domingo, 10 de dezembro de 2017

Ikémen Sengoku - Nobunaga Oda - Capítulo 9




NOTA 1: Nesse capítulo, ao final da parte 5, é liberado um novo “Castle Gacha” e ao jogá-lo você pode ganhar uma história bônus com o ponto de vista do Nobunaga. Essa história vai ficar salva na sessão de Memórias (“Memories”) e pode ser lida a qualquer momento. 

NOTA 2: Você também recebe uma carta dele.

A tradução da história bônus e da carta estão no final desse capítulo. 😉




❖ Parte 1 


MC: “É um segredo.”

Nobunaga: “Um segredo?”

Eu não tinha certeza se ele estava pronto para ouvir a verdadeira razão de eu ter ficado com ele.

MC: “E eu vou ficar.”

(Passar o tempo com a pessoa que eu amo é um imenso benefício para mim.)

Eu dei a ele outro sorriso, impulsionando a conversa de volta ao seu rumo.

Mas Nobunaga não falou. Sua expressão endureceu.

Ele agarrou meu pulso, gentilmente me deitando na grama antes de se abaixar comigo.

MC: “Nobunaga?”

Aquela expressão aflita estava tão perto.

Nobunaga: “O que é você exatamente?”

(Eu sou a mulher que te ama?)

Nobunaga: “O que é esse segredo? Por que você está me olhando desse jeito?”

MC: “Não é nada com que você precisa se preocupar.”

Nobunaga: “Cada pequena coisa que você faz me deixa—“

Nós estávamos tão perto, o calor dos nossos corpos se entrelaçavam, emaranhado como nossos membros.

MC: “Te deixa como? Me conta.”

Eu olhei para o Nobunaga, precisando ouvir isso.

Ele parecia arrasado, incapaz de falar.

Nobunaga soltou um suspiro irritado.

Nobunaga: “Você é uma mulher. Você não deveria saber?”

Nobunaga: “Eu poderia te possuir agora.”

(Na verdade, se você pedir gentilmente, sim. Essa grama não é tão ruim.)

Nobunaga: “Onde estão as suas palavras vigorosas?”

Nobunaga: “O que aconteceu com a agressão que me fez por tentar beber um drink dos seus lábios?”

MC: “Aquela era a segunda noite que nos encontrávamos! Eu não te conhecia até então. Eu simplesmente pensava que você era um bruto.”

Nobunaga: “E você está dizendo que eu sou diferente agora?”

MC: “Eu vejo você diferente. Eu te conheço agora.”

Nobunaga: “Você conseguiu o que queria?”

MC: “Eu não tive o que eu esperava.”

(Eu nunca esperava que fosse me apaixonar tão perdidamente por você.)

Meus sentimentos cresciam no meu peito, eu olhei nos olhos do Nobunaga.

Suas bochechas estavam coradas, ou pelo fogo ou pela emoção

Nossos corpos estavam pressionados juntos na grama suave da noite, nós olhávamos um para o outro.

Eu posso sentir o cheiro da grama, sentir o calor do fogo me aquecendo. Mas era Nobunaga que preenchia a maior parte dos meus sentidos.

MC: “Sua vez. Por que você me olha desse jeito?”

Ele permaneceu em silêncio. Eu continuei, esperando tirar uma resposta dele.

MC: “Você costumava rir e me provocar. Nada do que eu dizia te incomodava.”

(Eu quero saber.)

(Você sente o que eu sinto?)

Os batimentos do meu coração se aceleraram com esperança. Mas—

Nobunaga desviou o olhar.

Ele se soltou de mim, se erguendo apoiado em um joelho, e levantando devagar.

(Não vai. Conversa comigo.)

Nobunaga: “Eu não sei do que você está falando.”

MC: “Então esqueça isso.”

Eu me sentei também e arrumei meu kimono.

(Talvez eu esteja errada. Mas por qual outro motivo ele estaria agindo dessa maneira?)

Eu encarei o fogo e abracei meus joelhos, já sentindo falta do calor dele.

Nobunaga: “Quando você vai voltar para sua era?”

MC: “Por que você está perguntando isso agora?”

Nobunaga: “Você me disse antes, que você voltaria quando as circunstâncias fossem adequadas.”

*Cap. 9 – (1/10) completo*



❖ Parte 2 


Nobunaga: “Quando você vai voltar para sua era?”

MC: “Por que você está perguntando isso agora?”

Nobunaga: “Você me disse antes, que você voltaria quando as circunstâncias fossem adequadas.”

(Faz um tempo desde que conversamos sobre isso.)

...............

<Lembrança>

MC: “Sim, eu vou. Outra fenda vai abrir em 3 meses.”

MC: “Eu não tenho certeza, mas eu acho que vai ser em Kyoto, onde eu cheguei.”

Nobunaga: “Se você deseja partir e ir para Kyoto em 3 meses, você deve fazer uma aposta comigo.

Nobunaga: “Se você conseguir me derrotar em apenas um jogo, eu vou cuidar pessoalmente para que você chegue a tempo em Kyoto para sua fenda espacial.”

MC: “E se eu não ganhar um único jogo?”

Nobunaga: “Toda vez que você perder um jogo, eu vou adquirir uma parte do seu corpo como minha.”

Nobunaga: “Eu farei você se submeter a mim voluntariamente, parte por parte, até eu conquistar você completamente.”

MC: “Se é assim que vai ser, então eu não vou aceitar sua aposta.”

Nobunaga: “Se você não concordar, você não irá voltar em 3 meses. Eu vou te trancar nas profundezas das masmorras de Azuchi e te deixar lá.”

<Fim da lembrança>

...............

(O tempo passou muito rápido.)

Eu contei os dias que faltavam na minha cabeça, infeliz com o número que descobri.

MC: “Eu tenho um pouco menos de meio mês restante.”

Nobunaga: “Entendo.”

(No começo eu estava bem em usá-lo, assim como ele estava me usando, até eu ganhar minha volta ao presente.)

(É isso que está o incomodando? Que eu terei que deixá-lo logo?)

Meu coração estava me implorando para não deixar Nobunaga.

Eu engoli minhas emoções e forcei um sorriso.

MC: “Sabe, nós precisamos ter outro jogo de Go. Eu ainda tenho que te derrotar!”

Nobunaga: “Não, você não vai. Eu terminei.”

MC: “O que quer dizer, você terminou?”

Nobunaga: “Eu quero dizer exatamente isso. A aposta está terminada. Eu me cansei disso.”

(Ele se cansou?)

Nobunaga olhou para o fogo com um olhar desamparado.

(Okay, alguma coisa realmente está acontecendo com ele!)

MC: “Vem aqui. Você não está se sentindo bem, não é?”

Nobunaga: “Que?”

MC: “Você adora provocar as pessoas. De jeito nenhum que o Nobunaga Oda que eu conheço diria isso.”

(Essa tarde ele estava estranhamente quieto.)

MC: “Me perdoe. Você vai achar isso um pouco estranho.”

Eu estendi uma mão e a coloquei na testa dele.

Nobunaga: “?!”

*Cap. 9 – (2/10) completo*



❖ Parte 3 

Nobunaga: “?!”

(Okay, ele não tem febre.)

Nobunaga: “O que você está fazendo?”

MC: “Estou checando a sua temperatura.”

Nobunaga: “Por quê?”

MC: “Por que? Porque eu estou preocupada que você possa estar doente.”


Opções:

1- “Você está pálido.”
2- “Estou preocupada.”
3- “Você ainda é o Nobunaga?” (escolhida) 


MC: “Ou é isso, ou você foi trocado por um impostor quando eu não estava olhando.”

