quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Masamune Date - Capítulo 9


Observações

 Ao final desse capítulo tem a tradução da carta que você recebe dele 

 Também no final desse capítulo, tem a tradução da história bônus que você ganha ao jogar o Castle Gacha: ‘Captive Hearts’. Essa história bônus é narrada pelo ponto de vista do Masamune.  



❖ Parte 1 ❖ 





(Pra ser honesta, eu não queria que nenhum de nós dois estivéssemos aqui.)

(Eu não quero que ele vá pra batalha machucado e fraco. Eu teria amarrado ele em uma cama para pará-lo.)

Mas não pude dizer isso a ele.

(Masamune não foi feito pra ser parado. Não é o jeito dele.)

(Eu não posso dizer a ele pra não ir.)

(Eu estaria dizendo a ele pra matar uma parte importante dele mesmo.)

(E eu quero que ele permaneça o homem que eu amo.)

Para fazer isso, eu fiz um voto pra mim mesma. Um voto de protegê-lo. Para nunca mais deixar minhas convicções oscilarem de novo.

MC: “Se isso significar matar alguém, então eu farei isso.”


Eu nunca pensei que me encontraria dizendo essas palavras em voz alta. Eu agarrei meu rifle.

(Eu carreguei ele. Eu só preciso acender a pólvora e atirar.)

(E então é só puxar o gatilho.)

Eu repeti mentalmente os passos que o Mitsuhide me ensinou.

(O primeiro tiro é o mais importante. Pode ser o único que você vai dar.)

Através das planícies, eu ouvi um grito de guerra entusiasmado. Nossos inimigos também estavam se preparando para a batalha.

Eu espiei Masamune olhar para a bandeira do inimigo enquanto eles a levantavam.

Masamune: “Eles estão prontos.”

Masamune: “Vocês estão prontos, homens?”

Masamune: “Então vamos!”

Vassalos: “Sim!!”

A bandeira alta do clã Date foi levantada bem alto em direção ao céu, e as ordens para a partida foram dadas com um grito estrondoso.

Os soldados correram para o campo de batalha em formação.

Masamune olhava quieto enquanto as tropas da linha de frente entraram em conflito.

MC: “Parece que o Masamune vai ficar pra trás por enquanto.”

Ieyasu: “É porque a função da cavalaria dele é quebrar os pontos fracos na formação do inimigo.”

Ieyasu: “Uma vez que eles virem uma fraqueza, eles podem alcançar o comandante inimigo a tempo. Você vai ver.”

Assim que Ieyasu disso aquilo, Masamune, em seu cavalo preto, liderou um esquadrão de cavaleiros pro meio da luta.

MC: “Ele realmente entrou direto na luta.”

Ieyasu: “Não fique fascinada, nós estamos indo naquela direção também.”

Ieyasu virou seu cavalo pra encarar um grupo de soldados a pé.

Ieyasu: “Saiam sorrateiramente e eliminem os atiradores do inimigo!”

Tropas: “Meu lorde!”

Ieyasu: “Tropa de cavaleiros, venham comigo. Nós vamos dar suporte ao ataque do Date como planejado.”

Ieyasu: “MC, fique por perto.”

MC: “Eu irei.”

Ieyasu rapidamente deu as ordens para o resto de seus homens e cavalgou na direção do Masamune.

O cavalo que Ieyasu havia me dado era bem treinado. Mesmo sem nenhuma experiência da minha parte, ela sabia o que fazer.

Isso me deu um tempo pra olhar ao redor. O campo já estava com corpos espalhados; alguns mortos, alguns morrendo.

(Isso é guerra.)

Ieyasu: “Aquele não é—“

MC: “O que foi?”

O olhar desanimado do Ieyasu estava diretamente no inimigo.

Ieyasu: “Nada que nós não esperávamos.”

MC: “Ieyasu, me conta!”

Ieyasu: “Você vê aquele homem ali, liderando a vanguarda? Aquele é Kenshin Uesugi.”

Ieyasu: “Normalmente o comandante inimigo supostamente era pra ficar por trás das linhas de frente.”

(Aquele é Kenshin? O deus da guerra?)

Ieyasu: “Ele deve ter a mesma lesão no cérebro que o Masamune, em querer se jogar na linha de frente desse jeito.”

Ieyasu: “Lembra o que eu te disse sobre a cavalaria do Masamune ir até o comandante inimigo? Eles vão direto em direção do Kenshin.”

Ieyasu: “Agora é hora de ficar bem de olho nele.”

MC: “Eu irei.”

(Está um caos aqui e Masamune já está bem longe de mim.)

(Se eu perder ele de vista por um segundo sequer, eu posso perder ele de verdade.)

*Cap. 9 – parte (1/10) completa*




❖ Parte 2 


Na linha de frente, ambos os exércitos haviam se confrontado, e a luta se tornou uma pancadaria total.

Masamune: “Não hesitem! Continuem pressionando!”

Vassalos: “Sim!!”

Com Masamune liderando eles, a cavalaria Date havia quase dizimado a linha de frente do Uesugi. Mas então—

Kenshin: “Todos vocês, pra trás.”

Kenshin ordenou seus homens para dar espaço a ele. Ele guiou seu cavalo até a frente do Masamune.

Masamune: “Estou feliz em ver que o comandante inimigo está livre pra vir e brincar.”

Kenshin: “Esse tapa-olho; você deve ser Masamune Date. O dragão de um olho parece mais uma besta ferida.”

Masamune: “E essa tentativa frustrada de ser sarcástico deve fazer você ser Kenshin Uesugi.”

Masamune: “Eu ouvi que você era sanguinário, mas abandonar sua boa e confortável fortaleza só pra poder se juntar a nós na frente de batalha?”

Kenshin: “Ficar sentado atrás e dando ordens não combina comigo. Agir diretamente é meu estilo.”

Friamente, Kenshin desmontou do cavalo e tirou a espada da sua cintura.

Masamune franziu a testa. Um espadachim solitário tentando ir contra uma cavalaria inteira era loucura.

Masamune: “Eu não preciso de vantagem. Volte para o seu cavalo.”

Kenshin: “Lutar montando o cavalo diminui a emoção de uma verdadeira batalha.”

Vassalo: “O comandante inimigo desceu do cavalo. Peguem ele!”

Kenshin: “Eu não tenho tempo pra fracotes.”

Os homens do Masamune foram em direção ao Kenshin, mas ele partiu todos eles muito facilmente.

Vassalo: “Gha!”

Masamune: “Todos vocês, fiquem fora disso! Eu vou derrotar o Kenshin.”

Kenshin: “Fique no seu cavalo se você preferir. Eu vou te derrubar logo.”

Masamune: “Você é louco como os boatos dizem.”

