quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Masamune Date - Capítulo 5 (Atualizado)



 Ao final desse capítulo você encontra a tradução das partes de 1 a 5 narradas pelo ponto de vista dele. ✩ 



❖ Parte 1 


Masamune: “Eu quero saber mais sobre você também.”

As palavras do Masamune tinham novamente aquele estranho, atraente, poder nelas.

Masamune: “As coisas que você diz realmente me abalam. Eu não sei de onde vem suas idéias, ou como elas fazem sentido pra você.”

Masamune: “Mas quando ameacei quebrá-las, você começou a chorar. E eu prefiro te ver feliz do que chorando.”

Masamune tocou meu rosto gentilmente.

(Masamune.)

Ele olhou para mim, e alguma coisa no azul de seus olhos mexeu com meu coração. Então ele sorriu.

Masamune: “Se você não estiver sorrindo, é difícil te beijar.”

MC: “Que?!”

MC: “Você beijaria a mesma garota que ameaçou matar?”

Masamune: “Isso é estranho?”

MC: “Sim, é estranho! Eu não tentaria te beijar depois de ter tentado te matar!”

Espantada, eu tirei as mãos do Masamune da minha bochecha.

Masamune: “Isso não é estranho pra mim de maneira de nenhuma. É uma realidade da minha vida.”

Masamune voltou minhas mãos para as dele, envolvendo seus dedos calorosos ao redor dos meus.

Masamune: “Acho que nós realmente precisamos nos entender melhor.”

Ele levou minhas mãos aos seus lábios e a beijou, passando seu lábio inferior por baixo dos meus dedos por um segundo, sorrindo.

(Você não vai aprender sobre mim tentando me tirar a informação com um beijo. Não importa o quão bom isso seja.)

Masamune: “Acabei de ter uma idéia. MC, você está livre essa noite?”

MC: “Isso depende.”

Masamune: “É uma oportunidade para me conhecer.”

MC: “Eu só quero saber pelo que você está lutando.”

Masamune: “Se você quer uma resposta agora, eu só posso dizer que eu permaneço sendo eu mesmo.”

Masamune: “Se você quiser a resposta mais longa, então venha me ver essa noite.”

Masamune: “Eu vou te mostrar com ações, não com palavras.”

(NT: ( ͡° ͜ʖ ͡°))

(Se comunicar com ações não foi o que nos trouxe até aqui? Isso não significa que eu não vou, no entanto.)

Masamune: “Quando o sol se pôr, vá até a casa do Hideyoshi. Eu estarei no quarto do Mitsunari.”

MC: “Você quer se encontrar no quarto do Mitsunari? Por que?”

Masamune: “Boa pergunta.”

Masamune riu baixo e melodiosamente.

Masamune: “Acho que você vai ter que ir se quiser descobrir!”

....................

(Vamos ver se a curiosidade realmente matou o gato!)

Naquela noite, eu fui até a mansão do Hideyoshi.

(Logo agora, eu estou mais curiosa do porque Masamune escolheu esse lugar para se encontrar.)

Um vassalo do Hideyoshi me direcionou até o quarto do Mitsunari. Não ouvindo nenhum som, eu abri a porta e entrei.

MC: “Com licença.”

(Wow. É como se uma tempestade atingisse uma biblioteca!)

Mitsunari e Mitsuhide estavam sentados no meio do caos de cartas, mapas e livros.

Mitsuhide: “Ela realmente veio. Mitsunari, você tem visitas.”

Mitsunari: “Eu tenho o que? Oh! MC. É legal de sua parte ter vindo.”

Mitsunari olhou com surpresa do livro que ele estava lendo.

MC: “Boa noite. Então, Masamune me convidou, ele—“

Mitsunari: “Sim, ele nos avisou que você se juntaria a nós para o jantar.”

MC: “Para o jantar? É disso que se trata?”

Eu me virei quando a porta atrás de mim se abriu.

Masamune: “Você veio. Que moça boazinha.”

*Cap. 5 – (parte 1/10) completo*




❖ Parte 2 



Masamune: “Você veio. Que moça boazinha.”

Logo que ele entrou no quarto, Masamune acariciou meu cabelo carinhosamente.

MC: “Então, o que é isso sobre jantar?”

Mitsuhide: “Masamune é bem insistente sobre Mitsunari e eu termos a quantidade adequada de comida.”

Mitsuhide: “Ele faz isso o tempo todo. Essa noite, ele nos avisou que você viria também.”

Masamune: “Mitsuhide explicou. De qualquer forma, eu poderia usar sua ajuda na cozinha.”

MC: “Estou honrada por você pensar que posso ser de alguma ajuda!”

Masamune foi em direção a cozinha e eu mais uma vez percebi que estava seguindo ele.

(Ele deveria ter simplesmente me falado que nós iríamos jantar. Minha mente viajou para alguns lugares...interessantes.)

(NT: Quem nunca né?! ( ͡° ͜ʖ ͡°).hauahuua.)

Havia arroz, sopa e algo fervendo que cheirava deliciosamente bom.

(Wow! Essa é uma refeição completamente elaborada que temos aqui!)

Quatro travessas já estavam preparadas com os acompanhamentos, lindamente expostas.

MC: “Você quer que eu te ajude a carregar essas?”

Masamune: “Assim que eu terminar de adicionar os toques finais nos vegetais.”

Masamune ergueu a tampa de uma das panelas para checar o que havia dentro.

Masamune: “Parece bom. Eu diria que está quase pronto.”

(Ele parece um ótimo chef.)

(Masamune realmente sabe se virar na cozinha.)

(NT: Que partidão minha gente! Queria um homem que fizesse janta pra mim tb...)

MC: “Você faz tudo isso de comida? Para aqueles dois?”

Masamune: “Sim. Nossos dois Mitsus vão morrer de fome se você deixar.”

Masamune: “Eles também não viram nenhuma luz do sol desde que recebemos a notícia de que Uesugi e Takeda estão se movendo.”

(Fazendo aqueles mantimentos e cozinhar para os ‘Mitsus’, estou achando que o Masamune realmente gosta de alimentar as pessoas.)

Eu estava impressionada. Masamune pegou uma cesta de ervilhas e começou a descascá-las, seu toque final.

MC: “É bem legal de sua parte fazer isso para os dois.”

Masamune: “Legal? Eu não vejo dessa forma.”

Masamune: “Você precisa comer para sobreviver. Aqueles dois não percebem como isso é importante.”

Masamune: “Eu percebi que se eu desse para eles algumas boas refeições, eles começariam a apreciar mais o processo.”


Opções:

1 - “Sim, ‘Mãe’. (escolhida)
2 - “Você se preocupa.”
3 - “Ainda assim é legal.”


MC: “Sim, ‘Mãe’.”

Masamune: “Eu nunca criaria meus filhos para ser mal como aqueles dois!”

Masamune fazendo cara feia, como se considerasse seriamente isso, me fez rir.

MC: “Então, você é um verdadeiro cozinheiro. O que te fez começar?”

Masamune: “Hmm? Você quer saber isso?”

Masamune: “Eu acho que é porque eu gosto de cortar coisas.”

Masamune jogou a faca de cozinha pro ar e a pegou com um sorriso.

MC: “Uh—“

Ao ver minha reação chocada, ele caiu na risada.

Masamune: “Estou brincando!”

MC: “Masamune, suas brincadeiras são sempre sombrias.”

Masamune: “Bem, de certa forma, eu não estava mentindo.”

Masamune, felizmente, colocou a faca de volta na tábua de corte.

Ele colocou as ervilhas na fervura. Com um par de hashis, ele tirou um cogumelo da sopa.

Masamune: “Aqui. Experimente.”

MC: “Está bem.”

Eu abri a boca e Masamune colocou o cogumelo dentro dela.

O sabor apetitoso fluía pela minha língua.

(Hmm!)

MC: “Isso é muito bom!”

Masamune: “Aí está.”

Meu coração disparou com seu sorrido satisfeito.

De repente, eu não podia olhar pra ele, ele era tão lindo. Mas eu também não podia desviar o olhar.

(Eu continuo me esquecendo que o Masamune tem esse lado bem doce.)

Ele olhou pra mim, seu olho cheio de carinho.

Masamune: “Quando você come alguma coisa boa, faz você se sentir bem, não é?”

MC: “É.”

Masamune: “Foi por isso que eu aprendi a cozinhar.”

Masamune: “E é por isso que eu luto.”

