sábado, 14 de outubro de 2017

Laito Maniac 7 ~More Blood



Flashback; CG-


LaitoHaa ... ... Nn ... ..Mais ... ... Eu quero mais. Bitch-chan ... ...
Você está apenas implorando por isso ... ... certo ... ... Haaa ... ...
Vamos deixar claro isso ... ... é falso. Eu só penso em você como uma substituição ... ...
Quanto a Bitch-chan, o que tomará o lugar para sua luxúria? Você não queria dessa forma?
-Fim do Flashback; Cena: Biblioteca da Escola-

Yui: (Como é que Laito-kun ver o amor e coisas assim, eu acho que eu queria de alguma forma entender ... ...)
(No final, o que é essa dor que estou sentindo? É como Laito-kun diz ... ... minha luxúria)
(É normal confundir o amor com outra coisa ... ... É uma emoção mais complexa ... ...)
(Mas este coração pertence originalmente a Cordelia ... ...)
(Não, preciso dizer a mim mesmo que sou eu)
(Eu não deveria culpar este coração, eu devo enfrentar meus sentimentos)

Kou: O que há de errado? O que há com o rosto comprido? É porque você está sendo assediada por esse cara novamente?
Yui: Kou-kun ... ... Não, é diferente ... ...
Kou: Heeh. Como resultado de nosso último encontro, você se lembra de como é ter a vida de uma garota normal do ensino médio?
Yui: Sim. Obrigada ... ... eu me lembro  ... ... mas, isso não resolve muita coisa ... ...
Kou: Eu vejo. Bem, parece-me assim. Mas ... ... você não entende que eles não são normais?
Yui: Certamente ... ... você está certo ... ...
Kou: Esses caras eram vampiros nascidos naturalmente. Embora, sua aparência não é diferente de seres humanos.
Mas, o sangue humano é sua festa. O trem de pensamento de vocês seres humanos será capaz de compreender esse conceito?
Yui: ... ... ... ...
Kou: Você não parece ser capaz de compreender isso, afinal. São sentimentos entre uma vaca e um porco.
Yui: ... ... ... ...
Kou: Portanto, você está apenas perdendo seu tempo tentando descobrir os sentimentos desse cara.
Yui: ... ... Ainda, Kou-kun, por que você está sendo tão bom?
Kou: Eu não quero continuar dizendo isso. Intenções secretas! O que significa que eu quero sugar o sangue de M Neko-chan.
Yui: (Eu sinto que estou sendo enganada, ele não se importa com assuntos pessoais como este ... ...)
Kou: Bem, eu sou originalmente humano. Por causa disso, eu sei que há emoções que você não consegue entender.
Yui: Você está certo ... ... ... ...
???: Você realmente ... ... é bastante bom em prever ... ...
Kou: Então ... você realmente veio.
Laito: Suspiro ... ... Eu não posso dar ao luxo de falar com você agora ... ... Hey, Bitch-chan ... ... minha garganta está seca.
Yui: Uh ... ...
Laito: Eu quero você, Bitch-chan.
Yui: O  qu... ... O que deu em você, Laito-kun ... ... realmente ... ...
Kou: Oh, vamos, se você está com sede, vá beber um suco ou algo assim. Por que se preocupar com sangue?
Eu entendo porque eu sou também um vampiro, mas o sangue não vai fazer nada de bom. Ou, é diferente para puras raças?

Laito: Nfu ... ... Você está certo, mas ... ... não sugar um sangue delicioso? E isso vai me fazer sentir melhor ... ...
Kou: Ponto feito ... ... mas por que o sangue de M Neko-chan te faz sentir melhor? Outra não seria bom?
LaitoO sangue dessa menina ... ... é especial ... ...
Yui: (... ...!)
LaitoTão especial ... ...

——————————————————~✘~——————————————————

嘘 ば っ か り → É uma mentira [Sádico]
嬉 し い よ → Estou feliz [Masoquista]

——————————————————~✘~——————————————————


Yui: Como você pode dizer isso ... .. é uma mentira.
Laito: Ahh ... ... O que te faz pensar que é mentira? Agora ... ... isso está fora de questão.
Yui: Uh ... ... La, Laito-kun ... ...!
Laito: Então ... ... por que ... ... outras mulheres não vão servir... ... Suspiro, eu sou feito com esta conversa fiada ... ...
Yui: Aah ... ...!
Kou: Hmph. Seja o que for ... .. Eu irei.
Laito: O quê? Eu realmente pensei que você iria se juntar, você tem certeza?
Kou: Eu quero chupar ela sem companhia, basta ir e chupar ela já ... ...
LaitoVocê está fingindo ser difícil ... ... Fufu ... ... realmente agora ... ...

* Kou Sai *
LaitoHaa ... ... eu pensei que poderíamos desfrutar com três pessoas hoje ... ... que vergonha ... ...
Bitch-chan que sendo perfurada com presas daquele cara ... ... eu queria ver isso ... ... Fufu.
Yui: (Eu me pergunto se Kou-kun estava instigando Laito-kun de propósito com o que ele estava dizendo ... ...)
(É como se ele estivesse tentando nos fazer notar algo. ... ... É apenas minha imaginação?)
(E, Laito-kun parece estar em muita dor ainda ... ...)

LaitoOh bem. Preciso do seu sangue rapidamente ... ... a minha garganta está tão seca. Cure isso.
Yui: Uh ... ...
LaitoSeu sangue é especial, certo? * Mordidas * ... ... Ngh ... ...
Yui: (... ... Argh)
Aah ... ... !!
(Por que é que eu ... ... não odeio isso?)
(Eu me pergunto se é porque chupar meu sangue aliviará o sofrimento de Laito-kun ... ...)



-Monólogo-

Algo aconteceu com Laito-kun hoje.
Ele afirmou que meu sangue era "especial".

Claro, fiquei feliz em ouvir isso.
Provavelmente porque recebi essas palavras antes.
Mas, eu não posso ficar satisfeita com isso apenas.

Sou especial para ele, mas apenas pelo meu sangue, não por mim.

Ele geralmente não afirma que é "especial" para começar
Mas ao dizer isso, meu sangue ansiava.