Alertando seus soldados a ficarem pra trás com uma mão, Masamune desmontou do cavalo.

Kenshin: “Eu espero que você dure tempo suficiente pra me entreter, Masamune.”

Masamune: “O mesmo pra você, Kenshin.”

Os dois homens tomaram distância um do outro por um momento antes do Masamune oscilar.

Enquanto isso, em uma colina, um pouco distante das linhas de frente—

Eu estava ficando perto do Ieyasu. Eu olhei por todo o campo em busca do Masamune, de repente percebi que ele tinha desaparecido.

(Oh, não! Cadê o Masamune?)

(Ali está o cavalo dele. Por que ele não está montado?)

MC: “Que?! Não é possível--!”

(O que ele está fazendo?!)

Eu segurei a respiração em choque ao ver a intensa batalha que estava acontecendo.

(Ele está lutando com o Kenshin. Eles estão lutando pra matar um ao outro.)

Masamune estava empunhando sua espada com o braço direito, onde ele tinha sido ferido.

(Os soldados dele pareciam muito preocupados com o inimigo para poder ajudá-lo.)

(Ele vai ficar sozinho contra o Kenshin!)

Ieyasu: “Arqueiros! Atirem!”

MC: “Hã? Aahh!”

Uma chuva repentina de flechas voou sobre minha cabeça, escurecendo o céu como uma tempestade passageira.

Ieyasu: “Lanceiros, avancem!”

(Está funcionando! Bom trabalho, Ieyasu!)

Nossos arqueiros e lanceiros estavam empurrando as forças Uesugi pra trás. Masamune não estaria lutando sozinho por muito tempo.

Ieyasu: “Enquanto Masamune distrai ele, nós podemos intervir e isolar Kenshin.”

Ieyasu: “Masamune não vai lutar em desvantagem se nós pudermos garantir que ele tenha um reforço apropriado.”

Ieyasu: “Mesmo que as coisas estejam indo mal pro Kenshin, nós podemos evitar que o Masamune—“

Mas o Ieyasu foi interrompido por um curto grito por perto.

MC: “O que é isso?!”

A tropa de retaguarda do Ieyasu estava sendo atacada por uma linha de homens, armados em vermelho da cabeça aos pés.

Ieyasu: “Yukimura Sanada?”

(O que ele está fazendo aqui?!)

*Cap. 9 – parte (2/10) completa*




❖ Parte 3 


Ieyasu: “Yukimura Sanada?”

(O que ele está fazendo aqui?!)

Cavaleiros vestidos com armaduras vermelhas estavam ao redor atacando as forças do Ieyasu.

Ieyasu: “Quando eles chegaram atrás de nós?”

Yukimura: “Acabem com a retaguarda deles! Não deixe que eles fortaleçam a linha de frente!”

Ieyasu: “Nós podemos recuperar! Revidem!”

Ao comando do Ieyasu, as tropas que estavam auxiliando o Masamune voltaram pra lutar contra o ataque do Yukimura.

(Como ele chegou tão perto? Eu nem ao menos vi o Yukimura no campo de batalha até agora.)

A velocidade com que tudo estava dando errado de repente, me deixou espantada.

Ieyasu: “Kenshin na linha de frente, Yukimura atrás de nós—o inimigo está desesperado também!”

(Agora nós não temos nenhum apoio sendo enviado ao Masamune!)

Eu me virei pra checar ele. Kenshin estava impiedosamente derrubando qualquer um que chegasse perto o suficiente pra interferir no duelo deles.

(A luta está carregando eles pra longe de seus homens. Os dois estão completamente sozinhos!)

<Lembrança>

MC: “Eu confio nos vassalos do Masamune pra manter ele fora da maior parte do perigo, mas—“

<Fim da lembrança>

(Kenshin não é o tipo de oponente que eles podem derrotar!)

(Eu tenho que chegar até o Masamune. Se ele der ao menos uma brecha contra aquele monstro, ele vai morrer!)

MC: “Ieyasu!”

Ieyasu: “Não se preocupe com isso, apenas vá!”

MC: “Tem certeza?”

Ieyasu: “Eu te disse que esse momento iria chegar.”

<Lembrança>

Ieyasu: “Só pra te avisar, eu não posso te ajudar a cuidar do Masamune o tempo todo.”

Ieyasu: “E só porque você está em um cavalo não significa que você não será um alvo.”

Ieyasu: “Chegará a hora em que você terá que contar somente com você mesma.”

<Fim da Lembrança>

(Ele está certo.)

Ieyasu: “Ninguém sabe que tem algo de errado com o Masamune a não ser nós dois.”

Ieyasu: “Você é a única que pode chegar até ele agora.”

Ieyasu: “...Eu estou meio ocupado.”

Eu pude ver que o olhar do Yukimura estava fixo no Ieyasu. Uma gota de suor correu pelo rosto do Ieyasu.

Ieyasu: “Eu vou mandar dois homens pra te auxiliar. Vai com eles.”


Opções:

1- “Obrigada!” (escolhida)
2- “Está bem."
3- “Eu entendo.”


MC: “Obrigada!”

(Eu farei o que for preciso pra manter o Masamune vivo.)

Ieyasu: “Honestamente, eu não queria te mandar pra lá.”

Ieyasu: “Mas já que você vai, toma conta do Masamune, ok?”

Eu concordei.

Ieyasu: “Primeira unidade, reforce as linhas de frente! Vão!”

Um grupo de vários cavaleiros saiu da batalha com o Yukimura.

Eu virei meu cavalo na direção deles e galopei junto com eles.

(Tem flechas voando pra todo lugar, dos dois lados!)

(Apenas se aproximar do Masamune é perigoso!)

Nós corremos pelo campo de batalha, minuciosamente evitando o caos absoluto dos dois exércitos lutando.

Finalmente, nós conseguimos descer a montanha.

(Ali estão eles!)

Eu avistei Kenshin e Masamune, envolvidos em um duelo intenso.

Masamune resmungou, bloqueando um golpe violento.

*Cap. 9 – parte (3/10) completa*




❖ Parte 4 


(Ali estão eles!)

Eu avistei Kenshin e Masamune, envolvidos em um duelo intenso.

Masamune resmungou, bloqueando um golpe violento.

Escoltada pela cavalaria que o Ieyasu me emprestou, eu andei com meu cavalo até o meio da disputa deles.

Kenshin: “Quem são esses homens?”

Vassalo do Ieyasu: “Kenshin Uesugi, prepare-se!”

Kenshin: “Sai da minha frente, pestes.”

Com rápidos golpes, Kenshin incapacitou os cavalos da cavalaria, mandando os homens para o chão rolando.

(Nós somos incapazes até mesmo de desacelerar ele!)