MC: “Eu não sei se vi alguma conexão.”

Masamune: “Meu objetivo na vida é criar um país onde todos prosperem e possam ter boa comida onde eles precisarem.”

Masamune: “Eu peguei esse objetivo, e a liderança do clã Date, do meu pai.”

Masamune: “Se eu puder garantir que um país como esse exista, vale a pena qualquer sacrifício pra mim.”

(A razão pela qual minha época é tão pacífica deve ser graças a pessoas como o Masamune.)

Masamune: “Ok, agora terminamos! Vamos levar isso pra fora.”

Masamune: “Eu aposto que nenhum deles deve ter comido nada desde manhã. Vamos.”

*Cap. 5 – parte (2/10) completa*




❖ Parte 3 


Masamune: “Mitsunari, sua comida está esperando ali. Hora de deixar esse livro.”

Mitsunari: “....Que? Tem comida? Me desculpa, eu fiquei distraído e esqueci.”

MC: “Mitsuhide, porque você está despejando tudo na mesma tigela?”

Mitsuhide: “Parece ser a maneira mais rápida de comer.”

MC: “Mas você está esmagando tudo junto.”

Mitsuhide: “É desse jeito que isso vai ficar no seu estômago.”

MC: “Que desperdício de todos esses ótimos sabores.”

Masamune: “Diz pra ele, moça!”

(Eu posso entender porque o Masamune sentiu a necessidade de ajudar os dois.)

Jantar com os lordes guerreiros foi uma experiência curiosa, mas divertida, e a comida estava deliciosa.

(Masamune estava certo no entanto. Isso ajudou a colocar seus ideais em perspectiva.)

(É difícil enxergar como cada batalha individual contribui para tornar o país melhor para todos.)

(Mas ao observar todos comendo, eu definitivamente vi onde está seu objetivo final.)

Mitsuhide: “Toda essa reclamação e você mesma não está comendo muito, MC.”

MC: “Oh. Desculpe. Fiquei distraída.”

Eu continuei a comer minha deliciosa comida e me virei em direção ao Masamune.

MC: “Esses vegetais estão ótimos. Você deve ter adicionado algo mais além das ervilhas pra ter conseguido esse sabor.”

Masamune: “Uh-Huh.”

MC: “Talvez você possa me ensinar como fazer isso?”

Masamune: “Mmm.”

(Tem alguma coisa errada.)

Masamune estava positivamente monossilábico.

MC: “Masamune, você está bem?”

Masamune: “Huh?”

(Ele estava normal a um segundo atrás.)

(Agora ele parece pronto pra tombar. Espera, ele está--)

MC: “Você está bêbado?”

Mitsuhide: “Correto.”

Mitsuhide: “Masamune prefere água ao Sakê. E minha preferência é trocar a água dele por sakê.”

MC: “Que?”

Mitsuhide pegou um copo idêntico ao do Masamune, presumidamente o que estava com a água do Masamune, e engoliu todo ele.

Ao lado, Mitsunari havia voltado ao seu livro.

Mitsuhide: “Você não pensaria isso, olhando para essa cara robusta, mas o homem tem tolerância zero para o álcool.”

Mitsuhide: “Mesmo um gole transforma ele em, bem, como você pode ver.”

MC: “Só um gole?!”

Mitsuhide: “Não é divertido?”

(Bem, eu nunca vi ninguém reagir tão rápido ao álcool, isso com certeza.)

MC: “Você não acha que esse é um truque malvado para fazer com ele?”

Mitsuhide: “É pra você, na verdade. Masamune insiste em apresentar essa imagem legal e inabalável dele mesmo. Ele detesta mostrar fraqueza.”

MC: “Eu também não gostaria de mostrar fraqueza perto de você, Mitsuhide.”

(Masamune vai ficar bem?)

Eu me movi na frente dele para verificar. Ele estava balançando, seus olhos sem foco.

MC: “Ele não tem falado nada há um tempo. Ele não desmaiou, não é?”

Mitsuhide: “Vamos descobrir, que tal?”

Mitsuhide se levantou e andou para trás do Masamune e deu um tapinha nas costas dele.

(Q-Que?!)

Masamune tombou bem em cima de mim.

MC: “Hey, espera, argth, Masamune! Sai de cima! MITSUHIDE!!”

Todo o peso de um enorme homem bêbado não era algo que eu estava pronta pra suportar.

Eu caí de costas no tatami, Masamune em cima de mim.

Masamune: “Nnmm.”

MC: “Masamune. Levanta!”

Masamune: “Alto.”

(Bem, isso não é uma bela bagunça?)

A respiração doce do Masamune estava quente em meu pescoço. Estava me fazendo ficar quente também.

Mitsuhide: “Você é tão fraco Masamune. Literalmente.”

MC: “Mitsuhide, você fez isso com ele, você ajuda a tirar ele daqui!”

Mitsuhide: “Me desculpe. Todas essas refeições que eu esqueci de fazer roubaram minhas forças. Eu não posso levantar ele.”

MC: “Você é o pior!”

Mitsuhide: “Mitsunari? Estamos saindo. Você pode terminar seu livro na minha casa.”

Mitsunari: “Hmm? Está bem. Certo.”

Mitsunari: “Oh meu deus! MC e Masamune estão bem?”

(Você só percebeu agora?!)

Mas eu não podia culpá-lo. Eu tinha problemas maiores pra tomar conta.

Mitsuhide: “Tenha uma noite agradável, MC. Vamos, Mitsunari.”

(NT: Mitsuhide é um fdp, mas eu amo ele. Hauhauua 😆)

Mitsunari: “Hm, MC, acho que eu tenho que ir. Não se preocupe com o local.”

MC: “Qual é, gente. Voltem! Meninos!”

*Cap. 5 – parte (3/10) completa*




❖ Parte 4 


Enquanto o corpo quase sem consciência do Masamune estava pregado no chão, Mitsuhide e Mitsunari saíram.

(Ótimo. O que eu faço com o Masamune agora?)

Masamune: “Cchalaa a boca...gritaria barulhenta....coisa...” 

MC: “Ah, cala a boca você.”

Masamune: “Sonolento...quero desc—“

MC: “Não! Você absolutamente não pode dormir desse jeito! Levanta!”

A cabeça dele estava repousando na curva do meu ombro. Cada respiração dele me arrepiava.

(Se eu só pudesse sair de baixo dele, Eu posso rolar ele até uma cama.)

MC: “Vamos, Masamune. Vamos levar você até um futon de verdade onde você possa dormir.”

Masamune: “Aqui está um futon. Ótimo futon!”

MC: “Eu não sou um futon!”

Dobrando meus joelhos, eu me empurrei levantando o Masamune junto comigo.

Masamune: “Ohh...tonto.”

O cabelo do Masamune estava levemente despenteado. Seu corpo firme, com cicatrizes, se mostrava um pouco através do seu kimono desarrumado.

Seu olho era caloroso, mesmo sem foco, e suas bochechas estavam vermelhas.

(Como você pode parecer adorável e sexy ao mesmo tempo?)

MC: “Vem, por aqui, Masamune.”

Eu peguei a mão dele e o acompanhei até um futon cuidadosamente preparado.

(Esse deve ser o futon do Mitsunari. Desculpa Mitsunari. Estou pegando ele emprestado.)

Eu puxei a coberta e coloquei o Masamune no colchão.

MC: “Você quer água?”

Masamune: “Huh?.....É você, MC?”

MC: “Levou tanto tempo assim pra você perceber? Aqui, deita.”

Masamune envolveu seus braços grandes e quentes ao meu redor.

Masamune: “Vem aqui.”

MC: “Que--!”

Como se eu fosse um ursinho de pelúcia, ele me pegou em seus braços e me puxou para debaixo das cobertas com ele.

MC: “Eu não vou dormir, ainda tenho que limpar a bagunça de todo mundo.”

Masamune: “Mmm. Não, você não vai—“

(Eu gostaria que não tivesse. Isso é na verdade confortável. Oh, o que é que eu estou pensando?! Masamune ainda está bêbado!)

Masamune colocou uma mão suave no meu rosto.

Quando eu usei a oportunidade para escapar do seu outro braço, ele entrelaçou seus dedos nos meus, me segurando mais ainda no seu abraço.

MC: “Você. É. Incorrigível.”

Masamune: “Haha. Lindo rosto—“

(E TÃO bêbado.)

MC: “Masamune, de verdade, você precisa descansar e eu preciso—“

Eu senti seu abraço se afrouxar de repente.