Caso contrário, ele se transforma em dor
Se ele é incapaz de chupar meu sangue.


AutoraFuyuki Uchiha

Leia Mais ►

Nobunaga Oda - Capítulo 1



 Depois que você clica para escolher a rota do Nobunaga vai aparecer os seguintes diálogos:

Nobunaga: “Você está hesitando, venha até mim.”

(Confirme a escolha, clicando em "Yes")

Nobunaga: “Então você me escolheu?”

Nobunaga: “Você é muito corajosa ou muito tola. Eu espero ter muito tempo para descobrir qual deles.”


Nobunaga Oda – Capítulo 1


❖ Parte 1 

(Eu irei sobreviver meu tempo aqui e então voltarei para o presente!)

Aceitando minha estadia de 3 meses no período Sengoku como empregada do guerreiro Nobunaga Oda, eu me curvei à ele e aos seus homens.

MC: “Eu não vou te decepcionar.”

Mas Nobunaga pegou meu queixo e o levantou em sua direção.

Nobunaga: “Eu planejo cuidar muito bem de você, MC.”

(Acho que apropriado não está no seu vocabulário. E, wow, esses olhos.)

Eles eram cruéis e assustadores.

Eu nunca vi alguém que pudesse sorrir com tanta ferocidade. Não havia prazer ou alegria naquele sorriso.

MC: “Pela última vez, não me agarre!”

O sorriso carnívoro sumiu quando o empurrei e tirei a mão dele.

Toda a sala ficou em silêncio. Foi quando eu percebi o que eu tinha feito.

(Eu só espero que eu não tenha reduzido meu tempo de vida!)

Hideyoshi: “Você! Como ousa ser tão grossa com—“

Nobunaga: “Já chega, Hideyoshi.”

(Eu acho que fui poupada.)

Inclinando-se para trás, Nobunaga começou a rir, sua voz profunda.

(O que ele achou tão engraçado?)

(Sou eu? Porque isso é perturbador.)

Eu levantei só pra me afastar, sentando o mais longe dele que eu podia.

Ieyasu: “Você não está interessado nessa perdida? Uma brisa mais forte iria derrubá-la.”

Masamune: “Eu não tenho certeza disso. Ela deu um bom empurrão no Nobunaga. Ela é durona.”

Mitsuhide: “Ou foi um empurrão reflexo de um animal medroso.”

(Olá? Eu estou bem aqui? Eu sou invisível pra esse grupo de guerreiros tagarelas? Ou isso é um assassinato de guerreiros?)

Mitsunari: “MC, está tudo bem. Essa é só a maneira deles falarem. Não quer dizer nada.”

MC: “Você provavelmente está certo.”

(Mitsunari é o único ser humano decente aqui.)

Hideyoshi: “MC, a próxima vez que você ousar levantar a mão contra Lorde Nobunaga—“

Hideyoshi: “Eu vou te cortar onde você estiver.”

MC: “Desculpa?”

Hideyoshi sentado no lugar mais próximo ao Nobunaga, olhou pra mim com raiva queimando em seus olhos.

MC: “O que, você vai me matar por causa disso? Você não viu a maneira que ele me segurou?”

Nobunaga: “Eu disse chega.”

O comando de Nobunaga foi atirado pela sala.

Eu endureci ouvindo aquilo. Mas Hideyoshi parecia positivamente envergonhado.

Hideyoshi: “Minhas desculpas, meu Lorde.”

Hideyoshi se curvou sinistramente, e eu me vi fazendo o mesmo.

Nobunaga: “Hideyoshi, mostre a essa mulher os arredores do castelo.”

Hideyoshi: “Meu lorde?”

MC: “Você quer que ele faça isso?”

Nobunaga: “Eu decidi que MC ficará conosco.”

Nobunaga: “Está na hora de você aceitar isso, Hideyoshi.”

Hideyoshi: “Eu entendo.”

Apesar de o seu rosto deixar óbvio que ele tinha palavras mais coloridas em mente.

Hideyoshi: “Venha comigo, MC. Eu vou te mostrar as cordas.” 
(NT: a palavra usada em inglês aqui tem dois significados: cordas ou regras. Em português a 'piada' feita pela mc (no diálogo abaixo) não faz sentido, por conta dessa diferença de significados na tradução.)

MC: “Contanto que não seja a forca.”

(Por que tem que ser ele?)

Hideyoshi andou para fora da sala de audiência e eu segui atrás dele.

Hideyoshi: “Eu ainda não confio em você.”

Hideyoshi: “E se você tentar alguma coisa com Lorde Nobunaga, será a última coisa que você irá fazer.”

*Cap. 1 – (1/10) completo*


❖ Parte 2 

Hideyoshi: “Se você tentar alguma coisa com Lorde Nobunaga, será a última coisa que você irá fazer.”

MC: “É ele quem está tentando coisas!”

Hideyoshi: “O que é isso?”

MC: “Quero dizer, sim, você está certo.”

Eu já podia prever que a vida aqui iria ser decepcionante.

(A atitude de Hideyoshi era áspera, mas eu não posso culpar sua lealdade.)

Quando eu penso sobre isso, faz muito sentido que ele esteja desconfiado de mim.

(Uma estranha aparece do nada só pra ficar mais próxima do seu Lorde. No período Sengoku, você seria maluco se não ficasse desconfiado.)

Eu tenho 3 meses aqui. Eu não vou durar se eu continuar dando cabeçada em todo mundo.

Hideyoshi: “...virando lá você vai encontrar a adega. Ali é a cozinha.”

Hideyoshi: “Você está ouvindo alguma coisa do que eu disse?

MC: “Desculpa, não. Eu estava pensando.”

Hideyoshi: “Certo. Eu vou falar novamente então.”

(Huh?)

Para minha surpresa, Hideyoshi falou comigo muito educadamente sobre a estrutura do castelo novamente.

(Ele está levando isso a sério, mesmo com suas dúvidas sobre mim.)

(Eu ainda não entendo o fanclub dele, mas ele parece mesmo ter boas qualidades.)

Dessa vez eu escutei bem atenta ao que ele tinha pra dizer. Nós continuamos andando pelo longo corredor de madeira.

(Ele não mencionou nada sobre esse aqui)

Eu parei na curva que dava para um longo corredor.