Vassalo do Ieyasu: “D-Droga! Kenshin, ainda não acabou—“

Kenshin: “Não me interrompa, as coisas estavam começando a ficar boas.”

Um dos homens se levantou trêmulo do chão, só pra ser cruelmente derrubado pelo Kenshin. Os outros caíram também.

(Esse é Kenshin Uesugi. Ele é além de humano.)

Sangue, e morte, e terror sobrecarregaram meus sentidos, até minha mente ser empurrada para um ponto de quase desligar.

Masamune: “Hey, você! Sai do caminho! Ele vai te matar!”

(Não, ele vai matar você! Deixa eu te proteger!)

Eu me mantive posicionada entre Kenshin e Masamune, mesmo com Kenshin virando sua espada banhada em sangue na minha direção.

Kenshin: “Mexa-se.”

Ele atacou baixo, mirando nos pés do meu cavalo.

Eu balancei pra frente e fui jogada no ar, incapaz de me manter segurando nas rédeas.

Meu cavalo caiu no chão e eu fui mandada voando.

(Ai! Eu vou sentir isso a noite... se eu sobreviver!)

Eu caí dura em alguma grama alta. Mesmo com armadura, meu corpo estava gritando de dor.

Kenshin: “Pronto pra continuar, Dragão?”

Masamune: “Estou pronto pra acabar com isso. Eu não vou permitir mais mortes.”

Eu levantei e fiquei agachada, ainda tremendo. Além da grama, eu podia ver Masamune e Kenshin pegar distância de novo.

(Eu pousei no lugar perfeito pra atirar.)

Por algum milagre, meu rifle ainda estava ao alcance. Eu agarrei ele.

(E Kenshin não me notou. Eu posso fazer isso.)

Eu acendi a pólvora, minha respiração estava trêmula. Agora não era hora de hesitar—

Masamune ergueu sua espada, resmungando de novo.

A dor passou pelo seu rosto. Seu braço tremeu e sua espada caiu da mão trêmula dele.

(Masamune!)

Kenshin: “Derrubando sua espada? Você é fraco como um gatinho.”

Kenshin: “É melhor você pegar ela logo antes que perca a cabeça.”

(Kenshin é muito rápido!)

MC: “Aqui!”

Eu gritei para o Kenshin, sacrificando meu disfarce por uma distração.

Masamune não perdeu a oportunidade que eu dei a ele.

Ele rapidamente saiu do caminho da espada do Kenshin e pegou sua própria espada.

(Eu não acredito que funcionou!)

Mas agora o olhar afiado e feroz do Kenshin estava apontado diretamente pra mim.

(Eu perdi o elemento surpresa.)

(Lá se vai meu tiro certeiro no Kenshin.)

Kenshin: “Essa voz. Você é uma mulher?”

Masamune: “Não pode ser—“

(Mas eu ainda posso atirar nele agora. Antes que ele tenha chance de machucar o Masamune.)

Eu fiquei de joelhos e joguei meu elmo no chão.

Masamune: “Moça--!”

Kenshin: “O que uma mulher está fazendo no campo de batalha?”

(Eu tenho que fazer isso. Eu tenho que matar o Kenshin ou ele vai matar o Masamune.)

(Agora é hora. Eu posso fazer isso!)

Kenshin andou na minha direção, lentamente, como se ele estivesse duvidando da sua visão. Eu não duvidava da minha. Eu levantei meu rifle.

Meus olhos estavam fixos nesse ser humano. Esse homem, Kenshin Uesugi. Meu inimigo. Meu alvo.

Eu olhei em seus olhos e sabia que podia fazer isso.

Masamune: “MC!”

(Estou fazendo isso por você, Masamune. Se eu tiver que matar pra te salvar, eu não me importo no que eu vou me transformar.)

Minha cabeça estava gritando comigo, assim como meu coração. Eu deixei os dois de lado e concentrei em minhas mãos.

(Eu não vou hesitar nunca mais--)

Masamune: “MC, para!”

Eu puxei o gatilho—

*Cap. 9 – parte (4/10) completa*




❖ Parte 5 


Com um barulho ressonante e uma explosão de fumaça branca, a arma disparou.

Mas mesmo através dos meus olhos embaçados, eu pude ver que Kenshin ainda estava de pé.

Kenshin: “Você. O que você pensa que está fazendo?”

(O que aconteceu? Por que ele não está morto?)

Minhas mãos estavam muito dormentes pra perceber que o rifle que eu segurava estava agora apontando para o céu.

Masamune estava segurando o cano, inclinando ele pra cima. Meu único tiro havia sido perdido.

Masamune: “Você é uma tonta, moça. Mas eu sou um grande tolo mais que você. O que eu estava pensando?”

Masamune olhou pra mim com um sorriso indignado.

Masamune: “Eu nunca percebi que eu estava te levando a fazer isso.”

Mil pensamentos estavam passando pela minha cabeça. A maioria deles se resumia a esse único.

MC: “Masamune, por que você não me deixou atirar?”

Eu olhei para o Kenshin, e então para o Masamune, e então para o rifle em minhas mãos.

MC: “Eu falhei. Eu falhei em matar ele. Eu falhei em proteger você.”

MC: “Eu—“

Masamune tirou o rifle das minhas mãos e jogou de lado.

Masamune: “Você não precisa fazer isso por mim.”

MC: “Masamune—“

Ele envolveu seus braços ao meu redor.

De repente o frio generalizado que eu sentia, o vazio, foram substituídos pelo calor do Masamune.

Kenshin: “Você trouxe uma mulher aqui.”

Kenshin tirou nosso momento pra diminuir a distância entre nós. Ele balançou a espada em direção ao Masamune—

MC: “Cuidado!”

Mas o golpe não aconteceu.

Masamune havia virado e pegou a lâmina do Kenshin com a sua própria lâmina, usando a mão esquerda.

Ele afastou a lâmina do Kenshin, com não menos força e habilidade que quando ele usava ela com a mão direita.

Masamune: “MC, ouça, eu estava errado. Você tinha tanto desejo de tentar me entender, mas eu não tentei entender você.”

O golpe do Masamune havia arremessado Kenshin pra trás com uma força impressionante, criando alguma distância entre nós e ele.

Enquanto seu olho estava fixo no Kenshin, os lábios do Masamune repousavam próximo a minha orelha. Ele sussurrava pra mim,

Masamune: “Eu não preciso que você mude. Se você não quer matar, então está tudo bem. É essa pessoa que eu quero que você seja.”

Sua voz não perdeu seu tom calmo, tranquilizador.

MC: “Mas eu não vou ser de nenhuma ajuda pra você.”

Masamune: “Você não é um dos meus vassalos. Eu não quero você por perto só para que você possa me proteger.”

Ainda me segurando em seus braços, Masamune levantou.