MC: “Masamune?”

Masamune: “Mrmm.”

(Ele dormiu.)

Ele ainda está com os braços ao meu redor, mas ele estava respirando suavemente agora, dormindo.

MC: “Eu não consigo te entender, Masamune.”

Eu olhei para esse homem maravilhoso, que sempre encontra uma maneira de fazer com que meus medos e minha raiva desapareçam.

Eu gentilmente passei minha mão pelas suas madeixas marrom, cada fio liso deslizando pelos meus dedos.

MC: “Você parece tão inocente.”

MC: “Deve ser legal decidir simplesmente jogar fora todas suas preocupações. Fazer o que quiser e quando quiser.”

Eu cutuquei sua bochecha, como ele gostava tanto de fazer comigo. Masamune resmungou como um gatinho e eu ri.

(Isso é injusto.)

(Você me arrastou ao redor da cidade, me assustou pra caramba, me mostrou um mundo belo e assustador--)

(E é injusto que eu não posso usar nada disso contra você.)

(Porque você abriu meu coração para tantas possibilidades, e então você--)

MC: “Ah cara.”

Acariciando sua bochecha macia, eu desviei meu olhar em direção ao teto.

(Masamune, o que eu vou fazer sobre você?)

*Cap. 5 – parte (4/10) completa*




❖ Parte 5 


MC: “Mmm! Eu realmente dormi—Eu dormi?!”

(E também no futon do Mitsunari!)

Já estava brilhante lá fora. Eu me sentei na cama, tirando as cobertas. Ao meu lado—

Masamune: “Mitsuhide, seu espertinho desgraçado, você me pegou de novo.”

MC: “Olá, Masamune.”

Masamune também estava sentado na cama, resmungando,  pressionando o rosto em suas mãos.

MC: “Bom dia, eu acho?”

(Eu nunca vi ele esconder seu rosto antes.)

Masamune: “MC, eu tenho uma coisa muito importante pra dizer.”

Eu avistei seu olho azul entre seus dedos.

MC: “O que foi?”

Masamune: “Esqueça tudo.”

MC: “Tudo?”

Masamune: “Tudo que você viu noite passada. Tudo. Nunca fale disso novamente.”

MC: “Você quer dizer de como você ficou bêbado?”

Masamune: “Eu quero dizer de como eu perdi o controle de mim mesmo. O quão desagradável foi aquilo?”

(Mitsuhide estava certo. Ele se preocupa com a imagem que apresenta às pessoas.)

Masamune ainda estava perturbado. Ele se afastou de mim.

(Ele na verdade está tímido sobre isso. Isso é algo que eu nunca vi nele.)

MC: “Você não precisa ser legal o tempo todo. Eu acho que é melhor se as pessoas souberem que você tem um lado delicado.”

Masamune: “Esse não é o problema.”

Suas palavras saíram em um gemido baixo. A desgraça e tristeza em sua voz eram estranhamente fofas.

(Eu realmente não consigo ficar brava com você, Masamune.)

<Lembrança>

Masamune: “Meu objetivo na vida é criar um país onde todos prosperem e possam ter boa comida onde eles precisarem.”

Masamune: “Eu peguei esse objetivo, e a liderança do clã Date, do meu pai.”

Masamune: “Se eu puder garantir que um país como esse exista, vale a pena qualquer sacrifício pra mim.”

<Fim da Lembrança>

(Eu não posso concordar com ele que para seu objetivo vale a pena qualquer sacrifício.)

(Mas se é isso que ele decidiu, eu não vou dizer para ele que está errado.)

Eu me virei para o Masamune.

MC: “Obrigada por me mostrar sua razão para lutar.”

Masamune: “Hmm? Bem, você realmente parecia querer saber.”

MC: “Ontem, eu disse que você me assustava.”

MC: “Mas você tem um sonho de mudar o país, e grandes sonhos como esse podem ser assustadores.”

(Mesmo que isso não o impeça de se divertir, ele é completamente devotado ao seu sonho.)

(Tudo para que todos possam comer boa comida e viver com alegria. Coisas que são bem mais fáceis no meu tempo.)

MC: “Eu não acho que você seja desagradável de jeito nenhum.”

Masamune: “Mas, não noite passada, quando eu—“

Masamune olhou pra mim, surpreendido. Eu apenas concordei com a cabeça.

Masamune: “Verdade?”

Um sorriso tocou os lábios do Masamune. Ele parecia aliviado.

MC: “Apenas não mate meus amigos. Bem, saiba que se você tentar, eu vou pular na frente de novo.”

MC: “Nada vai me convencer de que está tudo bem matar.”

MC: “E eu não volto atrás nisso.”

Masamune: “Essa maneira de pensar vai matar você.”

MC: “Que seja. É minha convicção.”

(“Mantenha seus princípios”, “Não se arrependa”. Você me disse todas essas coisas, Masamune.)

(Suas palavras me encorajaram quando cheguei aqui.)

MC: “Eu tenho uma sugestão. Na próxima vez que você quiser falar que isso vai me matar, ou que eu não estou enxergando como um todo—“

MC: “Tente me entender. Eu posso cozinhar uma refeição pra você se isso for ajudar.”

Meus olhos se encontraram com seu olhar intenso.

Masamune: “Eu vou tentar.”

Ele suspirou, mas vou seguido de um sorriso.

Masamune: “Me mostre o que faz você ser o que é. E eu vou tentar te entender.”

*Cap. 5 – parte (5/10) completa*


❖ Na próxima parte: (O que eu faço? Eu acho que eu amo isso.)
Por que, quando ele me abraça, meu peito fica tão cheio de borboletas?
“E agora?” Eu olhei em seu olho, minha voz rouca.
Masamune sorriu. “Que tal prometer que não vai correr, e então eu te deixo ir?”




❖ Parte 6 


MC: “Tente me entender. Eu posso cozinhar uma refeição pra você se isso for ajudar.”

Masamune: “Eu vou tentar.”

Ele suspirou, mas foi seguido de um sorriso.

Masamune: “Me mostre o que faz você ser o que é. E eu vou tentar te entender.”

Havia alguma coisa em sua voz suave que fazia meu coração disparar.

MC: “Combinado.”

Masamune: “Estou ansioso para o que você irá me mostrar.”

(Tudo o que ele diz tem esse charme incrível, carismático. Eu poderia engarrafar as palavras dele e bebê-las.)

Eu segui Masamune com os olhos enquanto ele saia das cobertas e se levantava. Meu coração estava batendo acelerado.

(Eu pensei que precisaria aprender o que motivou o Masamune pelo bem de sua própria sobrevivência.)

(Uma vez que eu descobri, já não era mais sobre sobrevivência ou curiosidade.)

(Agora é como se eu não pudesse saber o suficiente sobre ele!)

Masamune: “Vem comigo até minha casa depois do café da manhã.”

MC: “Se você está se oferecendo para fazer o café da manhã, então com certeza!”

Masamune: “Ótimo. Tem uma coisa que eu quero mostrar pra você.”

MC: “Mal posso esperar pra ver o que é!”

..................

MC: “Masamune, isso é—“

Masamune me acompanhou pela sua mansão até o seu quarto. Quando eu cheguei lá, meu coração parou.

MC: “Esse é meu vestido. Como?”

Eu fui recebida por um longo vestido em cores vívidas de azul e branco. Era como se meu desenho criasse vida e saísse da pagina.

(Alguns elementos são diferentes. A renda havia sido substituída por pura seda, e as pedras por bordado.)

Masamune: “Aquele desenho seu que eu peguei na primeira noite? Eu usei para criar isso.”

(É incrivelmente fiel ao que eu desenhei.)

(Até mesmo eu não havia pensado que poderia fazê-lo com as ferramentas e técnicas dessa era.)

(E eu não havia nem mesmo criado um modelo ainda! Masamune conseguiu com apenas um desenho!)

MC: “Você realmente fez isso? Apenas com meu desenho?”

Masamune: “Bem, você me disse que era um desenho usado para fazer roupas, certo?”

MC: “Sim, mas—“

Masamune: “Você parecia tão inspirada enquanto desenhava.”

Masamune: “Eu queria saber como você ficaria quando um deles fosse terminado.”

(Era isso o que o Masamune estava pensando quando ele roubou meu design?)

Masamune: “Quando eu expliquei a ideia para as costureiras, elas ficaram bem empolgadas.”

Eu andei ao redor do vestido mais uma vez, admirando a costura e a harmonia de cores.