MC: “Aonde isso vai dar?”

Uma passagem escura chamou minha atenção. Hideyoshi parou ao meu lado.

Hideyoshi: “Esse caminho irá te levar até o tenshu”

MC: “Tenshu? O que é isso exatamente?”

Hideyoshi: “Significa ‘mestre dos céus’. Você viu quando chegou. É o sobrado que fica no topo do castelo.”

Hideyoshi: “Normalmente, seria um símbolo enquanto o Lorde permanecesse na fortaleza interior, mas esse não é o caso aqui.”

MC: “Você quer dizer que Nobunaga mora ali em cima?”

Hideyoshi: “Sim.”

(Percebi que ele tem a suíte da cobertura.)

Eu me virei, não mais interessada no que ia além daquele corredor indesejado.

Hideyoshi: “Lorde Nobunaga disse que prefere ficar no tenshu.”

Hideyoshi: “Essa é só umas das maneiras em que ele e o castelo Azuchi são únicos.”

Hideyoshi: “De qualquer forma, agora que você sabe, eu não quero pegar você perambulando por aqui.”

MC: “Acredite, eu vou manter distância.”

A idéia de ver aquele ogro por vontade própria era absurda.

Mais a frente no caminho havia um grupo de homens andando e conversando.

Vassalo 1: “Nosso Lorde voltou a salvo.”

Vassalo 2: “Eu ouvi que teve uma tentativa de assassinato. Pobre tolos.”

Vassalo 3: “De fato! Tentar matar Lorde Nobunaga só o deixa mais irritado. Bem, eles não irão viver muito tempo pra se arrepender disso.”

Nos homens, suas palavras eram uma mistura de respeito e medo, as vozes escaparam do alcance do meu ouvido novamente.

Hideyoshi: “Todos estão aliviados em ter nosso Lorde de volta, mas eu não vou descansar enquanto não pegarmos os responsáveis.”

Eu não compartilhava nem o alívio dos homens e nem a inquietação de Hideyoshi. Meus pensamentos estavam em outro lugar.

(“Eles não irão viver muito tempo para se arrepender disso”)

Se tem uma coisa que eu me lembro sobre Nobunaga Oda da escola, era essa frase bem conhecida:

“O que Nobunaga faz com o pássaro que não canta? Ele mata.”

(Sim, eu vou ficar o mais longe possível dele.)

Hideyoshi: “Você ficou muito quieta.”

MC: “Não é nada para você se preocupar. Não estou tramando nada.”

Vassalo 4: “Lorde Hideyoshi!”

Hideyoshi: “Sim?”

(Aquele homem parece que viu um fantasma.)

Respirando com dificuldade, outro vassalo veio correndo em direção a Hideyoshi.

Vassalo 4: “Eu tenho um relatório dos nossos vigias do leste!”

Vassalo 4: “Um dos daimyos da região decidiu se revoltar contra nosso Lorde.” 
(NT: daimyo é senhor de terra, dono de um pedaço de terra.)

Hideyoshi: “Uma revolta!”

*Cap. 1- (2/10) completo*


❖ Parte 3 

Vassalo 4: “Um dos daimyos da região deciciu se revoltar contra nosso Lorde.”

Hideyoshi: “Uma revolta!”

Hideyoshi ficou sério.

Hideyoshi: “MC, nós vamos voltar. Nós temos que levar essa mensagem até Lorde Nobunaga.”

MC: “Espera, nós? Eu vou também?”

Sem me responder, Hideyoshi me levou de volta para a sala de audiência.

Nobunaga: “Uma revolta? Eles não querem me deixar descansar agora que eu voltei, não é?”

Nobunaga recebeu a notícia com uma estranha satisfação.

O relatório do vassalo dizia que o daimyo recentemente subjugado, ouviu sobre a experiência de quase morte de Nobunaga no Honno-Ji.

Pensando que Nobunaga estaria fraco, o homem viu uma oportunidade de vingança e estava criando seu exército.

(Revolta, vingança e a possibilidade de uma guerra. Como ele pode estar sorrindo?)

Eu havia pego só a parte principal do relatório, e ainda assim estava suando de medo.

Mitsuhide: “Qual é o seu plano, meu Lorde?”

Nobunaga: “Estou pensando.”

Hideyoshi: “Eu me voluntario para ir. Eu darei a ele uma lição severa sobre saber qual é o lugar dele.”

Masamune: “Não, deixa comigo. Eu perdi minha chance de revidar em Kyoto e agora estou louco pra agir.”

Depois de um momento tenso, Nobunaga se levantou.

Nobunaga: “Eu devo ir.”

Surpresa passava pelo rosto de Hideyoshi, e um pouco de desilusão passava pelo rosto de Masamune.

Ieyasu: “Por que você vai?”

(Todos pareciam surpresos. Eu posso ver o porque, eu acho.)

(Nos dramas históricos, é função do líder conduzir de longe. Ele nunca fica na linha de frente.)

Mitsunari: “Meu Lorde, esse é um oponente que dificilmente vale a pena você enfrentar.”

Mitsunari: “Ele comanda uma pequena força com não mais que 2000 homens.”

O rosto bonito de Mitsunari estava todo ocupado agora.

Nobunaga: “Então eu só vou precisar de 500.”

Ieyasu: “500? Isso é muito arriscado.”

(Sério. Nobunaga pode provavelmente reunir 10 vezes essa quantidade, por que ele está se colocando em desvantagem?)

Os olhos frios de Nobunaga não ofereciam nada.

Mas ele me pegou encarando ele e se virou pro meu lado.

Nobunaga: “MC, você virá também.”

MC: “Para a batalha?”

Hideyoshi: “Meu Lorde, eu não tenho certeza se é inteligente—“

Nobunaga: “Eu tomei minha decisão.”

Nobunaga: “Aqui está sua chance de me trazer sorte novamente, MC.”

(Oh, certo, porque eu sou a --)

<Lembrança >

Nobunaga: “Seu único dever é ficar por perto. É por isso que preciso de você.”

Nobunaga: “Você será meu amuleto da sorte enquanto unifico essa nação e tudo que for além.”

