um jogo de sorte.”

MC: “Então, como pode ver, eu acabei de ganhar.”

MC colocou as mãos na cintura e riu uma risada ousada.

(Droga, se essa não é a coisa mais adorável que eu já vi!)

Eu estava sorrindo.

Masamune: “Essa é uma boa aparência em você.”

MC: “A risada arrogante?”

Masamune: “A confiança. Você parece Shogetsu, o que ele faz quando pega um rato.”

MC: “Legal. Você está me comparando com seu animal de estimação de novo.”

(Ela não gostou disso? Bem, eu posso ver o porque.)

O sorriso da MC desapareceu. Ela fez beicinho.

Eu coloquei uma mão na sua cabeça, com cuidado pra não “acariciar” ela.

Masamune: “Não fique emburrada. Eu estou gostando do seu sorriso fofo.”

*Cap. 7 – parte (3/10) completa*




❖ Parte 4 


Masamune: “Não fique emburrada. Eu estou gostando do seu sorriso fofo.”

MC: “Eu não estou emburrada. Eu só não quero ser seu animal de estimação fora de casa.”

Eu acariciei seu cabelo sedoso. Ela estava linda, mas era seu sorriso que eu achava completamente irresistível.

As emoções piscavam rapidamente sobre a face da MC.

Era como observar vaga-lumes numa tarde de verão, rápido e bonito.

(Eu posso ver como cada palavra que eu digo muda seu humor.)

(E cada um é tão adorável. Que moça incrível você é.)

Masamune: “Essas estrelinhas são lindas, mas não duram muito.”

MC: “É. Elas acabam antes que você perceba.”

Masamune: “Então vamos acender mais algumas novamente.”

Eu acendi mais duas estrelinhas e entreguei uma pra MC.

Aquele sorriso gentil tocou seus lábios enquanto ela olhava as faíscas brilhantes dançarem.

(Ela pode parecer tão calma na face do perigo, mas esse sorriso é perigoso pra mim.)

Me cativava. Eu não podia desviar o olhar dela.

MC: “Você disse que esses parecem pequenos para fogos de artifício. Então vocês devem ter maiores, certo? Do tipo que você pode lançar para o céu?”

Masamune: “Sim, nós temos. Eu tenho um fabricante de fogos de artifício em Aoba, meu castelo em Oshu, na verdade.”

MC: “Talvez algum dia você possa me levar lá? Eu adoraria ver grandes fogos de artifício novamente.”

Eu ouvi, não pensando muito nisso.

Mas então uma imagem apareceu na minha cabeça. Uma imagem de assistir aos fogos de artifício com a MC no castelo Aoba.

Masamune: “Algum dia é bem indefinido.”

(E mesmo assim, algum dia eu gostaria de mostrá-los a você.)

Eu não entendia nem mesmo o porque eu tive esse pensamento.

(Eu decidi há muito tempo atrás não fazer promessas sobre o futuro.)

Minha vida era toda dedicada à causa de liderar o clã Date.

Eu estava preparado pra morrer a qualquer hora por essa causa, e eu sabia que minha morte realmente poderia chegar a qualquer momento.

Isso não me impediu de viver a vida, mas eu nunca planejei o futuro.

Eu não acreditava que eu pudesse compartilhar o futuro com alguém especial.

Eu não queria ser acorrentado. Ou talvez eu não quisesse ninguém acorrentado comigo?

Masamune: “Eu não gosto de fazer promessas que não tenho certeza se poderei cumprir.”

Masamune: “Mas por você, eu vou. Eu prometo que vou te mostrá-los, algum dia.”

O peso dessa promessa não passou despercebido pela MC. Sorrindo, ele ergueu sua estrelinha pro alto.

Com um último espalhar de brilhos, se estalou, estourando e queimando.

(O que eu estou fazendo, ao fazer esse tipo de promessa?)

(Eu não posso viver sua vida idealizada.)