Nobunaga: “Um impostor?”

Nobunaga: “Você está verdadeiramente além da minha capacidade de entendimento.”

MC: “Eu estou mesmo?”

Nobunaga: “Não.”

O calor em seus olhos esfriou.

Nobunaga: “Você me surpreender não é nenhuma novidade. Mas dessa vez—“

Nobunaga: “Eu te empurrei pra baixo, te deixei a minha mercê e ainda assim você está preocupada comigo?”

Olhando friamente pra mim, ele riu.

MC: “O que é tão engraçado?”

Nobunaga: “Uma mulher que se importa comigo e não procura algo em troca.”

Nobunaga: “Eu pensei que você não poderia ser mais tão ingênua.”

(Arg! É como dar um passo a frente e mil passos insuportáveis pra trás!)

MC: “Não é permitido às pessoas se preocuparem com você? Talvez eu devesse mandar um recado para o Hideyoshi!”

Nobunaga: “Eu não vejo motivo para VOCÊ se preocupar comigo.”

MC: “Você quer que eu faça uma lista?”

MC: “Você salvou minha vida, o que, por 4 vezes até agora?”

MC: “Havia as flechas, o assassino, o veneno!”

MC: “Sim, Ieyasu me contou sobre aquilo! Até Kennyo sabia!”

MC: “E na noite passada. Você correu para me salvar também, de novo!”

Nobunaga: “Aquilo foi....diferente.”

Nobunaga: “Eu não tinha intenção em te salvar.”

Nobunaga: “Eu agi sem pensar.”

MC: “Oh, onde foi que eu ouvi isso antes? Está certo, fui eu!”

Não era decepção ou raiva que me fazia falar, era desespero.

MC: “Sabe Nobunaga, isso pode te surpreender, mas sou feliz quando você está feliz.”

MC: “E quando você está triste, eu estou triste. Então o que eu estou dizendo é que—“

MC: “É escolha minha se eu quiser me preocupar com você!”

Eu ouvi ele segurar a respiração, mas ele não disse nada.

Eu mantive meus olhos fixos nele, suplicando para que ele me entendesse.

Mas eu também não falei nada, com medo de que tudo fosse dar errado.

(Ninguém precisa de um motivo para se importar com o outro.)

(Quem se importa se está sendo beneficiado com isso ou não!?)

Não importava o quanto eu tentasse, eu não conseguiria atravessar uma diferença cultural de 500 anos.

(Eu amo você. E eu gostaria que você pudesse entender o que aquelas palavras significam.)

Nobunaga: “MC, eu—“

Nobunaga: “Eu não entendo você.”

(...Ugh)

MC: “Tudo bem. Eu acabei.”

Eu me virei e sai, meus pés me levaram a correr.

Nobunaga: “MC!”

Eu fechei meus olhos apertados e ignorei a voz que chamava atrás de mim, para que eu não precisasse chorar.

(Nós estamos tão próximos, mas tão distantes.)

(Por que é tão difícil dizer a ele?)

Uma gota úmida rolou pela minha bochecha. Eu a enxuguei.

(Por que ele não pode entender?)

(Ele alcançou meu coração. Por que eu não consigo alcançar o dele?)

*Cap. 9 – (3/10) completo*



❖ Parte 4 


Quando a MC correu, Nobunaga avançou.

Nobunaga: “MC!”

Ele tentou alcançá-la, mas suas mãos não seguraram nada, só o ar vazio.

Congelado, ele observava enquanto ela desaparecia com a distância.

Nobunaga suspirou.

Nobunaga: “Eu sou um idiota.”

Nobunaga: “Eu tenho esses sentimentos impossíveis por ela.”

................

<Lembrança>

Nobunaga: “Eu não tinha intenção em te salvar.”

Nobunaga: “Eu agi sem pensar.”

MC: “Oh, onde foi que eu ouvi isso antes? Está certo, fui eu!”

<Fim da lembrança>

................

Nobunaga: “Ela está errada. Não é igual como quando ela me salvou do incêndio.”

Nobunaga: “O que eu sinto por ela é—“

Nobunaga apenas ficou parado ali, sozinho no escuro e no silêncio.

.............................

(Noite anterior a uma imensa batalha MAIS o que Nobunaga me disse noite passada? Sim, eu não tive nada de sono.)

Eu esfreguei meus olhos cansados e sai da barraca.

Era outro limpo e perfeito dia—brilhante demais para o meu humor.

(O que eu vou fazer com relação ao Nobunaga hoje?)

(Eu não quero ficar longe dele, mas eu não tenho idéia de como vou encará-lo.)

Hideyoshi: “MC. Olá.”

MC: “Hideyoshi? Bom dia.”

Hideyoshi trazia um cavalo enquanto eu empacotava minhas coisas.

Hideyoshi: “Então, você vai comigo hoje.”

MC: “Hm, que?”

Hideyoshi: “Ordens diretas do Lorde Nobunaga. Ele te confiou a mim. E ele confiou ela a você.”

Hideyoshi: “Ele está te dando esse cavalo. Ele espera que você a monte e nos acompanhe por si própria.”

MC: “E essas foram as únicas ordens dele?”

Hideyoshi: “Sim.”

(Isso resolve meu problema de como encará-lo.)

(E me dá um novo! Agora ele está me evitando!)

Indignação surgiu dentro de mim. Eu olhei furiosamente para a grama.

MC: “Aquele idiota!”

Hideyoshi: “MC?”

MC: “Ele me manipulou, me provocou, quase partiu meu coração e agora ele simplesmente vai me dispensar?”

Hideyoshi: “Eu tenho absoluta certeza de que Lorde Nobunaga não te dispensou.”

MC: “Como?”

Hideyoshi deu um tapinha no meu ombro.

Hideyoshi: “Você sabe como ele nunca volta atrás em uma ordem?”

Hideyoshi: “Mas ele voltou atrás, confiando você á mim. Não acha que existe uma boa razão pra isso?”

Hideyoshi: “Como, por exemplo, talvez ele queira que você esteja a salvo? Eu não acho que ele tenha parado de se importar com você.”

(Se eu apenas tivesse essa confiança infinita que você tem dele.)

*Cap. 9 – (4/10) completo*



❖ Parte 5 


Hideyoshi: “Como, por exemplo, talvez ele queira que você esteja a salvo? Eu não acho que ele tenha parado de se importar com você.”

(Se eu apenas tivesse essa confiança infinita que você tem dele.)

Hideyoshi: “E de qualquer forma, você deveria estar feliz.”

Hideyoshi: “Ele te deu esse cavalo. Isso é uma honra.”

MC: “Bem, ela é linda.”

(Espero que Hideyoshi esteja certo.)

(Além disso, eu não posso ficar aqui perdendo tempo.)

Eu olhei para meu novo cavalo, Cheruit.

MC: “Eu acho que vou tentar montá-la.”

Hideyoshi: “Esse é o espírito.”

MC: “Faz cerca de um mês da última vez que peguei em uma rédea.”

Hideyoshi: “Não se preocupe. Eu fui ordenado a te proteger. Isso inclui acidentes de montaria.”

Hideyoshi: “Pratique um pouco. Você vai precisar disso logo. Mas se você se sentir nervosa, você pode sempre montar comigo.”

Hideyoshi: “Percebe? Não há nada com que se preocupar.”

(Hideyoshi é exatamente o oposto de Nobunaga.)

MC: “Você é tão gentil Hideyoshi. Esse é o segredo da sua popularidade com as mulheres?”

Hideyoshi: “Provavelmente.”