Ele virou a espada em sua mão esquerda em direção ao Kenshin.

Masamune: “Eu retiro o que eu disse, sobre você precisar estar preparada pra matar.”

Masamune: “Apenas seja você. Fique ao meu lado, exatamente da maneira que você está.”

(Mas--)

Eu podia sentir a rigidez em seu ombro direito e as bandagens por baixo da sua armadura quando ele me segurou mais perto.

MC: “Mas você foi ferido porque eu não pude atirar naquele homem!”

Masamune: “Então deixa EU ser ferido! É em mim, não em você!”

(Que--)

Masamune: “Eu preferia desistir de um braço do que ver você perder esse seu sorriso pra sempre.”

Masamune: “Eu superaria minha perda. Mas eu nunca iria superar o que eu custei pra você.”

Masamune: “Então, se afaste e deixa que eu faço as coisas imprudentes, perigosas e estúpidas! Deixa eu proteger você!”


**Love Challenge**


Na próxima parte: Por agora, nós sobrevivemos. Mas ainda havia muito o que se fazer.
(A alegria desse momento é difícil esquecer.)
....Especialmente quando Masamune finalmente deixou claro como ele se sente sobre mim!
“Estou sério em relação a você, MC.”

*Cap. 9 – parte (5/10) completa*




❖ Parte 6 


Masamune: “Eu retiro o que eu disse, sobre você precisar estar preparada pra matar.”

Masamune: “Apenas seja você. Fique ao meu lado, exatamente da maneira que você está.”

(Mas--)

MC: “Mas você foi ferido porque eu não pude atirar naquele homem!”

Masamune: “Então deixa EU ser ferido! É em mim, não em você!”

(Que--)

Eu estava surpresa em ouvir o Masamune gritar tão bravo.

Masamune: “Eu preferia desistir de um braço do que ver você perder esse seu sorriso pra sempre.”

Masamune: “Eu superaria minha perda. Mas eu nunca iria superar o que eu custei pra você.”

Masamune: “Então, se afaste e deixa que eu faço as coisas imprudentes, perigosas e estúpidas! Deixa eu proteger você!”

MC: “Me proteger? Masamune, você sabe que tem tantas outras coisas que você precisa proteger mais do que eu—“

Masamune: “Bem, dessa vez, você é minha prioridade. Está bom assim pra você, gatinha?”

A voz do Masamune era gentil. Alguma coisa se libertou dentro de mim. Tudo o que eu reprimia se soltou.

A tensão e a dormência deixaram meu corpo.

(...Eu estava realmente assustada.)

Eu tinha me envolvido em uma camada de escuridão tão densa que não conseguia ver através dela.

(Eu não queria matar. Eu não queria me tornar alguém que não era eu.)

Lágrimas se acumularam nos meus olhos. Eu as segurei.

Kenshin ainda estava parado na nossa frente, nos observando com um olhar gelado.

Kenshin: “O que é essa palhaçada? Você está coberto de ferimentos e ainda quer parecer legal?”

Masamune: “Se eu não puder parecer legal na frente da moça, eu me sentiria muito mal.”

Masamune: “Mas eu estou pronto pra continuar. Você está? Você sabe, apesar da sua triste falta de diversão.”

Kenshin franziu a testa enquanto olhava Masamune tomar uma posição, favorecendo seu lado esquerdo.

Kenshin: “Durante a nossa luta, eu comecei a me perguntar se você estava ferido. É seu braço direito?”

Masamune: “Se isso te incomoda tanto, você deve saber que na verdade eu não sou destro.”

Kenshin não parecia incomodado com a revelação do Masamune. Havia uma contemplação obscura em seus olhos.

Depois de um tempo, ele saiu de sua posição.

Kenshin: “Eu não tenho interesse em tolos que estão dispostos a se sacrificarem por amor.”

(NT: Haha q engraçado. Olha só quem ta falando.😒 Eu sei oq vc aprontou na sua rota viu?! 😟)

Kenshin: “Isso não é mais divertido.”

(Diga isso pra você mesmo!)

Kenshin guardou sua espada.

Masamune olhou pra ele, confuso.

Masamune: “Não pare agora. Aceite, não vai ser tão impressionante como fazer isso com meu braço mais fraco, mas eu ainda quero sua cabeça.”

Kenshin: “Até parece. Você precisaria dos dois braços pra lutar seriamente comigo. Esse sou eu, deixando você ir.”

(Ieyasu e Yukimura não estão lutando ainda?)

(Por que Kenshin está nos deixando ir?)

Procurando em seu rosto, a única pista que eu vi foi um pouco de dor em seu olhar.

(Isso não é sobre a batalha. Isso é sobre outra coisa.)

A aura de terror que o Kenshin emanava se foi. Ele agora parecia um homem assombrado pelo arrependimento.

Yukimura: “Lorde Kenshin! Nós estamos recuando!”

A voz do Yukimura se estendia pelos sons da batalha.

(Isso é repentino! O que estava acontecendo por lá?)

Eu examinei o campo. À distância, eu vi uma bandeira familiar.

(Nossos reforços!)

Com um tremor estrondoso, os exércitos do Hideyoshi e Mitsuhide ficaram a vista.

MC: “Mitsuhide! Hideyoshi!”

Masamune: “Eu não esperava que eles fossem chegar hoje.”

A informação sobre nossos reforços se espalhou rapidamente.

Soldados saíram de suas lutas, seja para recuar ou para reagrupar com seus lordes.

Kenshin: “Masamune Date, eu espero que você esteja totalmente recuperado na próxima vez que nos encontrarmos.”

Kenshin não deu atenção ao caos ao redor dele. Ele montou calmamente em seu cavalo.

Kenshin: “Eu só estou interessado em lutar com o melhor de você.”

Kenshin: “E da próxima vez, não traga essa mulher.”

*Cap. 9 – parte (6/10) completa*




❖ Parte 7 


Kenshin: “Masamune Date, eu espero que você esteja totalmente recuperado na próxima vez que nos encontrarmos.”

Kenshin: “Eu só estou interessado em lutar com o melhor de você.”

Kenshin: “E da próxima vez, não traga essa mulher.”

Kenshin saiu com seu cavalo pra se juntar as tropas que estavam se retirando.

Eu observei enquanto ele cavalgava casualmente através da chuva de flechas lançadas em direção a ele.

Eu não podia explicar, mas era como se as próprias flechas se curvassem de medo para evitar ele.

Masamune: “Aquele cara é um monstro.”

MC: “Você também acha?!”

Com a partida do Kenshin e o fim da batalha, parecia que a realidade tinha voltado em foco.

(A luta acabou? Acabou. Certo?)

MC: “Masamune? Você está vivo?”

Masamune: “Que? Sim. Claro que estou.”