(Nós estamos prestes a ir pra luta. Nossas vidas podem se extinguir em um momento, como essas estrelinhas.)

Mas ela achava bonito, seu próprio sorriso era cheio de luz brilhante. É por isso que eu tive que prometer a ela—

Masamune: “Eu ganhei dessa vez.”

Minha voz era estranhamente suave para meus ouvidos.

MC segurou o resto de sua estrelinha nas mãos enquanto a luz vermelha das lanternas dançava sobre suas bochechas.

Ela olhou pra mim, sua expressão cheia de curiosidade no começo.

Então, eu vi esperança ali e finalmente, amor. Amor que ela não podia esconder, e amor que eu não podia ignorar.

(O que você quer de mim quando me olha desse jeito, moça?)

(Você não quer realmente um cara que possa morrer a qualquer momento.)

(Alguém que só pode te prometer um “algum dia” que talvez nunca chegue?)

(Ela deveria encontrar outro alguém, ser feliz com outra pessoa. Mas eu estou feliz agora com ela.)

Masamune: “Agora para meu prêmio.”

Eu levantei lentamente e dei alguns passos pra trás. MC ainda estava sentada na beira do rio.

Masamune: “O perdedor tem que fazer o que o vencedor pedir.”

MC: “Oh você não acabou de--?!"


Opções:

1- “Isso não é uma regra!” (escolhida)
2- “Eu não pedi por nada!”
3- “Qualquer coisa?”


MC: “Não existe regra desse tipo!”

Masamune: “Eu inventei, agora mesmo.”

Masamune: “Ok, você está pronta? Eu vou te dizer, um passo de cada vez.”

Eu esperei por ela logo na beirada da luz da lanterna.

Masamune: “Levanta.”

MC: “Levantando. O que vem depois?”

Masamune: “Dê três, não, quatro passos pra frente. Vem.”

Eu podia me ouvir praticamente ronronando. Ela tinha esse efeito em mim.

E minha voz parecia atrair nela uma grande resposta intoxicante.

Ela olhou pra mim como se respirar propriamente dito fosse difícil quando estávamos juntos.

(Eu não posso te fazer feliz. Eu não posso nem mesmo prometer te proteger.)

(O que você estava pensando, ficando séria sobre um homem como eu?)

Minha própria respiração estava ficando mais lenta do que eu esperava.

Meu coração estava ardendo com algum sentimento que eu não podia nomear ou expressar.

Masamune: “Um último passo. Boa gatinha.”

Ela dançava levemente sobre as pedras que nos separava, parecendo em transe e fascinante.

Ela deu o último passo lentamente, vindo para a luz vermelho-dourada.

Finalmente, ela estava ao alcance.

Eu gentilmente deslizei meus braços ao redor dela.

MC: “Era isso que você queria pedir?”

Masamune: “Isso é só porque eu queria te abraçar. Eu tenho mais uma coisa pra você fazer.”

(Você deve saber por agora que eu sempre faço o que eu quero. Não tem nada mais do que isso.)

(Pelo menos, nunca teve antes.)

<Lembrança>

Ieyasu: “E se alguma coisa acontecer com ela O que você faria?”

Masamune: “Eu superaria e seguiria em frente. O mesmo que faria com qualquer um.”

Ieyasu: “Talvez você devesse dar um tempo e pensar seriamente sobre o que ela significa pra você.”

Masamune: “O que a MC significa pra mim?”

<Fim da lembrança>

(MC é tão importante pra mim quanto minhas tropas, meu povo, meu feudo.)

(Eu quero estar com ela enquanto posso. É tudo que eu quero disso. Eu sei que é melhor do que esperar por mais.)

Masamune: “Agora levanta a cabeça.”

MC: “Pra você, sim.”

MC olhou pra mim. Seu olhar me pegou, me convidando para algum lugar que eu simplesmente não podia ir: um futuro compartilhado.

Masamune: “E fique na ponta dos pés.”

MC: “Haha. Ok. Estou confiando em você. Não tenho certeza do por que.”