MC: “E tão modesto!”

Eu ri. Hideyoshi deu um tapinha na minha cabeça.

Hideyoshi: “Aí. Assim é melhor.”

MC: “Deixa eu adivinhar, você estava tentando me animar?”

Hideyoshi: “Com certeza eu estava. Um sorriso combina melhor com você.”

MC: “Obrigada por me ajudar a tê-lo de volta.”

Hideyoshi: “Quando quiser.”

Rindo, eu finalmente fui capaz de esquecer minhas preocupações.

(Hideyoshi está certo.)

(Nobunaga obviamente tem muita coisa na cabeça ultimamente.)

(Talvez eu deva ajudá-lo. Eu vou falar pra ele diretamente que eu quero ficar com ele.)

(E eu não vou ficar decepcionada se ele não retornar meus sentimentos.)

(Eu só quero ter certeza de que ele os escute.)

Logo que tomei minhas decisões—

Vassalo: “Lorde Hideyoshi! Eu tenho um relatório!”

Hideyoshi: “O que é?”

Um dos vassalos correu e se ajoelhou, parecendo preocupado.

Vassalo: “Um exército foi avistado vindo nessa direção.”

Hideyoshi: “Exército de quem? Qual o tamanho?”

(Quem estaria vindo para nos atacar? Nós supostamente éramos para ser os agressores aqui!)

Vassalo: “Eles tem duas vezes o nosso número. E estão cavalgando sob um estandarte azul. Provavelmente eles são—“

Hideyoshi: “As forças de Kenshin?”

(Kenshin Uesugi está vindo nos atacar?)


**Love Challenge**


*Cap. 9 – (5/10) completo*


❖ Na próxima parte: Ficando corajosamente no meio de uma batalha invencível, Nobunaga sorriu. Eu agi sem pensar. “Eu odiaria se você tivesse morrido!”
“Nós não tivemos um jogo de Go, mas eu não me importo. Estou pegando isso.”
No meio de um campo de batalha incendiado, Nobunaga roubou meus lábios em um beijo!



❖ Parte 6 


(Talvez eu deva ajudar Nobunaga. Eu vou falar pra ele diretamente que eu quero ficar com ele.)

(E eu não vou ficar decepcionada se ele não retornar meus sentimentos.)

(Eu só quero ter certeza de que ele os escute.)

Logo que tomei minhas decisões—

Vassalo: “Lorde Hideyoshi! Eu tenho um relatório!”

Hideyoshi: “O que é?”

Um dos vassalos correu e se ajoelhou, parecendo preocupado.

Vassalo: “Um exército foi avistado vindo nessa direção.”

Hideyoshi: “Exército de quem? Qual o tamanho?”

(Quem estaria vindo para nos atacar? Nós supostamente éramos para ser os agressores aqui!)

Vassalo: “Eles tem duas vezes o nosso número. E estão cavalgando sob um estandarte azul. Provavelmente eles são—“

Hideyoshi: “As forças de Kenshin?”

(Kenshin Uesugi está vindo nos atacar?)

(Supostamente não era nem para eles estarem nos esperando! Eu pensei que eles não estivessem prontos!)

Hideyoshi: “Preciso ver isso por mim mesmo. MC, você vem comigo.”

MC: “Pode apostar que eu vou!”

Hideyoshi me ajudou a subir no meu cavalo e depois montou o dele do meu lado. Nós cavalgamos rápido em direção à frente.

Quando nós chegamos—

(Isso é horrível.)

O inimigo estava perto o suficiente para vermos a olho nu, assim como a chuva de flechas que eles estavam lançando em nossos homens.

Hideyoshi: “O que aconteceu?”

Mitsunari: “Lorde Hideyoshi! MC!”

MC: “Mitsunari!”

Mitsunari veio em nossa direção.

Hideyoshi: “É o exército de Uesugi?”

Mitsunari: “Sim. A bandeira azul e o escudo de andorinha são inconfundivelmente do clã Uesugi.”

Mitsunari: “Lorde Nobunaga e Lorde Masamune já correram em direção á linha de frente.”

(Os dois já estão lutando!)

Um arrepio percorreu minha espinha, e por um momento eu pensei que ia ficar doente.

Até mesmo Mitsunari não estava sorrindo. Isso deixava claro que a situação era séria.

Mitsunari: “Nossos espiões já voltaram de seu reconhecimento do castelo—“

Mitsunari: “De acordo com seus relatórios, as forças Uesugi-Shingen já se reuniram.”

Hideyoshi: “Que?!”

MC: “Então a informação que nos deram estava errada!”

..............

<Lembrança>

Nobunaga: “Mitsuhide me informou que as defesas da guarnição do castelo estão inadequadas.”

Nobunaga: “10.000 homens, juntamente com Masamune e Ieyasu, devem ser suficientes.”

<Fim da lembrança>

...............

(Nós viemos até aqui com poucos homens porque pensamos que eles não estavam preparados.)

Mitsunari: “Os espiões disseram mais uma coisa. Que Lorde Mitsuhide juntou forças com os Uesugi.”

MC: “Que?! Não!”

Hideyoshi: “Ele realmente nos traiu?”

*Cap. 9 – (6/10) completo*




❖ Parte 7 


Hideyoshi: “Ele realmente nos traiu?”

Hideyoshi: “Mitsuhide—“

(Hideyoshi, eu sinto muito.)

Eu sentia meu estômago doer, vendo a expressão de dor em Hideyoshi.

Mitsunari: “Aparentemente o plano do inimigo era atrair Lorde Nobunaga até aqui com a informação falsa.”

Mitsunari: “Nos convencendo de que eles estavam despreparados, nós chegamos com uma pequena força e caímos diretamente na armadilha deles.”

Hideyoshi: “Kenshin foi trazido para o campo de batalha?”

Mitsunari: “Não. O atual comandante deles não é ninguém especial. Os espiões acreditam que Kenshin esteja observando do castelo.”

Mitsunari: “É possível que ele saiba das nossas perdas na batalha com Kennyo.”

Hideyoshi: “Sem dúvida. Mitsunari, eu vou para a frente.”

A voz de Hideyoshi era calma, mas o resto dele não.

Ele parecia pronto pra explodir de raiva.

(Eu nunca vi Hideyoshi tão furioso.)

Hideyoshi: “MC, volte para o quartel general. Mitsunari, veja se ela chega em segurança.”

Mitsunari: “Sim, Lorde Hideyoshi.”

Hideyoshi virou seu cavalo.

Reunindo suas tropas, ele correu em direção às linhas de frente da batalha.

Mitsunari: “MC. Nós devemos ir.”

MC: “Claro.”

Eu peguei as rédeas da Cheruit e segui atrás de Mitsunari.

Nós passamos por homens correndo até a frente. Notícias da traição de Mitsuhide se espalhavam entre eles como um fogo incontrolável.

Soldado aliado 1: “Você ouviu isso! Lorde Mitsuhide nos traiu! Eles nos vendeu!”

Soldado aliado 2: “Aquela cobra suja! Eu sabia que ele era suspeito, mas eu não pensei que ele realmente fosse fazer isso.”

(Eles estão todos muito bravos. Eu estou chocada também.)

Mas alguma coisa me deixava perturbada. Eu me virei para Mitsunari.

MC: “O que você acha do relatório? Você acha que Mitsuhide realmente nos traiu?”

Mitsunari: “Eu não posso dizer com certeza. Entretanto—“

Mitsunari: “É fato que o inimigo sabia dos nossos movimentos, nos colocando nessa situação difícil.”