<Fim da lembrança>


MC: “Você realmente acredita que eu vou te trazer sorte? Contra espadas e flechas e sabe-se lá quem mais?”

Nobunaga: “Sim. Eu só falo a verdade. E o que eu falo é definitivo.”

Nobunaga: “Agora se prepare. Eu quero meus homens prontos antes do pôr do sol. É quando nós marchamos.”

(O quê? Não! Isso é insano!)

*Cap. 1 (3/10) completo*



❖ Parte 4 

Nobunaga: “Agora se prepare. Eu quero meus homens prontos antes do pôr do sol. É quando nós marchamos.”

Opções:

- “Eu não vou fazer isso” (escolhida) 
- “Não posso!”
- “Eu tenho que ir?”

MC: “Não. Eu não vou fazer isso e eu não vou com você.”

Eu falei com todas as forças que eu pude reunir.

Nobunaga: “A decisão é minha. O que você pensa sobre isso é inútil pra mim.”

Nobunaga passou por mim e foi até as portas da sala.

Hideyoshi: “E ele acabou de voltar também. Que hora ruim.”

Mitsunari: “Não entenda mal, Hideyoshi. É bom para ele sair.”

Ieyasu: “Hey, MC, é isso? Ele te deu ordens. Você vai ficar aí parada?”

MC: “Mas ele está falando de guerra. Eu não—“

Ieyasu: “Você tem que entender uma coisa.”

Ieyasu soltou um suspiro aborrecido.

Ieyasu: “As ordens de Nogunaga são absolutas. E vale o dobro para uma pessoa frouxa como você.”

Hideyoshi: “Isso vai ser mais um conflito do que uma guerra. Ser capaz de observar é uma oportunidade rara.”

MC: “Oh, tanto faz! Seja lá do que você chama, isso não é um picnic e eu não vou!” 
(NT: nessa frase ela usa a expressão em inglês "tomato, tomahto". É uma gíria que não tem tradução literal para o português. Mas em inglês é usado com o significado de "tanto faz" ou "é tudo a mesma coisa".)

Hideyoshi: “Para de exagerar e vamos!”

MC: “Hideyoshi, desista. Você não pode me fazer—“

Hideyoshi agarrou minha mão e me arrastou pra fora da sala de audiência.

Mitsunari: “MC, eu vou te dar qualquer ajuda que você precisar com as preparações!”

Mitsuhide: “Tente ficar em cima do cavalo, MC. Cair pode ser bem doloroso.”

(Não Não Não Não!)

Era só meu segundo dia desde que cheguei no passado.

...E eu passei ele presenciando uma batalha ao vivo.

(Eu quero ir pra casa! Eu quero estar na minha cama quentinha, á salva, onde eu posso fingir que tudo isso foi um sonho e que eu não estou em uma GUERRA!)

Eu achei uma esquina vazia no canto do acampamento, onde eu abracei meus joelhos no peito e fingi que aquilo não estava acontecendo.

Mas o barulho incessante tornava impossível ignorar a realidade da situação.

Cavalos galopando, homens gritando, espadas se chocando e armas disparando.

Nobunaga: “Porque você está amontoada aí, MC?”

MC: “Me deixa sozinha.”

Nobunaga, sentado numa cadeira dobrável de tecido no centro do acampamento, olhou para mim intrigado.

Nobunaga: “Estou espantado que a mulher que me arrastou daquele templo em chamas está com medo disso.”

(Tudo a respeito daquela situação era diferente. Eu não sabia nem onde eu estava, ou quem você era.)

<Lembrança>

Nobunaga: “Quem é você?”

MC: “Sem tempo para introduções. Vem, vamos sair daqui!”

(Tem uma construção em chamas e um homem que estava pra te matar e eu gostaria de sair daqui agora!)

MC: “Pegue minha mão!”

Nonunaga: “....”

<Fim da lembrança>

.........

MC: “Eu agi sem pensar. Agora eu realmente desejava ter pensado.”

Eu estava espantada por ter interrompido um homem prestes a matar alguém, mas aquilo estava começando a ser normal comparado a isso.

MC: “Enfim, você parece estar se divertindo.”

Nobunaga: “Você realmente está me perguntando isso?”

.........

*Cap. 1 – (4/10) completo*


❖ Parte 5 

MC: “Enfim, você parece estar se divertindo.”

Nobunaga: “Você realmente está me perguntando isso?”

Ele soltou uma risada falsa, como se meu comentário fosse hilário.

Então, um vassalo correu para a tenda, radiante em triunfo, se ajoelhou na frente de Nobunaga.

Vassalo 1: “Um relatório! Nós rompemos a boca do tigre! Os lanceiros da vanguarda estão dentro.”

(O que fez o que? É por isso que eu sou uma merda em civilização.)

Nobunaga: “Continue pressionando o ataque. Avancem o segundo ciclo e incendeie o castelo.”

Vassalo 1: “Sim, meu senhor!”

Eu podia perceber que jargão militar histórico ia ser um desafio.

(Eu acho que posso analisar isso. As forças de Nobunaga passaram a primeira camada da defesa do castelo, certo?)

(Se ele está pedindo para continuar o ataque, eu suponho que isso significa que ele está ganhando.)

Mais relatórios vieram da linha de frente da batalha numa rápida sucessão, e Nobunaga mandava as ordens com a mesma rapidez.

Ele fez tudo isso sem perder a calma.

(Nós viemos aqui com menos soldados e ainda assim Nobunaga não pareceu preocupado nenhuma vez.)

(Estou começando a ver o que fez ele ser tão digno de ser estudado na história.)

Enquanto eu o admirava, exatamente como uma figura histórica, outro vassalo chegou com um relatório.

Vassalo 2: “Meu senhor, o comandante inimigo avançou.”

(Ele saiu para lutar?)

Nobunaga: “Ele veio arriscar a vida em batalha, ao invés de se esconder e esperar pra morrer.”

Nobunaga: “Eu admiro sua coragem.”

Nobunaga levantou-se de sua cadeira, com suas mãos apoiadas na espada.

Nobunaga: “Eu vou colocar um fim nele pessoalmente.”

MC: “Você vai pra lá também?”

Nobunaga: “O que mais eu faria?”

Nobunaga: “Você deve estar ficando entediada de ficar sentada aí.”