MC: “Eu estou viva?”

Masamune: “Gatinha, você bateu a cabeça naquela queda?”

MC: “Eu só não acredito que aquilo aconteceu. Tudo daquilo.”

Masamune despenteou meu cabelo até eu bater na sua mão.

MC: “Ok, Ok! Eu posso acreditar naquilo.”

(Nós dois estamos a salvo.)

O toque do Masamune lentamente se tornou um carinho gentil. Ele alisou meu cabelo amorosamente.

MC: “...Meu cavalo!”

Apesar de ela ter um corte feio na perna, a égua que peguei do Ieyasu mancou em minha direção.

Eu não sabia muito sobre cavalos, mas ela parecia estar com os olhos despertos e como se ela fosse ficar bem.

MC: “Boa garota. Você foi bem.”

(Tudo está bem agora.)

Eu alisei sua crina, suspirando aliviada.

Masamune: “Não relaxe ainda. Nós não sabemos se acabou.”

Masamune: “O inimigo tem reforços também, e nós não sabemos o quão perto eles estão.”

Masamune: “Se eles chegarem antes de amanhã, Kenshin e Yukimura não vão ter que desistir da fortaleza e nós poderemos estar lidando com um cerco.”

MC: “Oh. Isso é ruim.”

Ieyasu: “E não vai acontecer.”

Ieyasu cavalgou até nós dois.

MC: “Ieyasu! Você está a salvo!”

Masamune: “O que quer dizer com isso?”

Ieyasu: “Hideyoshi me informou que no caminho deles até aqui, eles destruíram a ponte que Shingen usaria para mandar reforços.”

Ieyasu: “Foi estratégia do Mitsunari. E mais, com a chuva da noite passada, eles não conseguirão arrumá-la também.”

Masamune: “Acertou em cheio Mitsunari. Ele é muito esperto.”

Ieyasu: “...É o trabalho dele.”

Ieyasu parecia um pouco mal humorado sobre o assunto Mitsunari.

Ieyasu: “Quanto às pessoas que não são inteligentes—“

Ieyasu: “O que você estava pensando ao esconder seu ferimento? Você é um verdadeiro idiota, sabia.”

Masamune: “Desculpa, desculpa.”

Masamune: “Ei, espera. Moça, você contou pra ele? Eu pensei que você tinha prometido?”

MC: “Me desculpa por tentar manter você seguro. Mas se você está assim tão preocupado, eu prometo nunca fazer isso de novo. ...Brincadeirinha!”

Eu me esquivei andando ao redor do meu cavalo. Masamune me perseguiu. Nossa brincadeira de pega-pega continuou até Ieyasu nos interromper.

Ieyasu: “Ela fez a coisa certa, sabe. E você deveria se envergonhar pelo o que fez.”

Masamune: “Eu sabia que se alguém descobrisse sobre meu ferimento, ou se eu ficasse longe da linha de frente, isso arruinaria a motivação.”

Masamune: “Além do mais, eu estar ferido mudou alguma coisa sobre nossa estratégia parar a batalha de hoje?”

Ieyasu: “Não. Exceto que nós teríamos que ter um tempo pra pensar em uma maneira de restaurar os ânimos se você fosse morto lutando com o Kenshin como um idiota.”

Ieyasu olhou pra nós dois e suspirou.

Ieyasu: “Vocês dois realmente são uma combinação perfeita.”

*Cap. 9 – parte (7/10) completa*




❖ Parte 8 


Ieyasu: “Vocês dois realmente são uma combinação perfeita.”

MC: “Você acha?”

Eu assumi que o Ieyasu havia dito aquilo sarcasticamente, mas mesmo assim eu gostei da idéia.

Masamune: “Como assim?”

Ieyasu: “Vocês dois são bons em fazer os outros se preocuparem.”

(Você está sorrindo, Ieyasu.)

Suas palavras eram críticas, mas sua expressão as suavizava.

Masamune riu.

Masamune: “Ounn, eu acho que o Ieyasu está na verdade preocupado comigo.”

Ieyasu: “....Você poderia só ir embora e se certificar de que o outro lado está recuando?”

Seu sorriso desapareceu, e Ieyasu se virou.

Ieyasu: “Eu preciso alcançar nossos reforços e fiscalizar o transporte dos feridos.”

Ieyasu: “MC, assim que você estiver pronta nós precisaremos da sua ajuda.”

MC: “Estarei lá.”

Eu ia seguir o Ieyasu de volta ao acampamento quando me ocorreu—

(Eu na verdade estou me sentindo feliz por estar viva.)

Eu avistei meu rifle deitado na grama onde Masamune havia jogado ele.

(Tudo aconteceu tão rápido.)

(Mas eu sei que eu estaria me sentindo horrível sobre o que eu iria fazer, se o Masamune não tivesse me parado. Talvez pelo resto da minha vida.)

Eu senti a brisa nos meus cabelos.

Essa simples sensação inexplicavelmente me deu alegria.

(Quando eu estava pronta pra abandonar quem eu era, Masamune me impediu e me lembrou que estava tudo bem ser eu mesma.)

(Está tudo bem pra nós dois sermos nós mesmos.)

MC: “Masamune.”

Masamune: “Sim?”

(Nós estamos vivendo de uma maneira que combina com cada um individualmente.)

Eu sorri um sorriso de alívio, de felicidade—um sorriso que era totalmente eu.


Opções:

1- “Você está a salvo.”
2- “Obrigada por aquilo.” (escolhida)
3- “Me desculpa.”


MC: “Obrigada pelo que você fez.”

Era a vez do Masamune de parecer incerto, como se ele não acreditasse em seu olho.

Ele piscou algumas vezes antes do seu sorriso perfeitamente estilo-Masamune aparecesse em seus lábios.

Masamune: “Estou feliz em ver que você continua com seu sorriso.”

MC: “É claro que eu continuo. Você está sorrindo do jeito que eu gosto também.”

Levada por aquela expressão, e pelo calor da mão do Masamune no meu pulso, eu fui em direção a ele.

Nós ficamos corpo a corpo, perto o suficiente para que agora o riso baixo em sua voz brincasse calorosamente sobre meus lábios.

Masamune: “Eu tenho que dizer que, apesar daquela cara assustadora que você estava fazendo para o Kenshin não ser tão ruim, essa será sempre minha aparência favorita em você.”

Nossos olhares se misturaram, fazendo meu coração acelerar.

Masamune: “Você provavelmente vai voltar pra Azuchi antes de mim, mas eu quero que se lembre de uma coisa enquanto estiver lá.”

MC: “Lembrar do que?”

Eu olhei pra ele, para aquele olho tão bonito e azul quanto o oceano. Estava cheio de um calor incandescente.