Mitsunari: “Eu estimo que o número deles exceda os 10.000. Não tem nem comparação com a luta contra Kennyo.”

(E aquela foi uma batalha horrível. Nós temos mesmo chance de vencer essa?)

Os sons desagradáveis da guerra nos seguiram até o quartel general.

Batida de metal, pólvora inflamada, cavalos relinchando, e os gritos ferozes de soldados.

(Isso não está certo. A traição de Mitsuhide não faz sentido.)

<Lembrança>

MC: “Sabe, eu tinha a impressão errada sobre vocês dois. Você realmente se importa com ele.”

Hideyoshi: “Minha vida seria bem mais fácil se eu não me importasse.”

...

(Hideyoshi acreditava nele, e ele é bom em julgar caráter. Mas isso não tudo--)

...

MC: “Você odeia o Hideyoshi?”

Mitsuhide: “Odiar ele?”

Mitsuhide: “Se alguma vez você encontrar alguém que seja imune ao charme dele, tenha certeza de me apresentar.”

...

(Isso não era uma mentira. Mitsuhide também se importa com ele.)

...

Nobunaga: “Eu conheço bem o Mitsuhide. Você, também, vai aprender mais sobre ele logo.”

...

(Mais importante, Nobunaga parecia ter absoluta confiança nele.)

<Fim da lembrança>

Eu olhei pra frente, apertando as rédeas em minhas mãos.

MC: “Eu não vou acreditar que Mitsuhide se virou contra nós. Não até que eu veja por mim mesma.”

Mitsunari: “MC?”

*Cap. 9 – (7/10) completo*



❖ Parte 8 


MC: “Eu não vou acreditar que Mitsuhide se virou contra nós. Não até que eu veja por mim mesma.”

Mitsunari: “MC?”

MC: “Vamos perguntar a ele na próxima vez que o vermos. Nós também não deixaremos ele se esquivar da pergunta!”

Mitsunari: “Isso parece uma boa idéia.”

A expressão de Mitsunari suavizou. Ele finalmente sorriu.

Mitsunari: “Você tem meu apoio. Primeiro precisamos derrotar o inimigo.”

Nós finalmente chegamos ao quartel general. Quando fizemos isso, Mitsunari se virou para mim.

Mitsunari: “MC, estou voltando para a linha de frente. Por favor, fique a salvo.”

MC: “Você também, Mitsunari.”

Mitsunari: “Eu irei.”

Com um sorriso corajoso, Mitsunari partiu.

No quartel general, eu ajudei na assistência a retaguarda e tratei dos feridos que eram trazidos da linha de frente.

(Nós não estamos recebendo nenhum relatório. Estou preocupada.)

(Especialmente com o Nobunaga. Ele tem lutado lá todo esse tempo. Ele está a salvo?)

...............

<Lembrança>

Nobunaga: “MC, eu—“

Nobunaga: “Eu não entendo você.”

MC: “Tudo bem. Eu acabei.”

Nobunaga: “MC!”

<Fim da lembrança>

...............

Eu estava com um nó no estômago, relembrando a maneira com que nós nos separamos noite passada.


Opções:

1- (Eu não quero que seja assim.)
2- (Nós vamos superar isso.) (escolhida) 
3- (Eu gostaria de não ter dito aquilo.)


(Está tudo bem. Nós dois iremos superar isso. E quando nós nos encontrarmos da próxima vez eu serei direta com ele.)

(Ele não tem que entender. Ele não precisa nem mesmo me amar de volta.)

(Mas eu vou dizer pra ele que o amo.)

Eu coloquei a mão no meu coração, estava batendo constantemente.

(Nobunaga pediu por isso, e eu dei a ele.)

(Sem mais desculpas. Sem mais fugas.)

.......................

Sem idéia de como estava indo a batalha, eu continuei a cuidar dos soldados feridos até o céu começar a escurecer.

Ieyasu: “Todos vocês, ouçam!”

MC: “Ieyasu!”

A cortina em torno da barraca foi colocada para o lado e Ieyasu saiu, com a espada em mãos.

Ieyasu: “A linha de frente está recuando para essa posição. Então nós iremos evacuar o quartel general e nos mover para mais distante.”

MC: “Está bem.”

(Isso definitivamente não parece bom. As forças de Kenshin estão ganhando, não estão?)

Ieyasu começou a emitir ordens para retirada, e os soldados se apressaram em obedecer.

Eu estava reunindo meus suprimentos de enfermagem quando Ieyasu gritou para mim.

Ieyasu: “MC! Não se preocupe com essas coisas. Anda!”

MC: “Ieyasu, eu já te disse que não vou fugir sozinha!”

Ieyasu: “Não é isso que eu estou dizendo pra você fazer. Você tem um trabalho diferente agora.”

MC: “O que é?”

*Cap. 9 – (8/10) completo*



❖ Parte 9 


Ieyasu: “Não é isso que eu estou dizendo pra você fazer. Você tem um trabalho diferente agora.”

MC: “O que é?”

Ieyasu: “Eu vou diretamente escoltar os feridos e mover o equipamento.”

Ieyasu: “Nossa chatelaine precisa chegar ao novo quartel general e começar a ajudar os homens a montá-lo.”

MC: “Sim senhor!”

Eu acenei com a cabeça para o Ieyasu e corri além da parede de cortina—

(Ieyasu não estava brincando!)

Do lado de fora, o barulho era ensurdecedor. Eu tentei entender o caos que me rodeava.

Pólvora e flechas preenchiam o céu ardente.

Soldado inimigo: “Atrás deles! Acabem com eles!”

Soldado aliado: “Recuar! Recuar!”

O inimigo era como uma avalanche, empurrando nossas tropas para trás.

(Eu preciso chegar ao novo quartel general! Agora!)

(Ali está Cheruit! Vem, vamos!)

Eu me desloquei até meu cavalo.

Eu viajei com os soldados feridos, mas a risada assombrosa do inimigo nos perseguiu por todo o caminho.

Soldado inimigo: “Nenhum de vocês irá escapar! Se preparem!”

(Como Nobunaga pôde deixar isso acontecer? Onde ele está?)

Eu olhei para trás de mim, com medo do que eu fosse ver, mas—

Nobunaga: “Eu sou seu oponente.”

(Ele está vivo!)

A visão do Nobuaga montando seu cavalo de guerra, armadura coberta de sangue, fez com que os aliados e inimigos igualmente parassem para olhar.

Ele galopou até a frente da tropa dispersa.

Soldado inimigo 1: “Nobunaga?!”

Soldado inimigo 2: “Não me espanta eles o chamarem de ‘O grande tolo de Owari’! Aparecendo para nos oferecer sua cabeça desse jeito!”

Mesmo com o inimigo nervosamente o cercando, Nobunaga mostrava um sorriso confidente.

(Nobunaga, NÃO se sacrifique!)

Nobunaga: “Vocês deveriam guardar suas últimas palavras para as orações.”

Soldado inimigo: “O que—“

Nobunaga: “Em um campo de batalha, a sua espada é quem fala. Então pare de tagarelar e vem.”

Com um sorriso frio em seus lábios, Nobunaga sacou a espada. Ela refletia o ardente pôr do sol.

Soltando um grito de guerra, o inimigo avançou até ele.

MC: “Nobunaga!”

Soldado aliado: “Meu Lorde!”

Mas Nobunaga cortou seus inimigos como grama, derrubando mais com cada movimento.

(Ele é inacreditável!)

Seus oponentes deram um passo para trás em pavor. Nobunaga aproveitou esse momento para falar aos seus homens.