Nobunaga: “Você vem também. Eu quero que você veja isso.”

MC: “Na verdade eu estou bem confortável aqui, então eu passo—“

Nobunaga: “Veja se tem sela para ela.”

Vassalo 2: “Sim, meu senhor!”

(Oh, você vai me escutar!)

Minhas insistências não foram ouvidas enquanto eu era levada para fora do acampamento e colocada sobre o cavalo.

Ao lado de Nobunaga, eu cavalguei até o campo de batalha, onde eu vi muito dos horrores da guerra.

(Ugh. Isso é horrível.)

Através dos guardas que me protegiam, eu pude ver homens lutando com espadas e lanças.

Cada grito, gemido e berro me estremeciam. Um cheiro forte de queimado impregnava no ar.

(Eu não quero mais estar nesse pesadelo!)

E ainda por cima, eu estava escorregando cada vez mais para o lado com cada batida dos cascos do cavalo na terra

MC: “Aaah!”

Nobunaga olhou rapidamente pra trás quando gritei, mas ele não se virou.

Eu fui caindo da sela e fui derrubada no chão, aterrissando na sujeira.

(Ow. Isso realmente dói. Por que isso ta acontecendo comigo?)

Eu fiz o meu melhor para parecer insignificante, com medo dos cavalos que ainda corriam por ali.

Comandante inimigo: “Arqueiros, mirem no Nobunaga! Atirem!”

Um coro de lamentos preenchia o ar enquanto o inimigo lançava uma rajada de flechas com fogo.

Supostamente eles deveriam mirar no Nobunaga, mas as flechas pareciam estar vindo todas na minha direção.

(Oh, Deus!)

Aquelas luzes ardentes vinham cada vez mais perto. Eu não podia gritar por ajuda. Eu não podia ver nenhum lugar seguro para ir.

(Eu vou morrer...!)

Uma flecha estava vindo bem em minha direção. E então eu a vi se dividir em duas e cair inofensiva dos dois lados.

(O que acabou de acontecer?)

Nobunaga: “Que arqueiros inúteis, terem me confundido com essa mulher.”

Nobunaga, montado no seu cavalo, me cobriu da vista dos inimigos.

(Nobunaga salvou minha vida?)

Eu me levantei tremendo e olhei pra ele.

Com sua espada em mãos, o rosto de Nobunaga mostrava um perfil admirável, iluminado pela luz do fogo.

Nobunaga: “Você está ferida?”

MC: “Eu estou bem, eu acho. Elas chegaram muito perto.”

Nobunaga: “Que bom. Eu não vou deixar meus inimigos levarem meu amuleto da sorte tão facilmente.”

Nobunaga: “Você é minha, para proteger e guardar.”

Com uma risada, Nobunaga se virou em direção aos seus oponentes.

Nobunaga: “Sou eu quem vocês estão enfrentando. Vocês não cometerão o mesmo erro duas vezes.”

............

** Love challenge **

 Próxima parte: eu me deparei cara a cara com a brutalidade de Nobunaga Oda. 
Mas o verdadeiro choque da tarde ainda estava por vir! Sorrindo, ele me pediu algo absurdo. 
“Você e eu estamos aqui juntos agora. Isso é razão suficiente.” 
(Isso é bom. Mas por que? Essa situação é completamente louca!)

*Cap. 1 – (5/10) completo*


❖ Parte 6 

(Nobunaga salvou minha vida?)

Nobunaga, montado no seu cavalo, me cobriu da vista dos inimigos. Ele olhou para mim.

Nobunaga: “Você está ferida?”

MC: “Eu estou bem, eu acho. Elas chegaram muito perto.”

Nobunaga: “Que bom. Eu não vou deixar meus inimigos levarem meu amuleto da sorte tão facilmente.”

Nobunaga: “Você é minha, para proteger e guardar.”

Com uma risada, Nobunaga se virou em direção aos seus oponentes.

Nobunaga: “Sou eu quem vocês estão enfrentando. Vocês não cometerão o mesmo erro duas vezes.”

A voz de Nobunaga ecoou através do campo de batalha. Eu pude ver que teve efeito nos inimigos.

(Tudo bem, ele é formidável.)

Nobunaga: “Fique aí e não se mexa. Mas não feche os olhos.”

Opções:

- “Por que?”
- “Tudo bem”.
- “Você não pode me obrigar.” (escolhida) 

MC: “Como se eu fosse a algum lugar. Mas você não pode me obrigar a olhar.”

Nobunaga: “Você nunca segura sua língua, não é? Eu aprecio isso, mas você vai olhar.”

Nobunaga: “Quando se está num campo de batalha, você precisa ver o que está acontecendo com seus próprios olhos.”

Nobunaga: “Vai acabar logo, espere por mim, MC.”

MC: “Está bem! Apenas se apresse!”

O sorriso convencido dele fez meu coração bater desconfortável. Eu avisei meu coração que não era pra ele ter nenhuma idéia.

Nobunaga pegou seu cavalo e atacou como uma flecha em direção ao inimigo.

(Lá vai ele.)

Era uma estranha noite agitada.

Talvez fosse minha experiência de quase morte, mas eu estava na verdade orgulhosa por ter o Nobunaga me vigiando.

(Não, não. Eu não posso estar pensando isso. Não sobre o matador-de-pássaros Nobunaga.) 

Vassalo: “Minha dama, me perdoe!”

O apelo angustiado veio do vassalo que me ajudou a subir no cavalo mais cedo.

Ele trouxe meu corcel de volta para mim e me ajudou a subir novamente, murmurando desculpas o tempo todo.

Vassalo: “Eu expus uma nobre princesa como você a um perigo mortal. Eu nunca poderia—“

MC: “Uma princesa? Eu sou só a chatelaine.”

Vassalo: “Lorde Nobunaga nos informou que a nova chatelaine era uma princesa muito preciosa de linhagem sanguínea dos Oda.”

(Oh, certo, eu me lembro agora.)

<Lembrança>

Nobunaga: “Sim. E não tema. Você deverá ser conhecida de longe como uma princesa e será tratada como tal.”

Nobunaga: “Passe seus dias na maquiagem, ou cartas e jogos se quiser.”