(Isso é simplesmente incrível! Eu não acho que conseguiria algo assim em casa.)

MC: “Eu preciso pensar em quem vai vestir isso.”

Masamune: “Você não vai vesti-lo?”

MC: “Oh, meu deus, não! Eu não faço roupas para eu mesma.”

MC: “Eu amo desenhar roupas para outras pessoas. Eu amo como isso ajuda elas a se verem como pessoas bonitas.”

MC: “Eu fiz meu primeiro vestido para uma amiga vestir. Desde então, eu sabia que era isso que eu queria fazer.”

Visualizar a pessoa, e como ela irá ficar em minhas roupas, é isso o que me leva a desenhar.

Masamune: “Essa não era a reação que eu imaginava.”

MC: “Verdade?”

Eu me virei e encontrei o olhar intenso do Masamune.

MC: “O que você esperava?”

Masamune: “Eu esperava uma daquelas carinhas felizes de gatinho, que você faz de vez em quando. Como o Shogetsu faz quando eu acaricio a barriga dele.”

Masamune: “Mas eu não posso reclamar. Afinal de contas, você ainda está sorrindo lindamente.”

(Masamune--)

Eu estava encarando seu olho azul oceano, incapaz de desviar meu olhar.

A mão dele deslizou por trás do meu pescoço, e me puxou em direção a ele.

(Estou tão feliz que poderia beijar ele! Eu poderia beijar--)

(Beijo--)

MC: “Beijo! Não! Mau!”

(Eu não posso! Eu não devo!)

Eu coloquei uma mão na minha boca, e a outra mão sobre a do Masamune.

Masamune: “MC?”

*Cap. 5 – parte (6/10) completa*




❖ Parte 7 


Percebendo o que eu queria, percebendo o que eu estava pra fazer, eu coloquei minha mão na boca do Masamune.

Masamune: “Mmrh?”

MC: “Obrigada. De verdade. Obrigada.”

Ele pegou meu pulso e tirou minha mão da boca dele.

Masamune: “O que você está fazendo?”

MC: “Nada! Nada mesmo!’

(Nós íamos nos beijar, assim como no lago. Estava tudo perfeito. Só que não.)

(Porque, uh, porque essa seria a segunda vez. Não que tenha um número de vezes que seja necessário!)

(Número de vezes necessário pra que? O que eu estou pensando?!)

Masamune: “Você me deixou curioso.”

MC: “Sim, bem, claro! Eu posso explicar.”

Masamune me puxou para perto, mas eu me afastei. Ele tentou de novo, e eu recuei do seu abraço novamente. Nós dançamos dessa maneira por um minuto.

(Quer dizer, nos beijamos, dormimos na mesma cama, AH, não desse jeito!)

(Eu vou voltar pra casa logo, fazer roupas de verdade!)

Masamune: “Você está fugindo de mim?”

(Oh, essa é uma ótima idéia! Fugir!)

O fogo no meu coração se acendeu como se tivessem colocado gasolina nele. O olhar do Masamune brilhou como um gato grande que está de olho na sua presa.

(Se nos beijarmos de novo, alguma coisa vai acontecer comigo. Algo que eu não vou ser capaz de negar por mais tempo.)

Masamune: “Para de fugir.”

MC: "Eu não estou fugindo! Esta sou eu, não estou fugindo!”

Eu afastei os braços do Masamune mais uma vez e saí correndo da sua mansão o mais rápido que meus pés poderiam me levar.

Masamune: “Você está absolutamente fugindo! Volta aqui!”

Masamune: “MC! Espera!”

MC: “Oh, qual é, por que você está me perseguindo?!”

Masamune: “Por que você está correndo de mim!”

Eu corri através da multidão confusa, me movendo pelas ruas cheias de Azuchi.

(Só porque eu decidi que não odeio o Masamune, e que não tenho medo dele, e que ele é gostoso--)

(Não! Quero dizer, sim, ele é gostoso, e um ótimo cozinheiro, e um ótimo beijador!)

(NT: Ou seja, homão da porra. 😆)

(Ele fritou totalmente meu cérebro. Meu cérebro está preenchido do Masamune.)

(Porque eu estou--)

MC: “ Não, não, não, não, NÃO!”

As pessoas provavelmente estavam me encarando. Eu não me importava. Eu estava muito ocupada tentando não trombar com eles durante minha corrida maluca.

Enquanto isso, duas pessoas estavam também no distrito de compras naquele momento—

Hideyoshi: “Aqueles são MC e o Masamune? O que eles estão fazendo?”

Mitsunari: “Eu acho que eles estão brincando de pega-pega.”

Hideyoshi e Mitsunari estavam no costureiro, olhando juntos os tecidos.

Os dois homens olhavam MC e Masamune, sérios.

Mitsunari: “Eu nunca vi gente brincar de pega-pega nessa velocidade.”

Hideyoshi: “O que eles estão pensando? Causando tumulto na ruas desse jeito!”

Hideyoshi: “Hey, vocês dois! Segurança em primeiro lugar!”

MC: “Desculpa Hideyoshi! Eu realmente não posso parar! Tchau!”

Hideyoshi: “Que?”

Masamune: “Hideyoshi, estou pegando isso emprestado!”

Hideyoshi: “Mas que--?! Masamune!”

Sem parar de correr, Masamune agarrou o pedaço de tecido caro que o Hideyoshi estava inspecionando.

Hideyoshi: “O que esses dois pensam que estão fazendo?”

Mitsunari: “Lorde Hideyoshi? Você pretendia comprar aquele tecido?”

Vendedor: “Com licença, senhor, sobre o preço daquele tecido—“

Hideyoshi: “Ugh, eu pago. Você vai me pagar por isso Masamune!”

.................

(Consegui!)

Eu cheguei no jardim do castelo de Azuchi e diminui meu passo para uma caminhada lenta.

MC: “Aaah!

O mundo ao meu redor se tornou um elegante avermelhado com um fio dourado. Eu travei.

(Isso é cetim de seda! Coisa cara e muito linda!)

Eu comecei a jogar ele, mas pensei melhor e ao invés disso o removi gentilmente. Quando fiz isso—

Masamune: “Peguei você!”

MC: “Oh, pelo amor--!”

Masamune me pegou em um abraço animado.

Masamune: “Eu venci.”

*Cap. 5 – parte (7/10) completa*




❖ Parte 8 


Masamune: “Eu venci.”

Masamune encostou sua bochecha contra a minha, seus braços me envolvendo fortemente.

Alguém deve ter substituído minhas veias com lava, eu estava muito quente.


Opções:

1- “Não era uma corrida!”
2- “Pobre tecido!”
3- “Você venceu.” (escolhida)



MC: “Sim, eu corri muito, mas você venceu.”

Masamune: “Essa é uma gatinha boa e honesta.”

Eu prendi a respiração em seus braços. Eu podia sentir sua respiração ofegante e sua risada como se estivessem tocando meu pescoço e meus ombros.

Masamune: “Você corre muito rápido!”

Masamune levantou sua cabeça para olhar em meus olhos.

Eu estava encantada por aquele olhar animado dele.

(O que eu faço? Eu acho que amo isso.)

(Estar tão perto dele. Ter ele olhando pra mim.)

Masamune: “MC? O que foi?”

Ele limpou o suor da minha testa. A palma da sua mão estava levemente fria.

MC: “Nada errado.”

(Quando eu estou com ele, todo momento parece ser o momento certo.)

MC: “Enfim, então, você venceu. E agora?”

Masamune: “Isso depende de você. Você vai parar de correr?”

MC: “Eu amo correr. Eu costumava fazer isso todo fim de semana. Eu gastava meus sapatos de corrida.”

Masamune deslizou a ponta de seus dedos pelo meu rosto. Eu senti despertar um arrepio excitante.

Masamune: “Que tal você prometer não correr agora, e então eu deixo você ir?”

MC: “Se eu não prometer, você vai me manter aqui?”

Masamune: “Bem—“

(Eu sei o que é isso.)

Estreitando seu olho atraentemente, Masamune acariciou meus lábios com seu polegar.

Eu senti como se eu estivesse caindo na dele. Seu toque, seu olhar.

(Não tem mais razão em negar isso por mais tempo.)

Eu não estava mais sentindo os braços dele ao meu redor.

Se eu estava presa, era pelos meus sentimentos.

(Eu estou me apaixonando pelo--)

Logo que a minha mente estava pra dizer o nome dele—

Uma voz apressada ecoou através do jardim.