Nobunaga: “O que vocês estão fazendo parados aí? Prossigam com a retirada e levantem o quartel general!”

Soldado aliado: “Mas, meu lorde--“

Nobunaga: “Não se preocupe comigo. Eu não pretendo morrer e deixar minha ambição ao meio.”

Nobunaga: “Isso é uma ordem. Continuem.”

Eu tenho visto ele sorrir quando as coisas estavam indo do jeito dele, mas eu não podia imaginar como ele poderia estar sorrindo agora.

Nobunaga: “Eu não vou permitir que nenhum de vocês morra. Pelo meu bem, todos vocês devem viver.”

Soldados aliados: “Sim, meu lorde!”

Se curvando com arrependimento, os homens prosseguiram com a retirada, guardando uns aos outros enquanto foram.

Eu deveria ter ido com eles. Mas eu virei meu cavalo para voltar, lutando contra a multidão.

(Nobunaga não pode segurar todos eles! Ele vai se matar!)

Soldado inimigo: “Palavras audaciosas! Você vai se arrepender de não ter fugido quando teve chance!”

Um homem brandiu sua lança, apontando ela para Nobunaga.

Nobunaga: “Arrepender?”

*Cap. 9 – (9/10) completo*



❖ Parte 10 


Soldado inimigo: “Palavras audaciosas! Você vai se arrepender de não ter fugido quando teve chance!”

Um homem brandiu sua lança, apontando ela para Nobunaga.

Nobunaga: “Arrepender?”

MC: “Cuidado!”

Nobunaga conteve o golpe da lança, derrubando-a com um barulho forte que perfurou meus ouvidos.

Soldado inimigo 1: “Oof—“

A repercussão derrubou o homem de seu cavalo, fazendo os homens ao redor dele se moverem.

Nobunaga: “Eu nunca me arrependi de nada.”

Nobunaga: “E isso irá continuar. Mas eu não posso dizer o mesmo de vocês.”

Nobunaga: “Porque todos vocês irão morrer aqui.”

Soldado inimigo: “Desgraçado!”

Espadas se levantaram para atacar, o grupo correu até Nobunaga.

(Não me importa o quão impressionante ele é, ele não pode continuar assim!)

Então, pelo canto do meu olho, eu avistei um arqueiro inimigo mirando com seu arco.

MC: “Nobunaga! Arqueiros!”

Eu conduzi meu cavalo na linha do inimigo sem pensar.

Chocados pelas minhas ações, os homens travaram, me dando o tempo que eu precisava para chegar até Nobunaga.

Nobunaga: “MC?!”

Nossos olhos se encontraram enquanto a flecha era lançada.

MC: “Nobunaga!”

Eu agarrei ele e o puxei pra fora do caminho.

Ele caiu nos meus braços enquanto a flecha passava inofensivamente por cima de nossa cabeça.

(Consegui!)

Soldado inimigo: “Mulher. Quem é você?!”

Agora, os olhares de todos estavam em mim, o que era perfeito.

(Porque eu ainda tenho isso!)

Eu tirei a bomba de fumaça e bati ela no chão.

Ela disparou num instante, e com um assobio a área foi coberta por uma densa nuvem de fumaça.

Nobunaga: “O que é isso?”

Soldado inimigo: “O que está acontecendo!?”

(E isso vai reduzi-los!)

Eu esvaziei a sacola de pregos no chão atrás de nós, uma armadilha inteligente para manter os inimigos fora do nosso caminho.

MC: “Vem, vamos!”

Nobunaga: “Você é algo mais, MC.”

Não querendo nos perder na fumaça, nós agarramos forte a mão um do outro.

Nobunaga me arrastou e me carregou com ele até seu cavalo.

Sem perder tempo, nós corremos pra fora da fumaça, deixando nossos inimigos confusos para trás.

(Conseguimos. Excelente trabalho em armas ninjas, Sasuke!)

Olhando para trás, eu vi que nossas tropas haviam terminado sua retirada.

Nós desmontamos do cavalo, descansando na proteção de algumas gramas altas. Nobunaga de repente agarrou meus ombros.

Nobunaga: “O que você estava pensando?! Você está jogando fora sua vida?”

(Nobunaga--)

MC: “Não, é claro que eu não. Eu estava salvando a tua!”

A adrenalina fez meu coração acelerar, mas o olhar dolorido do Nobunaga também fazia.

(Eu não acho que eu já tenha ouvido ele gritar desse jeito antes. Ele realmente estava preocupado.)

(E mesmo assim, ele está sempre dizendo aos outros para ‘não se preocupar’, com um sorriso no rosto, quando ele está em apuros. Homem bobo.)

Nobunaga: “Que benefício você ganha em se preocupar tanto comigo?”

(É tão simples, estou espantada que você ainda não vê isso.)

MC: “Porque eu odiaria se você morresse!”

Nobunaga me olhou como se estivesse com medo de examinar minhas palavras para saber o significado.

Os sentimentos que eu desenvolvi por ele transbordavam.

Não importava se suas mãos estavam manchadas de sangue, se ele estava completamente quebrado como pessoa.

Todas essas coisas e o carinho que ele ainda não sabia que possuía—eu estava tão dolorosamente, desesperadamente apaixonada por cada parte dele.

MC: “Meu coração se partiria pra sempre se eu perdesse você!”

MC: “Eu quero que você viva! Todo momento em que você está vivo significa algo bom pra mim!”

Nobunaga: “MC.”

Nobunaga: “Você—“

Ele olhou pra mim com olhos tão cheios de paixão que consumiam o campo ao nosso redor.

Nobunaga: “Nós não tivemos um jogo de Go, mas eu não me importo.”

Ele não precisava dizer mais nada. Eu sabia o que ele queria. Era o que eu estava querendo há muito tempo.

Ele me pegou em seus braços, com uma mão nas minhas costas, a outra levantou meu queixo.

Nobunaga: “Estou pegando isso.”

Seus lábios quentes se fecharam no meu.

Eu me entreguei ao seu abraço enquanto ele vorazmente me possuía.

(...Wow.)

**Capítulo  9 completo**


❖ No próximo capítulo: Eu precisava saber o que havia por trás daquele beijo repentino, mas tudo que Nobunaga diria era isso: “Agora, só temos que acabar com esses inimigos. Mas eu irei te dizer o motivo essa noite.”
Havia paixão, um fogo vivo, naqueles olhos que tinham sido tão frios.
Meu coração acelerou em antecipação ao momento--!






❖  HISTÓRIA BÔNUS - Ponto de vista dele ❖ 

(NT: Engloba somente os acontecimentos das parte de 1 a 3)



Debaixo de um céu enluarado, MC e eu olhávamos um para o outro, o brilho da fogueira iluminava a grama ao nosso redor.

Ela havia dito que compartilharia a vigia comigo. Que ela ficaria comigo enquanto eu descansava.

Mas quando eu perguntei a ela o motivo, ela só respondeu,

MC: “É um segredo.”

Nobunaga: “Um segredo?”

MC ainda sorriu pra mim. Aquele sorriso agarrou meu coração, se recusando a soltar.

MC: “E eu vou ficar.”

(Isso não é uma resposta.)

Eu peguei seu pulso e a puxei comigo para a suave cama de grama.

MC: “Nobunaga?”

Ela estava tão perto agora, apesar disso sempre de algum modo inalcançável.

Nobunaga: “O que é você exatamente?”

Nobunaga: “O que é esse segredo? Por que você está me olhando desse jeito?”

MC: “Não é nada com que você precisa se preocupar.”