Masamune: “Oh, eu acho que você sabe.”

Eu peguei suas bochechas, quentes e macias nas minhas mãos.

Masamune: “Eu quero que você me beije.”

*Cap. 7 – parte (4/10) completa*




❖ Parte 5 


Masamune: “Eu quero que você me beije.”

Impaciente como eu era, MC estava mais.

Ela me agarrou e me beijou.

Nos beijamos de novo e de novo, seus lábios expressando todo amor que ela tinha por mim.

Eu respondi, apesar de tudo. Tocando ela, abraçando ela pra mim.

Ela brincava com meus lábios com aquela mesma paixão divertida que ela mostrou no lago.

Eu abri meus olhos para olhar pra ela, para assimilar toda sua expressão—

E estava admirado em ver que ela estava olhando de volta pra mim, querendo mais.

(Que moça honesta.)

Masamune: “Você sabe o que está parecendo agora?”

MC: “Se você disser que eu pareço o Shogetsu de novo, eu vou te bater.”

Eu alisei o queixo dela, acariciando as linhas do seu rosto. Mantendo minha linda gatinha à vista.

Masamune: “Está parecendo que você não quer parar.”

MC: “Bom palpite.”

Masamune: “Então estou certo?”

MC: “Você sabe a resposta.”

Seus olhos haviam expressado de forma mais eloquente do que qualquer palavra poderia expressar.

Levado por esse forte impulso dentro de mim, eu roubei seus lábios em um beijo.

Eu deslizei meus braços ao redor de sua cintura, a capturando.

Ela se juntou a mim com suas mãos, com seus lábios, decidida em compartilhar a experiência.

Quando aprofundei o beijo, o corpo da MC tornou-se quente contra o meu, tão adoravelmente rápido.

Era como se ela estivesse me dizendo que eu estava satisfazendo todas suas necessidades.

(É só um beijo. Supostamente era pra ser só um beijo. Por que isso significa tanto pra nós?)

Sua respiração estava rouca, seus olhos nebulosos, seus lábios quase brilhavam na última luz da tarde.

Uma terrível, provocadora necessidade se arrastava por mim.

Masamune: “Bem, que tal isso? Você parece muito beijada.”

MC: “O que isso significa?”

Masamune: “Seus lábios estão inchados, seus olhos estão tão escuros quanto a noite, e suas bochechas estão da cor das peônias.”

Eu pensei que poderia provocá-la, provocar uma reação, e então nós riríamos disso e voltaríamos ao normal. E ela reagiu mesmo, mas--

MC: “É um festival! Como todas as pessoas sabem, venta muito perto do rio!”

MC: “Você pareceria selvagemente beijado também, exceto que você sempre parece selvagem! Então, justo é justo. Você me deve essa.”

(O que é esse olhar?)

Apesar de ela ter demonstrado um pouco de timidez, havia determinação na expressão da MC.

Era uma visão tão curiosa de se ver depois de um beijo que eu não pude evitar rir.

Masamune: “Haha! Você é realmente fofa, gatinha.”

MC: “Para de rir!”

Masamune: “Desculpa. Me desculpa. De verdade! Não me arranha!”

Masamune: “Você parece mesmo adorável.”

MC: “Oh, agora eu pareço adorável? Eu pensei que você tivesse tentando dizer que eu estava uma bagunça!”

(Isso seria impossível. Eu nunca encontrei alguém tão amável como você.)

(Alguém que ficou comigo muito tempo depois que ela saiu do meu alcance. De fato--)

(Eu quero te olhar pra sempre.)

Masamune: “Se você está preocupada, então eu prometo não te beijar de novo.”

MC: “Espera! Que? Não!”

Ela parecia quase desolada.

(É por isso que eu não consigo deixar de te provocar. Estou viciado em você.)

Masamune: “...Brincadeira.”

*Capítulo 7 – Ponto de vista dele – Completo*









Leia Mais ►