Empregado: “Lorde Masamune, aí está você!”

(Oh, que?!)

Empregado: “Minhas desculpas! Eu não quis interromper.”

Um empregado estava se ajoelhando no chão de desculpando.

Empregado: “Eu ouvi a voz do Lorde Masamune, e me pediram pra procurar por ele, então—“

Masamune: “Qual é a mensagem?”

Empregado: “Lorde Nobunaga deseja falar com você. Ele tem algumas perguntas.”

Masamune: “Diga a ele que já estou indo.”

Masamune: “De qualquer forma, MC, eu fiz aquele vestido pra você. Vá para minha casa mais tarde e o pegue.”

MC: “Oh, claro.”

Masamune: “Te vejo mais tarde então.”

Masamune pegou o pedaço de tecido da minha mão.

Sem um aceno de adeus ou nada mais, ele partiu.

(E ele se foi como o vento. De novo.)

Eu fiquei parada ali por um tempo, só observando ele ir. Definitivamente ele fez uma saída maravilhosa.

Minha respiração ainda estava irregular por causa da nossa corrida.

MC: “Na verdade eu não prometi pra ele que não iria correr.”

Eu imediatamente senti falta da diversão da nossa brincadeira. Eu sentia falta dele.

(Ele é selvagem. Ele faz tudo o que der vontade, e nada vai parar ele.)

(Ele é um ótimo beijador e ruim pra bebida.)

(Um cozinheiro incrível que só quer que todos vivam uma vida completa, e que planeja fazer o mesmo.)

(Mesmo que ele sempre tente ser legal, ele é realmente fofo quando você pega ele nos momentos certos.)

Eu não podia lutar contra o sorriso no meu rosto.

(E eu acho que acredito quando ele disse que me mataria se fosse necessário.)

(O que é totalmente maluco, por falar nisso! Eu nunca imaginaria me sentir desse jeito por alguém como ele.)

Meus pensamentos sobre o Masamune estavam todos compilados em minha cabeça. E eles destilavam para uma coisa.

(Só há uma maneira de explicar todos esses sentimentos que eu tenho por ele.)

(Eu acho que me apaixonei por você, Masamune Date.)

*Cap. 5 – parte (8/10) completa*




❖ Parte 9 


(Passaram-se 10 dias desde aquele incidente com o Sasuke e o Yukimura.)

Mais guerreiros do Nobunaga tem chegado no castelo de Azuchi, e tem tido conselhos de guerra diariamente.

(Eles fazem parecer como se fossemos pra guerra amanhã, mas está levando mais tempo do que eu pensava.)

Eu decidi levar refrescos para todos no conselho.

MC: “Com licença. Eu trouxe aperitivos.”

Hideyoshi: “Obrigado, MC.”

MC: “O prazer é meu.”

O salão estava lotado. Eu não fui convocada hoje, mas eu duvido que tenha algum lugar pra mim.

Todos pareciam estar reunidos ao redor de um grande mapa, movendo peças e falando sobre movimento de tropas.

Masamune: “MC.”

MC: “Sim?”

Eu parei na porta quando o Masamune me chamou.

Masamune: “Você quer ficar e comer com a gente? Tem lugar aqui.”

MC: “Deixe-me trazer o chá primeiro!”

(Haha. Eu estou nervosa? Por que eu estou nervosa? Apenas diga “Sim!”)

Masamune: “Então, com chá?”

Eu saí da sala e fechei a porta atrás de mim sem responder.

(Eu me sinto como uma colegial tonta que está envergonhada em dizer seus sentimentos para o crush! Eu não sou assim.)

Criada 1: “Você devia ter visto Lorde Masamune!”

(E agora eu acabo de encontrar algumas deliciosas fofoqueiras de colegial?)

No meu caminho para a cozinha para pegar o chá, ou ouvi algumas das funcionárias conversando.

Criada 1: “Ele estava brincando com aquele filhote de tigre la no jardim.”

Criada 2: “Eu vi! Eu vi! Ele tinha um olhar tão doce em seu rosto.”

(Elas viram o Masamune brincar por aí com o Shogetsu, hein?)

(Oh, ótimo. Agora eu gostaria de ter visto!)

(Shogetsu está do tamanho de um gato doméstico grande agora. Perfeito para o Masamune. Eles provavelmente estavam tão fofos juntos.)

Eu parei para ouvir mais.

Criada 3: “Eu vi ele na cozinha ontem. Eles estava fazendo doces, dizendo ‘Todos estão tão melancólicos por causa da guerra!’”

Criada 3: “Eu ouvi que ele deu os doces para seus vassalos!”

Criada 3: “Lorde Masamune é como uma brisa de ar fresco por aqui, é verdade.”

(Isso me lembra aquela surpresa que ele me deixou na casa do Hideyoshi. Ele realmente fez aquilo, ou inventou aquilo, de acordo com o guia de viagem!)

Criada 1: “Eu ouvi que ele subiu até o telhado do castelo para ver a última lua! Lorde Hideyoshi ficou tão bravo com ele!”

Criada 2: “Oh, Lorde Hideyoshi! Eu estava lá! Mas não posso culpar Lorde Masamune.”

Criada 3: “Ele é tão incomum, mas isso faz com que ele se destaque, no bom sentido.”

Eu tive que me tirar de lá se não eu as ouviria por horas.

(Ieyasu e Hideyoshi fez parecer que Masamune era chato, mas parece que algumas pessoas amam isso também.)

(Mas então novamente, Masamune tem um monte de fãs, e elas parecem saber muito sobre ele.)

Eu de repente percebi onde meus pensamentos estavam me levando e os cortei.

Eu sei mais do que ficar com ciúmes de uma conversa casual.

(Mas o próprio Masamune disse que ele beija qualquer um que ele ache fofo, certo?)

(Ele provavelmente até mesmo beijou alguma daquelas garotas.)

(Eu estou me assustando agora. Quem se importa se ele fez isso!)

(De qualquer forma, não é porque eu me apaixonei pelo Masamune que isso nos tornou algo especial. Eu nem mesmo sei se ele tem os mesmos sentimentos que eu.)

(Ou se ele pode.)

(Se eu quiser fazer alguma coisa sobre meus sentimentos por ele, então eu preciso agir, não pensar!)

*Cap. 5 – parte (9/10) completa*




❖ Parte 10 


(Não é porque eu me apaixonei pelo Masamune que isso nos tornou algo especial. Eu nem mesmo sei se ele tem os mesmos sentimentos que eu.)

(Se eu quiser fazer alguma coisa sobre meus sentimentos por ele, então eu preciso agir, não pensar!)

Mas é claro, era mais fácil falar.

MC: “Com licença novamente.”

Quando eu levei o chá recém coado, a primeira pessoa que eu vi foi o Masamune.

Ele estava olhando para o mapa, assim como todo mundo. Mas, como sempre, ele era quem chamava a atenção.

Masamune: “Quanto tempo vai levar para consertar essa ponte?”

Mitsunari: “Vai levar 15 dias, se o clima se mantiver.”

Masamune: “É muito tempo. E vai precisar de muita mão de obra também.”

Masamune: “Por que não tentamos saltar através dela ao invés disso?”

(Parece que eu cheguei durante uma conversa divertida.)

Eu sorri e balancei a cabeça ao plano corajosamente incomum do Masamune.

<Lembrança>

Criada 3: “Ele é tão incomum, mas isso faz com que ele se destaque, no bom sentido.”

<Fim da lembrança>

(Sim, Masamune se destaca com certeza.)

(É difícil tratar ele da mesma maneira agora, sabendo o que eu sei.)

Ieyasu: “O que você está fazendo parada aí?”

A voz do Ieyasu me trouxa de volta pra realidade.

MC: “Desculpe, eu trouxe um pouco de chá.”

Eu passei as xícaras e servi o chá para todos ali.

MC: “Aí está”

Masamune: “Você fez isso?”

MC: “É.”

Masamune: “Cheira delicioso.”

MC: “Obrigada.”

(Eu não posso ter uma conversa com ele se tudo o que eu digo são respostas de uma palavra!)

Nesse ritmo, eu corria o risco de convencer o Masamune que eu não queria ter nada com ele.

(Mas quando eu penso nele beijando qualquer garota fofa ou gato, toda vez que o sentimento o atinge, eu fico sem palavras!)

(Vamos, MC, vamos tentar!)