Nobunaga: “Cada pequena coisa que você faz me deixa—“

(...Me deixa tremendo como nenhuma outra batalha já deixou. Eu não sou o mesmo perto de você.)

Eu rangi meus dentes, incapaz de colocar esses sentimentos incertos em palavras.

MC: “Te deixa como? Me conta.”

(Por que você sempre quer saber? O que você faria se soubesse?)

E coloquei de lado os pensamentos de como o seu corpo estava perto do meu, como ele irradiava calor. Eu suspirei, procurando uma maneira de encerrar essa conversa.

Nobunaga: “Você é uma mulher. Você não deveria saber?”

Nobunaga: “Eu poderia te possuir agora.”

Ainda assim, MC olhou para a grama, como se considerasse isso, antes de olhar de volta para mim. Minha confusão cresceu.

Nobunaga: “Onde estão as suas palavras vigorosas?”

Nobunaga: “O que aconteceu com a agressão que me fez por tentar beber um drink dos seus lábios?”

MC: “Aquela era a segunda noite que nos encontrávamos! Eu não te conhecia até então. Eu simplesmente pensava que você era um bruto.”

Nobunaga: “E você está dizendo que eu sou diferente agora?”

MC: “Eu vejo você diferente. Eu te conheço agora.”

Nobunaga: “Você conseguiu o que queria?”

MC: “Eu não tive o que eu esperava.”

As batidas do meu coração trovejavam no meu peito.  A luz da lua acariciava seu rosto e eu a invejava por isso, desejando fazer o mesmo.

(Quando foi que eu me tornei isso?)

Na noite do ataque de Kennyo, eu exigi o coração da MC. Eu adormeci, não no seu colo, mas em seus braços.

Quando eu acordei, estava tão confortável e pacífico. E de alguma forma tão errado.

(Eu deveria apenas ter ficado longe dela. Eu planejava fazer isso. Mas agora olhe pra nós.)

MC: “Sua vez. Por que você me olha desse jeito?”

(Eu não posso responder essa pergunta.)

MC: “Você costumava rir e me provocar. Nada do que eu dizia te incomodava.”

(E tudo que eu dizia te incomodava. Por que agora não?)

Nobunaga: “Eu não sei do que você está falando.”

Não havia razão para discutir isso mais além. Eu me ergui apoiado em um joelho, deixando-a para trás quando me levantei.

MC: “Então esqueça isso.”

Havia tristeza na voz da MC. Ela se levantou também.

(O motivo de eu te olhar dessa maneira é porque eu te quero.)

(Mas é não tão simples. Não é mais uma brincadeira ou um jogo de poder, mesmo que tenha começado assim.)

(Eu quero você de uma maneira que eu não posso te ter.)

(Tanto quanto eu a queria fisicamente—ela era bonita e atraente—eu queria ela sorrindo. Eu a queria feliz.)

Mas eu não era capaz de fazer isso acontecer.

(Não tem parte dela que eu possa pegar que a faça feliz. E nada que possa me satisfazer se ela estiver infeliz.)

Pela primeira vez na minha vida, eu não sabia o que eu precisava fazer. E eu ficaria sem tempo antes que eu pudesse descobrir.

(MC está destinada a me deixar.)

Nobunaga: “Quando você vai voltar para sua era?”

MC: “Por que você está perguntando isso agora?”

Nobunaga: “Você me disse antes, que você voltaria quando as circunstâncias fossem adequadas.”

MC encarou o fogo. Sombras dançavam pela sua expressão conturbada.

MC: “Eu tenho um pouco menos de meio mês restante.”

Nobunaga: “Entendo.”

(Em apenas meio mês, ela terá partido.)

MC: “Sabe, nós precisamos ter outro jogo de Go. Eu ainda tenho que te derrotar!”

Nobunaga: “Não, você não vai. Eu terminei.”

MC: “O que quer dizer, você terminou?”

Nobunaga: “Eu quero dizer exatamente isso. A aposta está terminada. Eu me cansei disso.”

(Eu não vou mantê-la aqui por causa da aposta. Não é que eu tenha me cansado disso, eu apenas sei agora que--)

(Tentar tornar o prazer uma ferramenta para te fazer ser minha estava errado. Tentar te fazer minha ao todo estava errado.)

(Mesmo que eu ainda possa fazer isso, eu não vou.)

(Eu não vou mais tentar ficar entre a MC e a vida que ela deseja ter.)

(Se ela não for livre, eu ficaria em sofrimento.)

Meu coração ardia enquanto eu olhava para o fogo—

MC: “Vem aqui. Você não está se sentindo bem, não é?”

Nobunaga: “Que?”

MC: “Você adora provocar as pessoas. De jeito nenhum que o Nobunaga Oda que eu conheço diria isso.”

(MC--)

MC: “Me perdoe. Você vai achar isso um pouco estranho.”

Nobunaga: “?!”

Estranhamente, ela colocou sua mão na minha testa.

A fogueira cuspia um turbilhão de faíscas. Eu olhei para a MC.

Nobunaga: “O que você está fazendo?”

MC: “Estou checando a sua temperatura.”

Nobunaga: “Por quê?”

MC: “Por que? Porque eu estou preocupada que você possa estar doente.”

MC: “Ou é isso, ou você foi trocado por um impostor quando eu não estava olhando.”

(Eu a ameacei, fiz tudo que eu podia para afastá-la, e ela está preocupada comigo?)

Nobunaga: “Você está verdadeiramente além da minha capacidade de entendimento.”

MC: “Eu estou mesmo?”

Nobunaga: “Não.”

(Essa mulher me derrotou.)

Eu empurrei o sentimento que se movia em meu peito e deu uma risada alta, amargamente.

Nobunaga: “Você me surpreender não é nenhuma novidade. Mas dessa vez—“

Nobunaga: “Eu te empurrei pra baixo, te deixei a minha mercê e ainda assim você está preocupada comigo?”

MC: “O que é tão engraçado?”

Nobunaga: “Uma mulher que se importa comigo e não procura algo em troca.”

Nobunaga: “Eu pensei que você não poderia ser mais tão ingênua.”

Talvez a diferença em nossas eras faz com que seja difícil pra eu aceitar suas opiniões.

MC: “Não é permitido às pessoas se preocuparem com você? Talvez eu devesse mandar um recado para o Hideyoshi!”

Nobunaga: “Eu não vejo motivo para VOCÊ se preocupar comigo.”

MC: “Você quer que eu faça uma lista?”

(Ela tem uma lista?)

MC: “Você salvou minha vida, o que, por 4 vezes até agora?”

MC: “Havia as flechas, o assassino, o veneno!”

MC: “Sim, Ieyasu me contou sobre aquilo! Até Kennyo sabia!”

MC: “E na noite passada. Você correu para me salvar também, de novo!”

Nobunaga: “Aquilo foi....diferente.”

Nobunaga: “Eu não tinha intenção em te salvar.”

Nobunaga: “Eu agi sem pensar.”

(Quando pensei que você podia morrer, eu sabia que eu mesmo morreria se eu não fizesse alguma coisa.)

MC: “Oh, onde foi que eu ouvi isso antes? Está certo, fui eu!”

(Ela não poderia ter agido com os mesmos sentimentos que eu tinha.)

MC: “Sabe Nobunaga, isso pode te surpreender, mas sou feliz quando você está feliz.”

MC: “E quando você está triste, eu estou triste. Então o que eu estou dizendo é que—“

MC: “É escolha minha se eu quiser me preocupar com você!”

A voz da MC estava sufocada.

Seus olhos radiantes estavam brilhando com lágrimas.

Apesar de o seu rosto estar vermelho de raiva, ela parecia misteriosamente linda na dupla luz da lua e do fogo.