Masamune: “Eu estou sério sobre não deixar você se perder. Próxima vez que eu te ver, eu não vou te largar.”

MC: “Você está falando sério?”

Masamune: “Sim. Eu estou sério em relação a você, MC.”

Seus dedos se curvaram possessivamente ao redor do meu pulso, um lembrete daquele lado perigoso e selvagem que me provocava.

Mesmo assim seu olhar doce, emotivo e carinhoso, era tudo o que eu queria ver nesse mundo.

Eu lembrei da primeira vez que me senti assim, quase completamente levada pelos dois lados dolorosamente atraentes do Masamune.

Ele tinha me deitado no chão, olhando nos meus olhos como ele fez agora.

<Lembrança>

Masamune: “Está tudo bem, gatinha. Eu não vou deixar você se perder.”

MC: “Eu posso cuidar de mim mesma, obrigada. Era do seu tigre que eu estava falando. Aquele que acabou de fugir?”

Mas quando sua expressão mudou de gentileza para força, eu me senti como uma gatinha em suas mãos.

<Fim da Lembrança>

(Bem, Masamune é um grande gato também, de verdade.)

Masamune: “Mas dessa vez, eu posso simplesmente morder.”

*Cap. 9 – parte (8/10) completa*




❖ Parte 9 


Masamune: “Mas dessa vez, eu posso simplesmente morder.”

Masamune: “A mordida de um tigre é feroz.”

MC: “Eu já experimentei ela antes, não se preocupe.”

A quieta excitação na minha voz combinava com a dele.

MC: “E eu gostei do que tive.”

O calor no seu olhar atiçava o fogo do meu próprio corpo.

(Estou pronta para o tigre ficar sério.)

Ieyasu: “MC?”

(NT: Eita...empata-foda.😳hauhauauh)

MC: “Sim?”

A voz do Ieyasu quebrou o momento.

Ieyasu: “Eu poderia usar sua ajuda na tenda de socorro.”

MC: “Estou indo!”

Eu me virei para o Masamune com um sorriso triste. Flertar estava divertido, mas nós tínhamos que nos separar. Ele segurou minhas bochechas.

Masamune: “Então, eu vou estar ocupado com a limpeza aqui. Eu quero que você volte para Azuchi com os feridos, se for isso que você gostaria de fazer.”

MC: “Sabe, eu acho que gostaria disso.”

Masamune: “Eu prometo voltar em poucos dias.”

Masamune carinhosamente passou seus dedos sobre minha bochecha. Seu toque leve, suave, era tão excitante quanto um beijo.

Masamune: “Lembre-se. Eu não vou te largar.”

Masamune: “Seja uma boa gatinha e espere por mim.”

MC: “Miau.”

Eu estava borbulhando por dentro com vulgaridade.

(Heh. Está claro que eu estou excitada?)

Masamune: “Vejo você em poucos dias.”

Masamune acenou um adeus e se virou para ir. Ele parecia tão lindo que eu simplesmente tinha que observar ele.

Eu sentia meu pulso onde sua mão estava. Meu pulso estava batendo rápido.

(Certo. Ieyasu. Trabalho a fazer.)

Todo meu medo da batalha, e o alívio por ter acabado, foram jogados de lado com um único toque do Masamune.

(Mas a alegria desse momento é difícil esquecer.)

Foi a brisa fria que acariciou minhas bochechas depois, mas eu estava quente o suficiente por dentro para aproveitá-la.

...................

Graças aos reforços, Masamune e Ieyasu tiraram as forças Uesugi de sua fortificação com sucesso.

Depois de deixar poucos homens pra trás para guardar a fortificação, os lordes guerreiros do Nobunaga voltaram para Azuchi, vitoriosos.

Nobunaga: “Excelente trabalho. Vocês impediram Uesugi e colocaram um fim nos planos do Kennyo.”

Hideyoshi e Mitsuhide, os primeiros a chegarem de volta, haviam acabado de dar seus relatórios ao Nobunaga.

Mitsuhide foi o primeiro a responder aos elogios do Nobunaga.

Mitsuhide: “Meu lorde, nós falhamos em colocar um fim no próprio Kennyo. Fique tranqüilo que nós continuaremos a procurar pelo seu paradeiro.”

Mitsuhide: “Dito isso, suas forças estão devastadas e ele está ferido. Próxima vez, nós o impediremos definitivamente.”

Nobunaga: “Estou interessado para ver se aquela cobra vai se esconder em seu buraco ou fazer um último ataque desesperado.”

Os lábios do Nobunaga se curvaram em um sorriso.

Hideyoshi: “Com a fortaleza deles em nossas mãos, não precisaremos nos preocupar com um ataque das forças Uesugi-Takeda tão cedo.”

Hideyoshi: “Eles também sofreram perdas de homens e recursos.”

Hideyoshi: “Eles vão precisar de tempo antes que possam reunir suprimentos para outro ataque.”

Mitsuhide: “...O que será difícil dado a sabotagem que nós preparamos.”

Nobunaga: “Masamune obteve sucesso em derrotar as defesas deles. Eu suponho que vale a pena deixar ele fazer o que quiser às vezes.”

Nobunaga: “Agora, o que é isso que eu ouvi sobre ele noite passada, sobre seu retorno?”

Hideyoshi: “Quanto a isso, meu lorde, me desculpe informar que—“

*Cap. 9 – parte (9/10) completa*




❖ Parte 10 


Eu voltei para Azuchi com o primeiro grupo de soldados, onde estive ocupada tomando conta dos feridos.

Soldado: “Princesa MC, muito obrigado pelo seu trabalho duro.”

MC: “De nada. E quanto a você? Algum efeito colateral do veneno?”

Soldado 2: “Nenhum. Graças a você, me sinto novo em folha!”

O sorriso que o soldado me ofereceu fez eu me sentir humilde e feliz.

(Estou feliz em ver que todos estão se recuperando.)

Eu olhei pra minhas mãos, cheia de curativos e medicamentos, era melhor do que sangue.

<Lembrança>

Masamune: “Eu retiro o que eu disse, sobre você precisar estar preparada pra matar.”

Masamune: “Apenas seja você. Fique ao meu lado, exatamente da maneira que você está.”

<Fim da Lembrança>

Eu pensei no Masamune, em como ele agarrou o cano do meu rifle.

(Eu tinha certeza que eu estava fazendo o certo, mesmo que eu também soubesse que era errado.)

(Ele sabia como uma decisão como aquela podia mudar alguém, e ele usou esse conhecimento para ajudar a me trazer de volta.)

Masamune tinha entendido e protegido meu coração.

Eu não podia esperar pra ver ele de novo.

(Ele deve voltar logo.)

Yojiro: “Princesa MC? Esse é um sorriso muito bonito que você está vestindo.”