Mas quando eu olhei para o Masamune, ele estava sério. Minha coragem fugiu.

Hideyoshi: “É um bom chá.”

MC: “Você acha?”

Hideyoshi: “Sim. Eu acho que você tem alguns méritos afinal de contas.”

MC: “Alguns? Parece que alguém quer que alguma coisa ruim aconteça com a próxima carta que ele entregar, não é mesmo?”

Provocando, eu soltei minhas frustrações no Hideyoshi.

(Huh?)

Uma mão quente apertou a minha. Era Masamune. Ele se levantou.

Masamune: “MC.”

MC: “Masamune?”

(Agora eu REALMENTE não sei o que dizer.)

Masamune: “Hideyoshi, teste aquela coisa de saltar a ponte por mim.”

Hideyoshi: “Que?”

Masamune: “MC, vem comigo.”

MC: “Okay. Sim, vamos a algum lugar!”

(Eu posso lidar com isso, eu acho.)

Eu segui Masamune para fora da sala de audiência.

Hideyoshi: “Alguma coisa sobre aqueles dois mudou recentemente. Eu me pergunto o que causou isso?”

A pergunta de Hideyoshi não foi direcionada a ninguém em particular.

Mitsuhide: “Quem sabe. Alguns homens mudam com o vento. Para outros, tudo que precisa é um copo de água.”

Mitsuhide escondeu seu sorriso por trás de uma xícara de chá.

...............................

MC: “Masamune, está tudo bem pra você simplesmente sair do conselho de guerra desse jeito?”

Masamune: “Nós estamos dando uma pausa. Além disso, você é mais importante.”

(Eu sou? Essas palavras são perigosas, sabe.)

Meu coração estava flutuando, mas essa é a oportunidade que eu estava procurando.

MC: “Bem, já que estamos aqui, tem uma coisa que eu estive pensando.”

Masamune pegou meu rosto em suas mãos e se aproximou de mim. Ele me olhou com uma intensidade de tirar o fôlego.

Masamune: “Eu vou ouvir. Apenas me conte.”


*Capítulo 5 completo*


❖ No próximo capítulo: Eu sabia que o Masamune não podia sentir o mesmo que eu sentia por ele. Mas isso não impediu meus sentimentos de crescerem...
Enquanto isso, as forças de Oda estavam se preparando para uma missão secreta. Todos estavam tensos. Mas a mudança repentina do Masamune foi chocante!
“Se você ficar tão indefesa, eu vou te devorar por inteiro.”




● Capítulo 5 (partes 1 a 5)- Pelo ponto de vista dele ●

(ATENÇÃO: Você só consegue ler o ponto de vista dele no jogo se estiver fazendo a rota do Masamune pela segunda vez e escolhido a opção de ler a rota pelo ponto de vista dele (conforme a figura abaixo).
(Isso só é possível nas partes de 1 a 5, a partir da parte 6, a história volta a ser narrada pela MC.)








❖ Parte1 


Masamune: “Eu quero saber mais sobre você também.”

Masamune: “As coisas que você diz realmente me abalam. Eu não sei de onde vem suas idéias, ou como elas fazem sentido pra você.”

Masamune: “Mas quando ameacei quebrá-las, você começou a chorar. E eu prefiro te ver feliz do que chorando.”

Eu gentilmente toquei o rosto da MC.

(Tem uma coisa que eu quero saber. Espera, são duas coisas.)

(O que te faz sorrir?)

(E por que o seu sorriso é tão bonito?)

Eu vi em seus olhos que ela não iria mais evitar meu toque.

Pra mim, isso era o suficiente.

Masamune: “Se você não estiver sorrindo, é difícil te beijar.”

MC: “Que?!”

MC contraiu seus lábios em reclamação.

(Com um olhar desse, eu vou ter que guardar o nosso próximo beijo até ela estiver sorrindo de novo.)

MC: “Você beijaria a mesma garota que ameaçou matar?”

Masamune: “Isso é estranho?”

MC: “Sim, é estranho! Eu não tentaria te beijar depois de ter tentado te matar!”

MC tirou minha mão do rosto dela, me olhando como se tivesse crescido pelos e rabo em mim.

Masamune: “Isso não é estranho pra mim de maneira de nenhuma. É uma realidade da minha vida.”

(Você nunca sabe quando a vida vai terminar.)

(Porque nós podemos ser inimigos amanhã. Isso faz com que aproveitar o momento seja o mais importante.)

Eu peguei suas mãos na minha e as trouxe para meus lábios.

Eu beijei as costas da mão dela calorosamente e gentilmente.

Masamune: “Acho que nós realmente precisamos nos entender melhor.”

Eu passei meus lábios pela ponta do seu dedo indicador, onde sua unha se encontrava com sua pela macia.

Masamune: “Acabei de ter uma idéia. MC, você está livre essa noite?”

MC: “Isso depende.”

Masamune: “É uma oportunidade para me conhecer.”

MC: “Eu só quero saber pelo que você está lutando.”

Masamune: “Se você quer uma resposta agora, eu só posso dizer que eu permaneço sendo eu mesmo.”

Masamune: “Se você quiser a resposta mais longa, então venha me ver essa noite.”

Masamune: “Eu vou te mostrar com ações, não com palavras.”

Os olhos da MC brilharam adoravelmente com minha insinuação.

(Eu pensei que isso fosse chamar a atenção dela.)

(Eu poderia simplesmente dizer a ela sobre o jantar, mas ver o que ela faz depois disso deve ser um pouco mais divertido.)

Masamune: “Quando o sol se pôr, vá até a casa do Hideyoshi. Eu estarei no quarto do Mitsunari.”

MC: “Você quer se encontrar no quarto do Mitsunari? Por que?”

Masamune: “Boa pergunta.”

Eu sorri, com a intenção de manter o mistério.

Masamune: “Acho que você vai ter que ir se quiser descobrir!”

......................

Masamune: “Todos os acompanhamentos estão prontos.”

Eu tomei emprestada a cozinha do Hideyoshi. Depois de arrumar os acompanhamentos nas bandejas, eu chequei a sopa, satisfeito.

(Eu queria que tudo estivesse quente e pronto para a chegada da MC. Se ela vier, será logo.)

(Eu deveria fazer o Mitsuhide e o Mitsunari limpar tudo antes de ela chegar.)

(A sala está uma bagunça. Provavelmente ficou pior no tempo que eu estou aqui.)

Eu saí da cozinha pra falar com eles.

Mas quando parei em frente à porta do Mitsunari eu ouvi vozes lá dentro.

(Parece que a MC já chegou.)

MC: “Boa noite. Então, Masamune me convidou, ele—“

Mitsunari: “Sim, ele nos avisou que você se juntaria a nós para o jantar.”

MC: “Para o jantar? É disso que se trata?”


(Droga, eles estragaram a surpresa.)

Com o fim da brincadeira, eu abri a porta para dizer oi.

Masamune: “Você veio. Que moça boazinha.”

*Cap. 5 – parte (1/05) completa*




❖ Parte 2 


MC recebeu minha chegada com a surpresa que eu esperava.

Sorrindo, eu acariciei seus cabelos, feliz por minha armação ter pelo menos conseguido tirar dela aquele tipo de reação.

Masamune: “Você veio. Que moça boazinha.”

MC: “Então, o que é isso sobre jantar?”

Mitsuhide: “Masamune é bem insistente sobre Mitsunari e eu termos a quantidade adequada de comida.”

Mitsuhide: “Ele faz isso o tempo todo. Essa noite, ele nos avisou que você viria também.”

Masamune: “Mitsuhide explicou. De qualquer forma, eu poderia usar sua ajuda na cozinha.”

MC: “Estou honrada por você pensar que posso ser de alguma ajuda!”

(Quase pronto)

Eu prendi minhas mangas e chequei os vegetais que deixei fervendo.

MC passou por todas as bandejas, examinando a comida com um olhar interessado.

MC: “Você quer que eu te ajude a carregar essas?”

Masamune: “Assim que eu terminar de adicionar os toques finais nos vegetais.”

Eu testei a consistência deles com o hashi culinário. Parece que eles estavam crocantes na medida certa.

Masamune: “Parece bom. Eu diria que está quase pronto.”

MC: “Você faz tudo isso de comida? Para aqueles dois?”

Masamune: “Sim. Nossos dois Mitsus vão morrer de fome se você deixar.”

Masamune: “Eles também não viram nenhuma luz do sol desde que recebemos a notícia de que Uesugi e Takeda estão se movendo.”