<Fim da lembrança>

.........

(Ele realmente contou pra todo mundo. As notícias viajam rápido.)

Vassalo: “Eu não tenho perdão pelas minhas ações. Assim que voltarmos ao castelo, eu pretendo arrepender-me com minha vida.”

O homem parecia completamente sério. Eu gritei pra ele.

MC: “Não, Não, Não! Não faça isso!”

MC: “Eu caí do cavalo. A culpa é minha. Por favor não morra por minha causa.”

(Eu me senti muito mal pelo cara.)

(Ele pensa que prejudicou uma princesa, mas eu sou só uma ex secretária jóquei.)

MC: “Ao invés disso, você pode continuar me ajudando até essa batalha acabar. O que acha?”

Eu dei a ele um pequeno sorriso, na esperança de ele não se jogar na espada dele aqui e agora.

Vassalo: “Nunca houve uma princesa com tanta compaixão como você! Minha vida está em dívida com você.”

MC: “Não podemos ser mais como colegas de trabalho? Duas pessoas tentando sobreviver a uma batalha?”

(O período Sengoku tem duas velocidades: rude e melodramático.)

Vassalo: “Olha, princesa! A batalha está quase no fim.”

MC: “Hmm?”

Eu segui o olhar do homem feliz em direção á linha de frente.

(Parece diferente.)

A maré da batalha estava agora completamente a favor de Nobunaga.

Com uma força esmagadora, os homens dele derrubaram um exército o dobro de seu número.

Á frente da maré vitoriosa estava Nobunaga.

(Ele está sorrindo?)

*Cap. 1 – (6/10) completo*


❖ Parte 7 

(Ele está sorrindo?)

Nobunaga passou pelos inimigos, espada escorregadia e vermelha.

Olhos fixos e vazios, o sangue dos homens que ele matou manchava seu rosto, ele sorriu.

(Quem no mundo poderia achar qualquer motivo pra sorrir aqui?)

Meu alívio de poder escapar sumiu quando o horror da situação voltou pra mim.

Soldado inimigo 1: “Não podemos vencer. Fujam! Corram por suas vidas!”

Nobunaga: “Virando-se para correr. Você é um guerreiro ou não?”

Soldado inimigo 1: “Ghah!”

Soldado inimigo 2: “Eu me rendo! Por favor, não me mate!”

Nobunaga: “O que é isso que você está pedindo?”

Eu ouvia os gritos distantes dos homens que enfrentavam Nobunaga.

Soldados inimigos: “Um monstro! Você não é humano!”

(Eles estão falando do Nobunaga--)

O comandante inimigo e seu exército, que se retiravam, voltaram e ficaram frente à Nobunaga.

Ele parecia um homem destruído, que não havia previsto esse final em sua estratégia.

Nobunaga: “Isso é tudo que você tem? Eu nem precisava ter vindo até aqui pessoalmente afinal.”

Mesmo de frente com seu inimigo encolhido, Nobunaga ainda parecia satisfeito.

Nobunaga: “Você sabia qual seria o preço por me trair.”

Comandante inimigo: “Eu me entrego a você. E eu imploro o seu perdão!”

O comandante desceu do cavalo, rastejando na sujeira em frente ao Nobunaga.

Comandante inimigo: “Eu entrego minhas terras, meu castelo, e todos meus vassalos a você. Você pode pegar o que quiser, apenas poupe minha vida!”

Nobunaga: “Você perdeu para um número que foi menos da metade do seu. Como valeria a pena poupar sua vida?”

Comandante inimigo: “O que você disse—“

O homem se levantou, irritado pela repreensão de Nobunaga. Ele puxou sua espada.

(Não faça isso! Você vai ser morto!)

Comandante inimigo: “Uagh!”

Nobunaga facilmente viu o golpe desajeitado e mandou a espada do inimigo voando pra longe.

Nobunaga: “Uma tentativa inútil.”

(Isso não vai acabar bem.)

Nobunaga mandou um golpe rápido no corpo do homem. Ele caiu no chão.

Comandante inimigo: “Maldito seja—“

Nobunaga: “Você deveria estar amaldiçoando a você mesmo, por pensar que teria alguma chance.”

Nobunaga: “Esse é o fim pra você.”

Nobunaga: “E para aqueles que estupidamente te seguiram também.”

(Nobunaga não vai matar todos eles, vai?!)

O campo de batalha estava silencioso agora.

Aliados e inimigos abaixaram suas armas da mesma forma e ouviram seriamente enquanto Nobunaga declarava o destino dos perdedores.

(Eles já desistiram da luta. Ele não pode matar todos eles, pode?)

Nobunaga: “Retirem todos de dentro do castelo, quando tiver terminado, coloque fogo.”

Vassalo: “Sim, meu senhor!”

Os soldados inimigos ainda restavam estavam rodeados pelas tropas de Nobunaga, presos, e afastados.

Distante, o pequeno castelo rugia como uma fogueira.

(É como se ele estivesse removendo qualquer traço deles. Por ele esta indo tão longe?)

Apesar do fogo enorme, eu sentia frio por dentro.

Atordoada pelo que eu tinha visto, eu cavalguei com o exército de volta para Azuchi, em espanto.

Eu não falei absolutamente nada com Nobunaga durante o caminho. Eu não falei com ninguém.  Eu só andei, em transe, de volta pro meu quarto.

Hideyoshi: “Vejo que voltou.”

*Cáp 1- (07/10) completo*



❖ Parte 8 

Hideyoshi: “Vejo que voltou.”

(Justo a pessoa que eu não queria ver.)

Hideyoshi estava esperando por mim. Eu não podia sentir nada a não ser indiferença por ele no momento.

Eu sentei no chão, ignorando ele.

Hideyoshi: “MC? O que foi?”

Hideyoshi se agachou ao meu lado e colocou a mão larga nas minhas costas.

Hideyoshi: Acalme-se. Você precisa de ajuda?”

MC: “Não. Não, eu estou bem. Só estou cansada.”

Os gritos dos homens que chamavam Nobunaga de monstro estavam zumbindo em meus ouvidos.

<Lembrança>

Nobunaga: “Estou espantado que a mulher que me arrastou daquele templo em chamas está com medo disso.”