MC: “Você acha? Bem, obrigada, Yojiro.”

MC: “Eu só estava fazendo algumas reflexões.”

Eu sentei ao lado de algumas roupas limpas recém dobradas—

Ieyasu: “Aqui está.”

MC: “Ieyasu! Você voltou!”

Eu levantei pra ver Ieyasu parado na porta do quarto.

(Se Ieyasu voltou, isso significa que todos devem ter voltado! Finalmente!)

Ieyasu: “Você esteve trabalhando aqui desde que voltou?”

MC: “Sim. Eles estavam com pouca gente, e ajudar onde eu sou necessária é um dos meus serviços como chatelaine!”

Eu andei até ele, me perguntando se eu encontraria o Masamune com ele.

(Eles não estão juntos.)

MC: “Masamune também voltou, certo? Você sabe onde ele está?”

Ieyasu: “MC.”

Ieyasu desviou o olhar de mim.

Ieyasu: “Eu preciso te contar uma coisa.”

Ieyasu: “Noite passada, Masamune teve um colapso.”

MC: “Que?”


*Fim do Capítulo 9*


❖ No próximo capítulo: (Eu quero que sejamos namorados por muito tempo.)
Nosso relacionamento cresceu do flerte para um amor de uma vida.
Masamune sorriu pra mim. “Você precisa ser esperto para pegar um gato.”
Eu não podia estar mais feliz enquanto nós finalmente consumávamos nosso amor—




❖ CARTA  

Título:  Você foi uma boa gatinha?

Estou escrevendo isso no caminho de volta pra Azuchi.

A viagem esta chata, já que o Ieyasu e o Kojuro continuam me avisando pra não sair de vista.

Você ainda está preocupada com minha ferida? Não fique. Como eu disse, eu não vou morrer por causa de uma ferida minúscula como essa.

Como você está? Você chegou em Azuchi com segurança? Você está esperando por mim como uma boa gatinha? Eu vou ver como você está assim que eu voltar, então se você foi má, eu vou saber. O que eu vou fazer se você tiver sido? Bem, nós vamos descobrir isso mais tarde.

PS: Eu pareci decepcionado por não poder sair de vista? Não estou realmente. A verdade é que, eu quero te ver o mais rápido possível.


Masamune Date



❖  HISTÓRIA BÔNUS - Pelo ponto de vista do Masamune ❖ 

(Narra somente os acontecimentos das partes 4, 5 e 6)



Título: “Love on the battlefield.” (Amor no campo de batalha)


Era Ieyasu e eu versus as forças combinadas do Uesugi e Shingen, e a batalha estava no seu ponto mais violento—

Vassalo do Ieyasu: “D-Droga! Kenshin, ainda não acabou—“

Kenshin: “Não me interrompa, as coisas estavam começando a ficar boas.”

Alguns cavaleiros haviam se aproximado para me dar apoio enquanto eu duelava com o Kenshin.

(O que eles pensam que estão fazendo?! Eles precisam sair daqui!)

Mas Kenshin os cortou como uma palha. Logo, só havia um homem vivo.

Ele parecia paralisado na frente do Kenshin. Eu gritei pra ele pra tentar fazê-lo sair de lá.

Masamune: “Hey, você! Sai do caminho! Ele vai te matar!”

O soldado deu um sobressalto como se tivesse me ouvido, mas ele simplesmente ficou ali, interpondo seu cavalo entre Kenshin e eu.

Kenshin: “Mexa-se.”

Kenshin atacou o cavalo do soldado.

Que caiu com um grito de dor.

O soldado foi violentamente arremessado pra fora. Ele atingiu a grama, e eu não vi ele se mover.

(Não! Tarde demais!)

Kenshin: “Pronto pra continuar, Dragão?”

Masamune: “Estou pronto pra acabar com isso. Eu não vou permitir mais mortes.”

(O “Deus da Guerra” Kenshin Uesugi. Ele é tão forte quanto imaginei.)

Meu ombro direito, o local onde fui atingido, berrava de dor. Ficava pior toda vez que eu balançava minha espada.

(Mas eu não vou perder agora. Eu não vou deixar que a morte deles seja em vão.)

Meu olhar caiu sobre os corpos dos homens ao meu redor.

(Eu vou derrotar o Kenshin e criar um futuro melhor pra todos. Essa é a única maneira de eu vingar as mortes.)

(A única maneira de eu viver de acordo com meus ideais.)

Kenshin deu um passo a frente.

Eu reajustei meu punho na espada, pronto pra rebater seu ataque. Mas—

Eu grunhi de dor. Meu ombro estava queimando, minha espada tão pesada quanto um peso de chumbo.

Eu não podia sentir meus dedos através da tempestade de fogo no meu braço. Minha espada caiu das minhas mãos.

(Droga!)

Kenshin: “Derrubando sua espada? Você é fraco como um gatinho.”

Kenshin: “É melhor você pegar ela logo antes que perca a cabeça.”

Soldado: “Aqui!”

(Que?! Quem disse isso?)

A voz era familiar, mas eu quase não acreditei nos meus ouvidos.

Mesmo assim, aquela fração de segundo que a voz me deu foi o suficiente.

Eu desviei do ataque do Kenshin e peguei minha espada.

Minha mão direita estava tremendo, mas eu não estava mais prestando atenção nisso.

(Eu conheço essa voz. É a voz dela!)

A adrenalina e coração acelerado que eu sentia da batalha morreu, enquanto o sangue em minhas veias virou gelo.

Kenshin estava encarando o soldado que havia caído do cavalo.

Kenshin: “Essa voz. Você é uma mulher?”

Masamune: “Não pode ser—“

(Eu ouvi errado. Não é ela. De jeito nenhum ela estaria aqui.)

Suor escorria nos meus dedos enquanto eu agarrava minha espada com força, com medo do que eu veria.

O soldado ficou de joelhos e jogou fora seu elmo—cabelos sedosos se soltaram e se derramaram sobre seus ombros.

Masamune: “Moça--!”

(Meu Deus, MC! É realmente você!)

Kenshin: “O que uma mulher está fazendo no campo de batalha?”

(O que você pensa que está fazendo aqui?!)

MC encarou Kenshin. Seus olhos—eu vi a morte neles.

Eu de repente me lembrei como ela estava estranhamente séria na noite passada.

<Lembrança>

MC: “Me dá sua mão.”

Masamune: “Você quer minha mão? Aqui.”

Masamune: “Como está minha mão?”

MC: “...Descanse um pouco essa noite. Você vai sair cedo amanhã, certo?”

..............

Ieyasu: “Você está agindo de um jeito estranho.”

Masamune: “A MC parece diferente pra você?”

Ieyasu: “Ela sempre foi diferente. Ou você quer dizer recentemente?”