(Isso não é bom. Não posso me forçar a parar de te querer.)

(Mesmo sabendo que não existe maneira de satisfazer esse desejo, eu preciso tanto dela que isso está me deixando louco.)

Nobunaga: “MC, eu—“

Nobunaga: “Eu não entendo você.”

(Eu forcei as palavras roucas a saírem da minha garganta. Quando eu terminei de falar—

MC: “Tudo bem. Eu acabei.”

MC virou as costas pra mim e saiu correndo.

Nobunaga: “MC!”

Eu estendi um braço para impedi-la, mas não peguei nada a não ser o ar. Eu fiquei ali, com a mão vazia.

(No que eu estava pensando logo agora? Se eu tivesse a parado, então o que?)

(Mesmo se eu fosse pegar todas as partes do corpo dela, esse tormento não iria acabar.)

(O que é isso que eu quero?)

Minha mão ainda se lembrava da sensação de sua pele. Meu rosto relembrava sua respiração quente. Meu corpo relembrava seu calor.

Existe alguma coisa além de tudo isso. Brilhante como a lua no céu, mas ainda assim inegavelmente uma parte dela.

Quando MC sumiu de vista, eu finalmente percebi o que era.

(Eu sei o que é que eu quero. E o que eu não posso ter.)

(Eu quero o amor dela.)

Nobunaga: “Eu sou um idiota.”

Nobunaga: “Eu tenho esses sentimentos impossíveis por ela.”

Eu não sentia o fogo em minha mão, eu sentia a MC. Seu calor forte e carinhoso.

(O tipo de calor que eu não posso possuir.)

(Não depois das centenas de milhares de vidas que eu tirei.)

(Mesmo se eu puder tê-lo, eu não mereço o amor caloroso da MC.)

Eu não sentia dessa maneira porque eu acreditava em Deus, Buda, ou algum tipo de poder onipotente. Eu sentia no meu coração.

...............

<Lembrança>

Nobunaga: “Eu não tinha intenção em te salvar.”

Nobunaga: “Eu agi sem pensar.”

MC: “Oh, onde foi que eu ouvi isso antes? Está certo, fui eu!”

<Fim da lembrança>

................

Nobunaga: “Ela está errada. Não é igual como quando ela me salvou do incêndio.”

Nobunaga: “O que eu sinto por ela é—“

(...Inegavelmente amor.)

Agora, finalmente, eu tinha um nome para esse sentimento que crescia rapidamente.






**CARTA**


Título: É tarde demais para arrependimentos.

Depois da noite que eu quase te perdi, eu decidi te deixar ir.

Não foi fácil para eu fazer isso. Mesmo assim você pegou todo meu esforço e esmagou em pedaços.

É isso que você quer? Se for, então você me tem. É tarde demais para arrependimentos.

Isso não vai acabar só com um beijo.

Na próxima vez, eu vou ter você por inteiro.

Este será nosso último jogo, MC.

Nobunaga.




Leia Mais ►

OZMAFIA - Caramia (vs. Kyrie) - Parte 15





(Cenário: Sala)

Fuka: “Eu não reparei que você sabia usar uma espada, Sr. Caramia.”

Caramia: “Sim, Kyrie bateu com isso em mim.”

Caramia: “Não, talvez seja menos bater e mais.....apunhalou?”

Fuka: “Huh, ele realmente fez isso?”

Caramia: “Sim. Depois da experiência, Dr. Robin teve algumas palavras bem severas pra mim.”

Caramia: “Veja, Kyrie me forçou a aprender. ‘Como você pode ser o don se você nem mesmo pode lutar com armas de curta distância?’ ele disse.”

Caramia: “Então ele veio até mim com toda a força, balançando uma espada real. Foi horrível. Eu ainda era um completo amador!”

Fuka: “Sr. Kyrie....”

Fuka: “Mas...Sr. Caramia, o que aconteceu com você...”

Caramia: “Bem, se eu tivesse morrido, eu não estaria aqui agora, estaria?”

Caramia: “Felizmente, eu ainda estou em boa saúde. Eu devo ter algumas cicatrizes daquele tempo, mas como você pode ver agora, eu estou saudável como posso ser.”

Fuka: “Oh. Bem, isso é bom...”

Caramia: “Eu imaginei que nunca teria que usar uma espada se eu mantivesse uma arma comigo, mas a prática se provou surpreendentemente útil.”

Caramia: “Eu ainda estou aborrecido com a maneira como ele me ensinou, mas....eu devo á Kyrie por isso. Apesar que...”

Caramia: “...Aquele Caesar realmente tinha coragem. Ele simplesmente continuava avançando e avançando.”

Caramia: “Ele é tão persistente, na verdade é quase admirável.”

Fuka: “Hehe, eu sei o que quer dizer.”

Caramia: “Hey, você sabe que ele estava tentado te matar, certo? Não é nada para dar risada.”

Caramia: “....É o que eu gostaria de dizer, mas....”

Fuka: “Ah.”

Caramia: “Como um membro da família Oz, eu vou te proteger, Fuka.”

Caramia: “Eu quero que você continue sorrindo. Seu rosto feliz nos dá energia.”

Fuka: “S-Senhor Caramia. Por favor, não acaricie tanto minha cabeça. Você vai bagunçar meu cabelo...”

Caramia: “Oh, foi mal.”

Fuka: “Hmph...”


Opções:

- Por favor, não me trate como uma criança.
- Eu posso contar com você? (escolhida) 


Fuka: “Eu posso contar com você, Sr. Caramia?”

Caramia: “Hm?”

Fuka: “Quando você disse que iria me proteger ainda agora.....fez eu me sentir realmente aliviada.”

Fuka: “Á vontade, até. Quando você está comigo, eu não tenho nada a temer.”

Fuka: “Eu já tenho dependido tanto de você, mas....está tudo bem se eu continuar dependendo de você?”

Caramia: “Oh, é claro. Você é mais do que bem-vinda pra isso.”

Caramia: “Eu me sinto á vontade quando você está ao meu lado, afinal de contas.”

Fuka: “Verdade?”

Caramia: “Oh.....eu não quis dizer nada estranho com isso.”

Caramia: “É só que.....eu acho que fico contente por poder manter meus olhos em você....sabe o que estou dizendo?”

Fuka: “Hum...em outras palavras, você quer que nós fiquemos juntos?”

Fuka: “Eu acho que nós dois ficamos mais confortáveis quando estamos próximos um do outro.”

Caramia: “Sim....talvez seja isso.”

Fuka: “Tenho certeza que é!”





(Cenário: Escritório)

Caramia: “....É meu dever como don dessa família, certo?”

Kyrie: “O que é?”

Caramia: “Ah....eu só estava falando comigo mesmo. Não se preocupe com isso.”

Kyrie: “Oh, mas eu estou preocupado com isso. Fale.”

Caramia: “Haaa...eu devo estar com a corda no pescoço se estou te perguntando isso.”

Caramia: “Hum, bem, é sobre a signorina.”

Caramia: “Eu quero protegê-la porque eu sou o don dessa família, certo?”

Kyrie: “Verdade. Você declarou que ela estava sob sua proteção durante a reunião.”

Kyrie: “Nós seríamos motivos de riso das outras famílias se você não seguisse a sua declaração.”

Kyrie: “Então, você pretende voltar atrás?”

Caramia: “Não, claro que não.”

Kyrie: “Então por que você está se preocupando?”

Caramia: “Bem—“

Kyrie: “Eu sei. É amor.”

Caramia: “Huh?”