MC: “Eu agi sem pensar. Agora eu realmente desejava ter pensado.”

MC: “De qualquer forma, você parece estar se divertindo.”

Nobunaga: “Você realmente me pergunta isso?”

<Fim da lembrança>

.......

Agora eu sabia o porquê ele achou engraçado o que eu disse.

(Ele não acha a guerra assustadora.)

(Ele não pensa nada sobre tirar a vida de outra pessoa.)

Hideyoshi: “Fala comigo. Sua primeira luta foi assim tão difícil? Aconteceu alguma coisa com você lá?”

MC: “É difícil explicar.”

MC: “Quero dizer, atiraram em mim, mas Nobunaga me protegeu.”

Hideyoshi: “Entendo.”

(Eu estava honestamente impressionada quando ele fez isso. Eu pensei por um momento que ele fosse nobre. Respeitável. Mas--)

<Lembrança>

Nobunaga: “Você está ferida?”

MC: “Eu estou bem, eu acho. Elas chegaram muito perto.”

Nobunaga: “Que bom. Eu não vou deixar meus inimigos levarem meu amuleto da sorte tão facilmente.”

<Fim da lembrança>

.......

(Ele não fez isso porque fazer coisas boas dá a ele um estranho sentimento caloroso.)

(Ele estava protegendo seu “amuleto da sorte”.)

Eu desejaria poder viajar no tempo de novo, longe o suficiente para jogar algum senso em mim, que pensou que ele poderia ser nobre.

Hideyoshi: “Então eu não vejo qual é o problema. Sua primeira batalha foi um sucesso e o próprio Lorde Nobunaga foi te socorrer.”

(Essas coisas estão tecnicamente corretas, sim.)

<Lembrança>

Nobunaga: “Você deveria estar amaldiçoando a você mesmo, por pensar que teria alguma chance.”

Nobunaga: “Esse é o fim pra você.”

Nobunaga: “E para aqueles que estupidamente te seguiram também.”

<Fim da lembrança>

........

Relembrar seu decreto cruel me dava arrepios.

MC: “Nobunaga vai realmente matar todas aquelas pessoas?”

Hideyoshi: “Matar? Lorde Nobunaga nunca faria algo tão imoral.”

(Huh? Mas não foi isso que eu ouvi.)

Hideyoshi: “O traidor será despojado de suas terras, que será colocada sob o domínio de um novo daimyo.”

Hideyoshi: “Os feridos serão tratados e voltarão com o restante para trabalhar nas terras como fazendeiros e camponeses mais uma vez.”

Hideyoshi: “Contudo, eles não serão autorizados a se tornar samurais ou guerreiros novamente.”

(Que? Então tudo aquilo fui eu que mal o interpretei?)

Eu estava aliviada por aquelas pessoas, mas Nobunaga ainda me incomodava.

Quando eu penso no jeito em que ele atacava seus inimigos, eu só podia concordar com o soldado que o chamou de monstro.

(E ele queimou o castelo até o chão.)

MC: “Então, e sobre queimar o castelo? Você está me dizendo que isso não foi inútil?”

Hideyoshi: “Existe uma razão para tudo que Lorde Nobunaga faz.”

Quando sua declaração convencida não teve o efeito esperado em mim, Hideyoshi deu de ombros.

Hideyoshi: “Certo. Por que você acha que ele foi pessoalmente acabar com a revolta, levando só uma pequena força com ele?”

*Cáp. 1 – (08/10) completo*


❖ Parte 9 

Hideyoshi: “Certo. Por que você acha que ele foi pessoalmente acabar com a revolta, levando só uma pequena força com ele?”

MC: “Não faço idéia.”

Hideyoshi: “Eu pensei que você não saberia. Por isso quero ajudar você a entender.”

MC: “E é por isso que você estava aqui esperando por mim?”

Hideyoshi: “Olha, eu não te aprovo, mas agora você é um membro das forças de Oda.”

Hideyoshi: “É importante que você entenda porque nosso lorde faz as coisas do jeito dele.”

Hideyoshi aproximou-se e se sentou ao meu lado.

Hideyoshi: “Aquele boato sobre Nobunaga estar a beira da morte após o ataque de Honno-ji? Ainda está se espalhando.”

Hideyoshi: “Vão ter outros que ouvirão e vão pensar que o momento é adequado para uma revolta.”

Hideyoshi: “Só aniquilando definitivamente essa revolta é que Nobunaga pode prevenir o aparecimento de outras revoltas contra ele.”

MC: “É uma demonstração de força?”

Hideyoshi: “Sim. Um aviso para os aliados de bom-tempo do Lorde Nobunaga.”

Hideyoshi: “E uma maneira de mostrar a todos que ele não vai ser impedido por uma tentativa de assassinato.”

Hideyoshi: “Levando uma pequena força, ele mostrou que qualidade é mais importante que quantidade.”

(Nobunaga realmente teve uma razão atrás de suas ações.)

Hideyoshi: “Então veja, a batalha teria sido por nada se ele facilitasse pra eles no final.”

Hideyoshi: “Agora que você sabe, é hora de agradecer ao Lorde Nobunaga.”

MC: “O que? Por quê?”

Hideyoshi: “Porque ele salvou sua vida, lembra?”

(Ele tem razão.)

MC: “Mas, Hideyoshi, Você precisa se lembrar que ele me colocou em um perigo mortal em primeiro lugar.”

Hideyoshi: “Não. Eu não vou ouvir nenhum argumento. Anda!”

(Oh, vamos lá, Hideyoshi! Eu não quero ir!)

Ele me puxou para que eu ficasse de pé e me levou pra fora do quarto.

Eu rapidamente me encontrei confrontada pelo corredor que levava ao quarto de Nobunaga.

Hideyoshi: “Não o ocupe por muito tempo. Apenas o agradeça e deixe-o descansar.”

MC: “Você tem certeza que eu tenho que ir?”

Hideyoshi: “MC.”

A expressão de Hideyoshi dizia: “Não me faça repreender você.”

Hideyoshi: “Ele salvou sua vida. Diga a ele que está agradecida.”

(Mas é Nobunaga Oda.)