Masamune: “Eu tenho um sentimento estranho de que eu nunca mais verei ela sorrir de novo.”

<Fim da Lembrança>

(Moça, você não vai realmente--)

Eu sabia o que ela estava pensando agora. O que ela planejava fazer.

MC havia tomado uma decisão. Ela ia matar o Kenshin.

Ela mordeu os lábios, forte o suficiente pra eu pensar que ia sangrar.

Kenshin andou lentamente em direção a ela.

Foi quando a MC levantou seu rifle que estava escondido na grama.

Kenshin congelou. O cano do rifle da MC estava apontado bem para o coração dele. O dedo dela escorregou pelo gatilho—

Masamune: “MC!”

Eu corri.

(Não atira. Não faça isso.)

Masamune: “MC, para!”

Eu estiquei meu braço para impedi-la.

O rifle disparou com um barulho ressonante. Eu senti o recuo do cano na minha mão.

Eu peguei o corpo da MC com a minha outra mão.

Kenshin: “Você. O que você pensa que está fazendo?”

Kenshin olhou pra mim, perplexo.

(Sinceramente. O que nós dois estamos fazendo?)

Eu forcei o rifle pra cima, onde ele atirou para o ar sem perigo nenhum.

Nós três; eu, MC, e Kenshin, estávamos vivos e ilesos.

(Você está tentando matar alguém, e eu estou me intrometendo pra impedir isso? Não era pra ser o contrário?)

Masamune: “Você é uma tola, moça. Mas eu sou um grande tolo mais que você. O que eu estava pensando?”

Eu sorri, indignado comigo mesmo.

Masamune: “Eu nunca percebi que eu estava te levando a fazer isso.”

MC: “Masamune, por que você não me deixou atirar?”

MC olhou para o Kenshin, e então pra mim. Havia raiva e confusão na sua voz.

Ela estava apertando o rifle com tanta força que seus dedos estavam brancos.

(Essa não é você. Nunca deveria ser.)

MC: “Eu falhei. Eu falhei em matar ele. Eu falhei em proteger você.”

Estava machucando ela. Eu tirei o rifle das mãos dela e joguei de lado.

Masamune: “Você não precisa fazer isso por mim.”

Eu a abracei bem forte.

(Se você matar alguém, você estará matando uma parte de você mesma.)

Kenshin: “Você trouxe uma mulher aqui.”

Kenshin tinha chegado mais perto. Ele balançou sua espada—

MC: “Cuidado!”

Eu defendi o golpe, segurando minha espada com a mão esquerda.

Eu deixei meu lado direito, com toda sua exaustão, dar uma descansada, trocando para o lado esquerdo. Era como se eu fosse um novo homem.

(Sim, me provoca agora, Kenshin. Você não vai mais chegar tão perto de novo. Não agora que eu descobri isso.)

Masamune: “MC, ouça, eu estava errado. Você tinha tanto desejo de tentar me entender, mas eu não tentei entender você.”

Eu desviei a espada do Kenshin, empurrando ele pra trás. Isso deu um tempo pra mim e pra MC.

(Não querer matar por qualquer razão é algo que faz você ser você.)

(O que eu confundi com inocência e fraqueza era a sua força.)

Masamune: “Eu não preciso que você mude. Se você não quer matar, então está tudo bem. É essa pessoa que eu quero que você seja.”

Eu podia dizer que ela estava lutando uma batalha com ela mesma.

MC: “Mas eu não vou ser de nenhuma ajuda pra você.”

Masamune: “Você não é um dos meus vassalos. Eu não quero você por perto só para que você possa me proteger.”

Eu me levantei, com minha lâmina fixa no Kenshin.

Eu segurava ela no meu braço direito. Eu não sentia dor com ela perto de mim.

Masamune: “Eu retiro o que eu disse, sobre você precisar estar preparada pra matar.”

Masamune: “Apenas seja você. Fique ao meu lado, exatamente da maneira que você está.”

A respiração dela se alterou como se ela tivesse lutando contra as lágrimas.

MC: “Mas você foi ferido porque eu não pude atirar naquele homem!”

Masamune: “Então deixa EU ser ferido! É em mim, não em você!”

Essa era a minha responsabilidade—empurrar isso pra outra pessoa só me faria mais fraco.

(Não se culpe. Você não tem que se desculpar por nada.)

(Eu vi como você estava próxima de passar dos limites só pelo meu bem.)

Masamune: “Eu preferia desistir de um braço do que ver você perder esse seu sorriso pra sempre.”

Masamune: “Eu superaria minha perda. Mas eu nunca iria superar o que eu custei pra você.”

Masamune: “Então, se afaste e deixa que eu faça as coisas imprudentes, perigosas e estúpidas! Deixa eu proteger você!”

MC: “Me proteger? Masamune, você sabe que tem tantas outras coisas que você precisa proteger mais do que eu—“

A luz estava voltando para os olhos da MC, mas ela ainda estava lutando contra isso. Eu dei a ela um sorriso gentil.

Masamune: “Bem, dessa vez, você é minha prioridade. Está bom assim pra você, gatinha?”

De repente, aquela luz se transformou em lágrimas, se juntando como pérolas translúcidas em seus olhos.

(Está tudo bem chorar. Você está chorando porque se importa. Comigo, com esse mundo, e todos que estão nele.)

(É por isso que seu sorriso é tão bonito.)

(Eu quero que você se importe. Eu quero que você sorria.)

(Eu amo isso em você. Tanto que eu estou disposto a arriscar minha vida pra te proteger.)

Ela começou a tremer, e eu sabia que ela estava voltando a ser ela mesma, com as mãos limpas.

(E me desculpa.)

(Eu levei você a fazer isso. Eu não devia.)

(Mas você não precisa mais se preocupar.)

MC segurou suas lágrimas. Ela se levantou junto comigo agora.

Lado a lado com uma moça tão corajosa, eu tinha que me mostrar um pouco.

A determinação dela me inspirava e me enchia com amor o suficiente pra que eu pudesse derrotar qualquer inimigo.

Kenshin: “O que é essa palhaçada? Você está coberto de ferimentos e ainda quer parecer legal?”

Masamune: “Se eu não puder parecer legal na frente da moça, eu me sentiria muito mal.”

Eu encontrei o olhar nervoso do Kenshin com uma risada e um sorriso.

Masamune: “Mas eu estou pronto pra continuar. Você está? Você sabe, apesar da sua triste falta de diversão.”

(MC não vai morrer enquanto eu estiver por perto. E ela não vai precisar matar.)

(Não importa o que aconteça, eu vou protegê-la para que ela possa continuar sorrindo.)

Com esse juramento feito firmemente dentro de mim, eu apertei meus braços ao redor da MC.

**Fim**



Leia Mais ►