Kyrie: “Amor.”

Caramia: “D-Do que você está falando?”

Kyrie: “Eu estou dizendo que você, meu leão idiota, está apaixonado pela Srta. Fuka.”

Caramia: “Mas....”

Kyrie: “Você não acha que é possível?”

Kyrie: “Pelos meus conhecimentos, vocês dois tem passado muito tempo juntos. Você fala sobre ela freqüentemente quando ela não está por perto.”

Kyrie: “Qualquer hora que alguma coisa acontece, é sempre signorina isto, signorina aquilo.....Eu pensei que fosse algum tipo de tática para me dar algum tipo de neurose sobre ela.”

Kyrie: “Porém, eu entendi. Você está apaixonado por ela.”

Caramia: “.....Você não tem que decidir isso.”

Kyrie: “Você pode refutar minha hipótese então?”

Caramia: “....Eu não sei.”

Kyrie: “Se apaixonar por ela? Que mau gosto você tem.”

Caramia: “Mau gosto? Qualquer um pensaria que ela é adorável!”

Kyrie: “Vê? Você está apaixonado por ela.”

Caramia: “Ngh...não coloque palavras na minha boca.”

Kyrie: “Então não deixe ela aberta.”





(Cenário: Lojas)

Kyrie: “Oh, se não é a Srta. Fuka.”

Fuka: “Sr. Kyrie, Axel.”

Era só outro dia, com as pessoas cuidando de seus assuntos pela rua principal.

O cabelo de Fuka voou quando ela se virou para olhar Kyrie e Axel.

Kyrie estava claramente bem aliviado ao lado de Axel, que estava carregando uma sacola grande.

Kyrie: “O que você está fazendo aqui? Está perdida?”

Fuka: “Oh não, estou só dando uma volta. E vocês dois?”

Axel: “....Comprando.”

Fuka: “Oh, verdade? Vocês parecem estar se dando bem.”

Axel: “Absolutamente não.”

Kyrie: “De fato. Por favor, não diga algo tão perturbador.”

Fuka: “D-Desculpa.”

Fuka: “Mas se vocês estão fazendo compras juntos....”

Axel: “Eu só estou carregando as coisas dele porque sou seu subordinado.”

Kyrie: “Como ele disse, Axel só está agindo como meu carrinho de compras.”

Axel: “....Por que você não pôde simplesmente trazer um desses ao invés disso?”

Kyrie: “Porque eu não quis. Eu não gosto de sujar minhas próprias mãos. Eu odeio pensar nisso tanto quanto empurrar um carrinho.”

Axel: “...Ugh.”

Kyrie: “Já sei. Por que não dá uma volta comigo como se não tivesse nada pra fazer, Srta. Fuka?”

Fuka: “Tem certeza?”

Kyrie: “É claro. Se nada mais, você certamente terá uma conversa mais estimulante do que Axel.”


Opções:

- Por que nós três não conversamos?
- Eu vou me juntar a você.
- E o Sr. Caramia... (escolhida) 


Fuka: “E o Sr. Caramia?”

Axel: “...Você precisa de alguma coisa com o don?”

Fuka: “Oh não, eu só pensei que seria legal se o Sr. Caramia estivesse aqui também.”

Kyrie: “Por que você pensa isso?”

Fuka: “Nenhuma razão especial. Eu só imagino que quanto mais melhor, certo?”

Kyrie: “Entendo. Tenho certeza que Caramia iria chorar de alegria se ele ouvisse isso.”

Kyrie: “Mas, infelizmente, ele está se ocupando com documentos no seu escritório agora.”

Kyrie: “Lamento profundamente. Você terá que fazer isso comigo.”





(Cenário: Sala de reunião)

Fuka: “Essa não é...”

O passeio deles acabou no território da família Boots. Fuka congelou em seus passos, mas Kyrie andou direto por ela sem um traço de preocupação e entrou.

Kyrie: “A sala de reunião....faz um bom tempo desde a última vez que vim aqui com você.”

Fuka: “Faz mesmo....”

Fuka: (Talvez eu devesse dizer algo como, ‘Isso realmente me traz de volta’...)

A primeira vez que ela foi trazida ali foi logo após ela ter acordado na cidade.

Naquela época, ela mal sabia que seria apresentada aos mafiosos. Ela tocou a mesa, se relembrando de como ela nervosa.

Pashet: “...Oh, você está de volta?”

Kyrie: “Srta. Pashet.”

Pashet: “Hmph, é estranho vê-lo aqui, Kyrie.”

Kyrie: “Bem, há um tempo para tudo.”

Pashet repetiu pra si mesma as últimas palavras da resposta de Kyrie antes de olhar para Fuka.

Pashet: “...? Então você arrastou Fuka junto com você?”

Kyrie: “De fato. Nós só pensamos em passar um tempo enquanto estávamos fazendo compras.”

Scarlet: “Você não poderia ao menos expressar isso de outra maneira? Essa é uma reunião importante.”

Kyrie: “Essas reuniões não são só para prosseguir com as coisas que já foram resolvidas? Eu não acho esses assuntos particularmente importante.”

Pashet: “Oh, mas é. Este é o maior festival do ano.”

Pashet: “Fuka, me desculpa, mas você se importaria de sair da sala?”

Fuka: “Sr. Kyrie....”

Kyrie: “Minhas desculpas, mas essa senhorita orelhas-de-gato, como Caramia à chama, é muito teimosa.”

Kyrie: “Axel, você poderia ir com Fuka?”

Axel: “Entendido.”





(Cenário: Muros do castelo)

Fuka: “....Eu me pergunto sobre o que eles estão falando lá dentro.”

Axel: “Curiosa?”

Fuka: “Sim, um pouco.”

Fuka: “Oh, mas você não precisa me dizer se não quiser.”

Axel: “....Não é grande coisa. Eu concordo com Kyrie. Eu realmente não acho que essa reunião é particularmente importante.”

Axel: “Eles estão discutindo o festival.”

Fuka: “Festival....nós já não tivemos isso?”

Axel: “Aquele foi um festival organizado pela família Oz. Este um é um grande evento anual organizado por todas as famílias juntas.”

Axel: “É chamado de ‘Encontro da Chuva de Meteoros’. Na noite do festival, o céu se enche de estrelas cadentes.”

Fuka: “Estrelas cadentes?”Isso deve ser lindo.”

Axel: “Contanto que não esteja nublado.”

Fuka: “Alguma vez fica nublado?”

Axel: “Claro. Não é como se sempre estivesse limpo. Mas mesmo assim...pelo que eu sei, nunca houve um ano em que não pudéssemos ver as estrelas cadentes.”

Axel: “Tenho certeza que seremos capazes de vê-las.”

Fuka: “Oh, mal posso esperar....”

Fuka: “Mas eu sinto como se todos esses festivais fossem fazer minha cabeça girar....”

Axel: “Bem, você só tem que tomar cuidado pra não ficar muito tonta.”

Fuka: “Eu vou.”

Fuka: “As famílias da máfia devem conviver muito bem se eles estão organizando um festival juntos, certo?”

Kyrie: “Por favor, não diga coisas tão desagradáveis.”

Kyrie saiu do castelo da família Boots com passos suaves.

‘É só que não parece certo ao menos que todos não estejam se dando bem’, ele sorriu.

Fuka: “Sr. Kyrie.”

Axel: “Já terminou?”

Kyrie: “Sim. Que reunião engraçada....não que haja realmente uma reunião que não seja engraçada em primeiro lugar.”



**Tela de seleção : Caramia**



Continua na parte 16 🙋


Leia Mais ►