Então Hideyoshi partiu. Por mais que eu queira, eu sabia que não podia ir atrás dele.

(Hideyoshi está certo.)

(Nobunaga é forte, assustador e exigente. Mesmo depois de me salvar, ele agiu como se eu fosse um objeto.)

(Mas eu teria morrido se ele não aparecesse.)

Aquele pensamento me dava um arrepio na espinha.

(Isso vai ser simples. Eu vou abrir a porta, dizer obrigado, e sair de lá. Bom plano.)

Eu andei pelo corredor miseravelmente escuro e subi as escadas que levavam ao tenshu.

As portas para a varanda estavam abertas e a luz da lua se derramava pra dentro. Vindo da escuridão, a luz era desorientadora.

MC: “Com licença? Nobunaga? Você ainda está acordado?”

Esperando que ele estivesse dormindo, eu mantive minha voz baixa.

(Essa vista é maravilhosa! E felizmente, parece que Nobunaga não está.)

(Okay, Hideyoshi. Eu tentei, mas ele não está aqui. Acho que vou ter que agradecê-lo outra hora.)

Feliz por ter uma desculpa, eu me virei para sair.

Nobunaga: “MC? É você?”

(Ugh.)

Eu congelei no meio do passo.

Olhando em volta, eu encontrei Nobunaga sentado na varanda, olhando para fora na noite.

Ele ainda estava vestindo sua armadura. Eu avistei um copo em suas mãos.

Nobunaga: “Por que você está parada aí? Venha mais perto.”

MC: “Está bem.”

(Sair agora iria só piorar pra mim depois.)

Eu me aproximei de Nobunaga, que estava encostado no parapeito enquanto olhava pra fora.

Eu respirei fundo e comecei a falar tudo de uma vez.

MC: “Me desculpe por te interromper, mas eu queria dizer obr—“

Nobunaga: “Não me importa o porquê você está aqui.”

(Deus, ele nunca ouve as pessoas!)

Nobunaga se levantou e colocou o copo fino tipo-pires no balcão.

Ele chegou perto, se inclinando para ficarmos olho a olho. A lua delineava seu contorno, criando um visual assustadoramente deslumbrante.

Nobunaga: “Eu não consegui dormir. Você chegou na hora certa.”

Nobunaga: “Você vai esquentar minha cama.”

*Cáp. 1 – (9/10) completo*


❖ Parte 10 

Nobunaga: “Você vai esquentar minha cama.”

MC: “Desculpa, mas você não está fazendo nenhum sentido.”

Nobunaga: “O que é tão confuso? Estou te pedindo para que seja minha parceira essa noite.”

(Ele quer que EU DURMA COM ELE?)

Eu olhei pra ele espantada e ofendida.

MC: “De jeito nenhum eu farei isso!”

Nobunaga: “Por quê? Tem algum problema?”

O tom de ternura em sua voz baixa teria sido atraente em uma situação diferente.

MC: “Sim, tem um problema! Eu mal conheço você!”

Nobunaga: “Isso é verdade.”

Nobunaga: “Mas você e eu estamos aqui juntos agora.”

Nobunaga: “Isso é razão suficiente.”

(Deve ser pra você, mas eu gosto de saber mais sobre meus parceiros do que só: “Hobbies: acabar com revoltas e queimar castelos.”)

Isso foi estranho. O homem que vi na batalha realmente parecia um monstro que não pensava em nada além de matar.

Mas o homem que questionava minha sensata recusa, com uma divertida curiosidade, era diferente. Ele fez eu me sentir confusa.

MC: “De qualquer forma, a resposta é não. Não essa noite. Não amanhã à noite. Nem depois de amanhã.”

Nobunaga: “O dia seguinte a isso então?”

MC: “Ainda não. E só pra você saber? O dia seguinte a isso e qualquer outro dia entre agora e pra sempre? Minha resposta continua sendo não!”

Ele estava brincando comigo, e agravante como era, eu estava mordendo a isca. Os lábios de Nobunaga se curvaram em um sorriso.

Nobunaga: “Ora, ora. Eu consegui uma mulher bem honesta.”

(Hey, o que ele está fazendo?)

*CG*

Eu senti as mãos dele no meu ombro. Nobunaga estava na minha frente. Atrás de mim havia uma parede.

Com um toque quase magnético, Nobunaga pegou meu queixo com a outra mão.

Nobunaga: “Por que você não me deixa tomar uma bebida dos seus lábios, ao invés de toda essa reclamação fútil?”

Eu não estava processando qualquer absurdo que ele dizia. Eu estava atraída pelos seus olhos, cavernas sombrias imensas, me desafiando a explorá-las.

Com o seu polegar, ele contornou meus lábios. Eu estava fascinada.

O toque de Nobunaga era estranhamente leve. Mas, mais surpresa que a leveza do seu toque era como eu me sentia com isso.

(Isso é bom. Mas por quê? Essa situação é totalmente maluca!)

Eu senti um aperto na barriga. Era como se ele tivesse lançado um feitiço em mim.

MC: “Espera—“

Nobunaga: “Copos não devem falar. Agora, silenciosamente me deixe beber.”

Nobunaga alcançou o copo atrás dele que estava no parapeito. Ele o colocou nos meus lábios, que se abriram por vontade própria.

(Oh, cara. Isso realmente está acontecendo?)

Ele inclinou o copo. Algumas gotas doces cobriram minha língua, que estremeceu com o fogo entorpecedor do álcool.

(Isso parece certo e errado ao mesmo tempo. Eu quero....O que eu quero é--)

Nobunaga: “Você finalmente ficou quieta.”

Alguma coisa se acendeu dentro de mim. Nobunaga aproximou-se, seus olhos frios estavam focados em mim.


** Capítulo 1 completo **


❖ No próximo capítulo: Eu vim para o tenshu para me desculpar com Nobunaga, só pra ele me manipular em um acordo desleal!
“Você deve fazer uma aposta comigo. Toda vez que você perder um jogo, eu vou adquirir uma parte do seu corpo como minha.”
Eu revidei. “Se é assim que vai ser, então eu não vou aceitar sua aposta.”
Mas ele só sorriu: “Uma promessa é uma promessa. Essa noite eu vou pegar isto.”








Leia Mais ►