Mc se aproximou e observou eu cozinhar, curiosa.

(Aposto que ela pensa que eu sou estranho por cozinhar. Bem, vamos ver o que ela pensa quando provar isso.)

Eu peguei um punhado de ervilhas e comecei a retirar a casca.

MC: “É bem legal de sua parte fazer isso para os dois.”

Masamune: “Legal? Eu não vejo dessa forma.”

Masamune: “Você precisa comer para sobreviver. Aqueles dois não percebem como isso é importante.”

Masamune: “Eu percebi que se eu desse para eles algumas boas refeições, eles começariam a apreciar mais o processo.”


Opções:

1 - “Sim, ‘Mãe’. (escolhida)
2 - “Você se preocupa.”
3 - “Ainda assim é legal.”


MC: “Sim, ‘Mãe’.”

(Mãe, hein? A minha foi um pouco ausente na minha vida. Mas, se eu fosse uma mãe--)

Masamune: “Eu nunca criaria meus filhos para ser mal como aqueles dois!”

MC: “Então, você é um verdadeiro cozinheiro. O que te fez começar?”

Masamune: “Hmm? Você quer saber isso?”

Masamune: “Eu acho que é porque eu gosto de cortar coisas.”

Provocando ela, eu lancei a faca de corte no ar e a peguei, rindo.

MC: “Uh—“

Eu não pude deixar de rir ao ver a reação dela.

(Eu pararia de fazer essas brincadeiras ruins se ela parasse de cair nelas.)

(Pensando bem, eu não deveria. Elas são muito engraçadas.)

Masamune: “Estou brincando!”

MC: “Masamune, suas brincadeiras são sempre sombrias.”

Masamune: “Bem, de certa forma, eu não estava mentindo.”

(Eu não gosto realmente de cortar coisas ou pessoas. Mas é necessário.)

Eu salpiquei as ervilhas na panela e tirei um cogumelo fumegante com os hashis.

(É por isso que eu te convidei aqui essa noite. Você queria saber o motivo por eu lutar.)

(Bem, esse é o motivo.)

Masamune: “Aqui. Experimente.”

MC: “Está bem.”

Eu assoprei o cogumelo antes de oferecer a ela.

Ela se inclinou pra frente e o mordeu, mastigando lentamente.

Então, seus olhos se iluminaram.

(Ela realmente tem um sorriso adorável.)

MC: “Isso é muito bom!”

Masamune: “Aí está.”

Alguma coisa em mim se sentiu aliviado em vê-la feliz e sorrindo.

Masamune: “Quando você come alguma coisa boa, faz você se sentir bem, não é?”

MC: “É.”

Masamune: “Foi por isso que eu aprendi a cozinhar.”

Masamune: “E é por isso que eu luto.”

MC: “Eu não sei se vi alguma conexão.”

Eu olhei pra ela, querendo ajudá-la a entender.

Masamune: “Meu objetivo na vida é criar um país onde todos prosperem e possam ter boa comida onde eles precisarem.”

Masamune: “Eu peguei esse objetivo, e a liderança do clã Date, do meu pai.”

Masamune: “Se eu puder garantir que um país como esse exista, vale a pena qualquer sacrifício pra mim.”

(Era isso que você queria saber. É por isso que eu posso fazer as coisas que faço.)

<Lembrança>

MC: “Eu me recuso a matar. Por qualquer motivo.”

<Fim da lembrança>

(Eu também não quero que ninguém morra. Todo sacrifício é difícil.)

Por anos, o único sonho que eu tive era um que eu chorava, arrependido, diante do corpo do meu pai.

(Mas a comida que comemos vem do sacrifício dos animais. A vida é construída em sacrifícios.)

(O melhor respeito que eu posso oferecer para aqueles que foram sacrificados é continuar seguindo em frente e viver a vida ao máximo.)

(Meu pai, meus vassalos e meu povo confiaram a mim seu futuro. Eu vou transformá-lo no futuro que todos eles sonham.)

(Mesmo que eu tenha que sacrificar alguém importante de novo, eu não posso parar dessa vez. Não importa quem seja.)

MC olhou pra mim em silêncio.

(Ela está assustada? Honestamente, eu teria medo de mim também.)

Eu queria perguntar como ela se sentia, mas decidi que era melhor não.

Levou-me anos de escola e difíceis lições de vida para perceber tudo isso. Ela vai precisar de tempo também.

Masamune: “Ok, agora terminamos! Vamos levar isso pra fora.”

Masamune: “Eu aposto que nenhum deles deve ter comido nada desde manhã. Vamos.”

*Cap. 5 – parte (2/05) completa*



❖ Parte 3 


Masamune: “Mitsunari, sua comida está esperando ali. Hora de deixar esse livro.”

Mitsunari: “....Que? Tem comida? Me desculpa, eu fiquei distraído e esqueci.”

MC: “Mitsuhide, porque você está despejando tudo na mesma tigela?”

Mitsuhide: “Parece ser a maneira mais rápida de comer.”

MC: “Mas você está esmagando tudo junto.”

Mitsuhide: “É desse jeito que isso vai ficar no seu estômago.”

MC: “Que desperdício de todos esses ótimos sabores.”

Masamune: “Diz pra ele, moça!”

(Eu tenho que perguntar como nossos dois Mitsus foram criados.)

(Mitsuhide não recusa nenhuma comida, não importa o quão horrível, e se certifica de que tudo que ele come pareça horrível também.)

(E Mitsunari é preciso colocar uma tigela de comida na frente dele e os hashis em sua mão, pra ele se lembrar de comer.)

(MC não parece muito animada.)

Ela estava olhando para o seu prato. Perdida em pensamentos.

(Eu esperava que algo bom pra comer fosse fazê-la sorrir.)

(Acho que preciso me esforçar mais.)

Eu mantive meus olhos fixos nela enquanto levava meu copo para a boca.

(Mmph? O que tem de errado com essa água?)

O tempo parecia ficar mais devagar, e então me lembrei que não havia checado meu copo havia um tempo.

(Era pra estar cheio de água. Eu sempre bebo água.)

Masamune: “O que...é isso?”

Mas não era água. Era morno. Quente. Quente como meu corpo e minha cabeça tinha ficado.

A sala ficou muito brilhante e bem confusa.

(Isso é sakê?)

(Não. Não é sakê. É água. Só tem sabor de sakê. Como--)

Eu tinha uma palavra na ponta da minha língua, mas alguma coisa tomou o lugar dela. Três palavras.

(Isso é mal.)

Eu estava muito sonolento, o que era bom, porque de repente a sala estava cheia de travesseiros.

Travesseiro fofo: “Esses vegetais estão ótimos. Você deve ter adicionado algo mais além das ervilhas pra ter conseguido esse sabor.”

Masamune: “Uh-Huh.”

Travesseiro fofo: “Talvez você possa me ensinar como fazer isso?”

Masamune: “Mmm.”

(Agora os travesseiros estão falando. O que eles estão dizendo?)

Travesseiro fofo: “Masamune, você está bem?”

Masamune: “Huh?”

(Olá travesseiro fofo. Eu gostaria de te conhecer.)

A sala estava girando, mas eu estava fazendo um ótimo trabalho em me manter parado. Perfeitamente parado nessa sala girando.

Travesseiro fofo: “Você está bêbado?”

Travesseiro traiçoeiro: “Correto.”

Um travesseiro que parecia traiçoeiro movia seus chifres em minha direção. De qualquer forma, o que faz um travesseiro com chifres?

(Parem de falar travesseiros. Vocês estão me cansando.)

Travesseiro fofo: “Ele não tem falado nada há um tempo. Ele não desmaiou, não é?”

Travesseiro traiçoeiro: “Vamos descobrir, que tal?”

O travesseiro traiçoeiro pulou atrás de mim. Alguém deve ter enchido ele com chumbo, porque ele me acertou como um aríete.

(NT: Aríete era uma máquina de guerra feita pra derrubar muros ou portões de castelo. Era feito com tronco de árvore de madeira resistente e uma testa de ferro ou de bronze)

Travesseiro fofo: “Hey, espera, argth, Masamune! Sai de cima! MITSUHIDE!!”

Apesar de todo meu esforço, eu caí, e caí, e caí até eu finalmente pousar em algo delicado. Como uma cama de flores.

Era o travesseiro bonito. Só que agora não era só um travesseiro. Era um futon. Aquecido. Muito aquecido.

Masamune: “Nnmm.”

(Lindo futon.)

Futon lindo: “Masamune. Levanta!”

Masamune: “Alto.”

*Cap. 5 – parte (3/05) completa*




❖ Parte 4 


Masamune: “Alto.”

O lindo, doce e cheiroso futon estava gritando na minha orelha.

Estava gritando com o travesseiro traiçoeiro e o travesseiro inteligente.

Futon lindo: “Mitsuhide, você fez isso com ele, você ajuda a tirar ele daqui!”

Futon lindo: “Qual é, gente. Voltem! Meninos!”

(Por que está gritando? Eu quero dormir.)

Masamune: “Cchalaa a boca...gritaria barulhenta....coisa...” 

Futon lindo: “Ah, cala a boca você.”

Masamune: “Sonolento...quero desc—“

(Você, futon lindo, é o futon mais legal que eu já dormi. Você é aquecido. Não precisa nem de uma coberta.)

Eu descansei minha cabeça no topo do futon. Então, as coisas pararam de ser tão brilhantes. Foi porque eu fechei meus olhos.

Futon lindo: “Não! Você absolutamente não pode dormir desse jeito! Levanta!”

Futon lindo: “Vamos, Masamune. Vamos levar você até um futon de verdade onde você possa dormir.”

Masamune: “Aqui está um futon. Ótimo futon!”

Futon lindo: “Eu não sou um futon!”

O futon balançou. Tudo começou a girar novamente e eu de repente estava de pé bem alto.

Masamune: “Ohh...tonto.”

Eu estava sonolento. Eu queria cair e deitar de novo, mas alguma coisa estava me mantendo de pé e dizendo pra eu me mover.

Futon lindo: “Vem, por aqui, Masamune.”

Era o lindo travesseiro-futon. Estava me ajudando a ir pra um lugar bom e escuro.

(Escuro?)

Lugares escuros eram bons pra dormir. Mas então eu me senti um pouco mais acordado.

Havia quatro paredes, não dezoito. E o futon não era feito de flores e açúcar, ele era apenas feito de futon.

(Nós nos movemos? Nós? O travesseiro e--)

MC: “Você quer água?”

Masamune: “Huh?.....É você, MC?”

MC: “Levou tanto tempo assim pra você perceber? Aqui, deita.”

Era a MC. Ela estava ali também. Ele estava muito linda então eu a abracei.

Masamune: “Vem aqui.”

MC: “Que--!”

Eu caí no futon, aquele normal. MC estava lá comigo.

(MC é muito delicada. Assim como pensei.)

MC: “Eu não vou dormir, ainda tenho que limpar a bagunça de todo mundo.”

Masamune: “Mmm. Não, você não vai—“

Eu coloquei minhas mãos em seu rosto, tentando acalmá-la. Seja lá o que foi que eu disse pra ela, foi muito legal e muito dramático.

As mãos dela estavam na minha. Me levou um segundo, mas eu as encontrei e enrolei meus dedos apertando ao redor dos dedos dela.

MC: “Você. É. Incorrigível.”

Masamune: “Haha. Lindo rosto—“

(Você parece linda não importa o que faça.)

(Mas, o que eu realmente quero que você faça é sorrir.)

(Eu gosto quando você sorri.)

Meu olho se fechou. Eu não podia mantê-lo aberto por mais tempo.

MC: “Masamune, de verdade, você precisa descansar e eu preciso—“

A voz da MC se afastou. Eu a abracei mais forte, então ela não iria me abandonar também.

(Por favor, sorria, MC.)

Esse foi o último pensamento que eu tive antes que tudo se tornasse sono.

..........................

Na manhã seguinte ~~

(Deus, minha cabeça está me matando!)

A luz era tão brilhante do lado de fora que eu queria gritar para o Kojuro arrancar meu outro olho.

(Essa é a cama do Mitsunari? Quando foi que eu dormi?)

Quando eu tentei me levantar, eu percebi que havia mais alguém na cama comigo.

(MC? Mas o que aconteceu noite passada?)

*Cap. 5 – parte (4/05) completa*




❖ Parte 5 


(MC? Mas o que aconteceu noite passada?)

Eu sentei do meu lado para não acordar a MC, que ainda estava dormindo no meu outro braço.

(Okay. Enorme dor de cabeça. Perda de memória. MC na cama comigo.)

Eu suspirei.

(Ele me deu sakê de novo.)

Enterrei a cabeça em minhas mãos, desapontado.

(Eu devo ter arrastado a MC até aqui comigo e desabei na cama do Mitsunari.)

(Isso não poderia ficar pior.)

(Eu sei que o Mitsuhide fez isso. Ele deve ter trocado minha bebida. Mas quando?)

MC: “Mmm! Eu realmente dormi—Eu dormi?!”

MC acordou ao meu lado, se espreguiçando.

(Ela me viu quando eu estava bêbado. Eu nunca vou superar isso.)

Masamune: “Mitsuhide, seu espertinho desgraçado, você me pegou de novo.”

MC: “Olá, Masamune.”

MC: “Bom dia, eu acho?”

Masamune: “MC, eu tenho uma coisa muito importante pra dizer.”

Eu tenho a atenção dela. É fundamental que ela perceba a gravidade desse pedido.

MC: “O que foi?”

Masamune: “Esqueça tudo.”

MC: “Tudo?”

Masamune: “Tudo que você viu noite passada. Tudo. Nunca fale disso novamente.”

MC: “Você quer dizer de como você ficou bêbado?”

Masamune: “Eu quero dizer de como eu perdi o controle de mim mesmo. O quão desagradável foi aquilo?”

(Droga. Eu odeio sakê.)

MC: “Você não precisa ser legal o tempo todo. Eu acho que é melhor se as pessoas souberem que você tem um lado delicado.”

Masamune: “Esse não é o problema.”

Eu balancei a cabeça em minhas mãos novamente. E então me ocorreu.

(Ela está sorrindo?)

Eu levantei minha cabeça.

(Ela estava sorrindo agora, certo?)

MC respirou fundo e me olhou no olho.

MC: “Obrigada por me mostrar sua razão para lutar.”

Masamune: “Hmm? Bem, você realmente parecia querer saber.”

MC: “Ontem, eu disse que você me assustava.”

MC: “Mas você tem um sonho de mudar o país, e grandes sonhos como esse podem ser assustadores.”

MC: “Eu não acho que você seja desagradável de jeito nenhum.”

Masamune: “Mas, não noite passada, quando eu—“

Eu olhei de volta para a MC. Ela balançou a cabeça, me confirmando. Minha respiração ficou presa na garganta.

(Eu impressiono ela?)

Ela olhou pra mim com um olhar mais suave que antes.

Seu sorriso não era um sorriso grande, divertido. Era gentil, mas fez meu coração bater como um louco ao mesmo tempo.

Masamune: “Verdade?”

Eu não tinha certeza do porque sua confirmação significava tanto pra mim.

(Depois de eu ter mostrado a ela meu pior lado, ela na verdade pensa melhor de mim do que antes?)

MC: “Apenas não mate meus amigos. Bem, saiba que se você tentar, eu vou pular na frente de novo.”

MC: “Nada vai me convencer de que está tudo bem matar.”

MC: “E eu não volto atrás nisso.”

Masamune: “Essa maneira de pensar vai matar você.”

MC: “Que seja. É minha convicção.”

MC: “Eu tenho uma sugestão. Na próxima vez que você quiser falar que isso vai me matar, ou que eu não estou enxergando como um todo—“

MC: “Tente me entender. Eu posso cozinhar uma refeição pra você se isso for ajudar.”
(MC realmente quer que a gente se conheça melhor. Ela não está negando meus métodos--)

(Ela só está se mantendo aos dela. Heh. Eu sempre soube que ela era diferente.)

Ela não podia lutar e também não gostava disso. Mas ela nunca correu de uma batalha, e ela era determinada como ninguém.

Foi essa coragem que me atraiu a ela em primeiro lugar.

(Tem algo especial sobre ela, alguma coisa que ela carrega com ela. A vida no castelo é bem menos tediosa quando ela está por perto.)

Eu soltei um rápido suspiro e sorri.

Masamune: “Eu vou tentar.”

Honestamente, eu estava animado. O que a MC me mostraria da próxima vez?

Masamune: “Me mostre o que faz você ser o que é. E eu vou tentar te entender.”

*Capítulo 5 – Ponto de vista dele – Completo*



Nenhum comentário:

Postar um comentário